Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007
Uma caixa de Alka Seltzer
Sexta-feira, 12 Out, 2007
Num mundo salpicado de guerras um pouco por toda a parte, muitas delas infindáveis, a atribuição do Nobel da Paz a Al Gore sabe-me a pouco, confesso. E mais. Causa-me algum desconforto. O homem não merece? Não é bem isso. A causa dele não merece? Não é nada disso. A questão não passa aqui pela discussão dos méritos deste ou daquele, pessoa ou organização, que ganhou ou perdeu. É mais por aquilo que a atribuição do Nobel da Paz deveria significar para aqueles que amargam, dia após dia, existências espremidas, reprimidas, pisadas, violadas e cuspidas pelo poder totalitário das armas ou das ideias. Gente que não tem esperança, como já os seus pais não tiveram. Que já nasce curvada e de olhos no chão. Gente por quem o mundo pouco faz, para não dizer nada, todos os dias. Nesta circunstância, de facto, o gesto é tudo. E o gesto deste ano, digam o que disserem, foi pobrezinho. Fez pouco a diferença.




Nenhum preto do mundo ficou mais branco em 1964, quando o Prémio foi atribuído a Martin Luther King, ou quando vinte anos depois foi dado ao Bispo Desmond Tutu. Mas ficaram todos mais gente, nos seus próprios países e aos olhos de um Ocidente estrábico e racista. E sobretudo por dentro, que bastam cem errados por cada certo para conseguir semear a dúvida na mais justa das causas. Como acontecia em Timor, para onde foi o Nobel de 96, entregue à guarda de Ramos Horta e D.Ximenes Belo. Ou em Burma, onde em 1991 Aung Suu Kyi soube em prisão domiciliária que tinha ganho o Nobel da Paz. Não seria essa a ideia do senhor Alfred? A primeira escolha de todas diz-me que sim. Em 1901, quando havia só mortos e poucos feridos nas muitas guerras, por ausência do conceito de humanidade para com os vencidos, Jean Henri Dunant foi premiado com o primeiro de todos os Nobel da Paz. O fundador da Cruz Vermelha passou ele próprio a ser uma imagem da paz. Uma bandeira da mais elementar decência entre seres humanos infectados pela desunião. As guerras continuam até hoje, nem por isso mais decentes.


Gerida por cifrões de várias línguas, a terra vai girando nem mais nem menos, apenas pior. A administração global tem o cinismo do dinheiro e um coração de prestamista. Vê a desgraça dos outros com lentes Zeiss de distância inteira. Talvez por isso não distinga de perto a triste resignação dos mortos de fome que aguardam o Alto Comissário para os Refugiados e vêem aparecer o Engº Guterres e um batalhão de fotógrafos. Mais cruel só mesmo enviar uma caixa de Alka Seltzer e guardanapos.




Não discuto o mérito de Al Gore, da sua causa ou da sua luta. Conheço-lhe os pormenores. O mundo inteiro conhece Al Gore e a sua causa (e ainda bem), que um Óscar de Hollywood faz milagres pela comunicação. Merecia sem dúvida o Nobel do Ambiente, se existisse um. Questiono sim a eficácia do suposto instrumento anti-guerra que é o Prémio Nobel da Paz. E fico a desejar que o contemplado com o cheque que Al Gore vai receber fosse outro. Alguém que fosse mais ninguém, se é que me faço entender.



RVN

publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Anónimo a 14 de Outubro de 2007 às 03:39
tu não gostas é do gajo.. eheheheh


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas