Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007
Cabo Negro
Sexta-feira, 23 Nov, 2007

«A coisa começou domingo, aqui na ilha da Boa Vista. De repente, sem ninguém saber porquê, começaram a dar à costa dezenas de golfinhos. Os populares, alguns, ainda tentaram salvá-los, empurrá-los para dentro de água, mas foi impossível. Não estive lá mas, esse sim, deverá ter sido um “espectáculo dantesco”, uma frase que nós, jornalistas, tanto gostamos de usar.Mas a coisa continuou para segunda-feira e na quarta alguns ainda rondavam a ilha, como se esta fosse uma atracção irresistível, a atracção do abismo, a atracção da morte. Foram 265 em pouco mais de 48 horas, espalhados pela praia, enterrados ali mesmo, alguns, outros, imagina tu, levados pelos populares para os comerem. Tal foi que quando ontem responsáveis do Ministério do Ambiente queriam um para análise não havia.Agora, e não sei se para sempre, desconhecem-se as causas do desastre. Diz-se, por aqui, que há situações em que quando os golfinhos perdem o líder podem ter reacções destas, ou então esse líder, ou lideres, é que ficam loucos e dirigem-se para a morte, sendo seguidos pelo resto do grupo.»

(ler o resto aqui)


Há dois ou três anos dei por mim no mar da Praia do Pópulo, em S.Miguel, agarrado a um golfinho bébé que tinha dado à costa e não conseguia voltar para o largo. Fui dos últimos a jogar-me à água, confesso, que antes de mim foram os sete ou oito companheiros de aventura que já tentavam o salvamento do bicho há uns bons quinze minutos quando eu cheguei.

O animal esteve irritantemente manso durante todo o tempo que durou o episódio. Que foi muito, diga-se, mais de uma hora e meia até finalmente chegar a lancha da Polícia Marítima. Como se tivesse ali desistido de viver e não quisesse dar nem mais uma barbatanada que fosse para salvar a vida. Tinha olhos de angústia e medo, juro-vos eu, que nunca fui geenpeace na vida. Nunca mais me esqueci desta aventura que terá acabado em bem, ao que se sabe. Conseguimos passar uma rede larga por debaixo do golfinho e a lancha rebocou-o devagarinho até mar alto, onde o largou entregue ao seu destino. Era o bem possível, disseram.

Hoje a lembrança do meu flipper açoriano atacou-me de frente ao ver a foto que aqui divido convosco. Foi sacada ao Atlântico Expresso, juntamente com o texto do Fernando Peixeiro, em directo do areal da Boa Vista em Cabo Verde, onde duzentos e sessenta e cinco golginhos deram à costa para morrer.

Deixo-vos com as três coisas.
A foto, as palavras e a minha chapelada ao cronista.




publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De alerta bem encarnado a 24 de Novembro de 2007 às 12:58
Tubaroa,

cá pra mim, isso são mais olhos que barriga... sugiro a tal cama, o chá, o tareco e canal panda.


De Rui Vasco Neto a 24 de Novembro de 2007 às 01:35
também nem tanto, caramba.
um peixito elegante e atrevido mas não letal, não se arranja?


De Insaciável a 24 de Novembro de 2007 às 01:29
A minha cama, uma chávena de chá e o tareco aos meus pés....

E amanhã acordo tubarão!

Boa noite :-)


De Rui Vasco Neto a 24 de Novembro de 2007 às 01:17
saci,
lamentavelmente não, só areal, a perder de vista.
sentidos de orientação e sobrevivência recomendam-se. a confirmar-se a golfinice, sugere-se o alerta laranja.
já.


De Insaciável a 24 de Novembro de 2007 às 01:14
Completamente. Existe aí alguma rede?


De Rui Vasco Neto a 24 de Novembro de 2007 às 01:12
astrólogos, insectos e pontos de exclamação,
pois e mais pois.

daniel,
não te autorizo conversas sobre a maia. a saudade bate sempre mais às sextas.

saci,
ksssss passsa, estamos golfinhos?


De Insaciável a 24 de Novembro de 2007 às 01:07
Hoje também estava numa de deixar-me levar ao sabor da maré....


De Daniel de Sá a 24 de Novembro de 2007 às 00:36
Essas cenas são frequentes com cetáceos, e a explicação varia entre perderem a capacidade de usar o sonar por estarem demasiado próximos da costa, em mar muito baixo, e essa de os guias se desorientarem.
Mas conheço pelo menos um caso com um tubarão. Há muitos anos, um tio meu contou-me que viu um atirar-se contra o "calhau" da Maia, ali onde os barcos arreiam, a perseguir uns peixinhos. Claro que ele não sabia que esses peixinhos eram os peixes-guia, que provavelmente se teriam desorientado, e assim levaram o tubarão atrás de si.


De ???!!! a 23 de Novembro de 2007 às 18:03
Que barbaridade não é maya ?


De Formiga a 23 de Novembro de 2007 às 18:03
Triste, muito triste, não é maya ?


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas