Domingo, 17 de Fevereiro de 2008
O Gago da banza
Domingo, 17 Fev, 2008
Esta figura que aqui vêem é o meu amigo Alfredo Gago da Câmara, diamante de gema açoriana, uma espécie de arrebimbómalho da guitarra portuguesa, enfeitado com um coração de ouro e um maufeitiozinho de antologia, teimoso como três mulas. O que é um arrebimbómalho da guitarra portuguesa? É alguém que nos faz trinar por dentro, a cada gemido solto por aquelas cordas que ele prende e faz soar como poucos. É alguém que nos embala na melhor companhia para qualquer viagem ao fado da nossa vida, um músico de eleição e a minha rede preferida sempre que salto para o trapézio. E o que é um coração de ouro e um maufeitiozinho de antologia, teimoso como três mulas? É o meu amigo Alfredo Gago da Câmara.

Um dia, atrevidote e armado em poeta, mandou-me uns versos, uma daquelas quadras piplares antigas, a desafiar-me para a glosa. «
Cabelo branco é saudade? Quem o disser exagera! Às vezes, quando Deus quer, cai neve na Primavera.» E eu, atrevidote e armado em poeta, mandei-lhe estes versos de resposta à encomenda. Hoje lembrei-me dele e deles, por tabela. E dos palcos que pisámos juntos, dos espectáculos, das palmas, das fífias, das conversas, das partes gagas, das histórias que só nós dois é que sabemos e dos cabelos brancos que ele me pôs nestes anos de amizade pura e dura. Maufeitiozinho de antologia, teimoso como três mulas. Cabelo branco é saudade? Quem o disser exagera.


Sinto que estás a mudar
a cada dia que passa.
De dia tens outro ar,
à noite tens outra graça..
Estás bem melhor, digo eu,
na mais fina flor da idade.
E se o cabelo embranqueceu,
cabelo branco é saudade.

Imagina que nevou.
Que, depois de um frio de morte,
o ar, de tão frio, gelou
e o branco ditou-te a sorte:
"Será grisalho o amor
que esse teu coração espera
".
Poderia ser pior?
Quem o disser exagera.

Há quem viva e morra assim:
sem nunca saber o amor.
Os dias não têm fim
e à noite, então, é pior:
nada é o que parece.
E não adianta querer,
que o amor só acontece
às vezes, quando Deus quer.

Por isso dá por feliz
a hora em que encaneceste.
Se o teu branco é de raiz
é um sinal que cresceste,
já não és grande, és maior,
acabou a longa espera.
No Outouno do nosso amor,
cai neve na Primavera.

publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Anónimo a 19 de Fevereiro de 2008 às 23:10
Rui:

Grande surpresa esta. Não o sabia poeta!E bom, há que dizê-lo. Eu bem lhe disse que ia dar uma leitura pelos posts que não li nestes últimos tempos. E este até é recente. Deve haver mais, não? Ainda por cima acabo de descobrir que canta o fado. Que mais estará para acontecer?
Nesta área conheço alguma coisa, a começar pelos guitarristas da Amália, que conheci em casa dela. Mas há outros e outras vozes...
Vou continuar a leitura.

Abraço da Sol.


De Anónimo a 19 de Fevereiro de 2008 às 09:44
que coisa mais bonita :)!!!!
abreijos,
Maria.


De Daniel de Sá a 18 de Fevereiro de 2008 às 19:47
Falando a sério, não aposto nada que dependa de cartas ou de dominó. Mas, se elas ajudarem um pouco, eu dou-lhes uma mãozinha para fazer o resto.


De Alfredo Gago da Câmara a 18 de Fevereiro de 2008 às 18:47
Há clube de king que mora
na ilha de São Miguel.
É o da Cova da Moura
ó meu amigo Daniel.

Em serão bem regadinho,
se não me falha a memória,
lá ensinei um Netinho.
Vou-te contar a histótia:

os primeiros seis confrontos
foram p´ra ele incentivos...
Acabou com zero pontos
na fase dos negativos!!!

Coitadinho do Netinho
cheio de satisfação,
parecia um gatinho
a sonhar que era leão.

Tão ruim ele ficou,
qual dragão a cuspir fogo,
tantos palavrões gritou
no fim, ao perder o jogo.

Daniel, não fiques com medo,
mas esta lição convém.
Podes vir, não cantes cedo,
que isto não te fica bem.
Aqui o amigo Alfredo
limpa-te o sebo também.

Abraços


De Anónimo a 18 de Fevereiro de 2008 às 17:35
todo ele é Fado ? só se fôr nos seus ouvidos.


De sir newton a 18 de Fevereiro de 2008 às 16:30
... o branco é a fusão de todas as cores...


De fadistices a 18 de Fevereiro de 2008 às 15:55
Olha meu amigo a vida é boa, tem calma que a tormenta vai passar....


De Anónimo a 18 de Fevereiro de 2008 às 15:05
Ó meu caro Daniel, a voz do nosso amigo Rui Vasco Neto, transcende o " parecer mesmo fadista a sério" porque: todo ele é Fado!


De samuel a 18 de Fevereiro de 2008 às 12:01
Está tudo muito certo, muito bonito, mas o que eu queria era que estivesse também com som.
Quem sabe, até eu ficasse a soar à fadista... mas isso já é mais na secção dos milagres.


De Maria a 18 de Fevereiro de 2008 às 04:05
Não sei se comente o post se o oiça numa reportagem na rtp memória sobre as "igrejas" que ocuparam cinemas...
Ai, afinal o tempo dá pra tudo.
é uma questão de fé, dizem....

Mas o que importa aqui é dizer que tenho saudades de o ouvir cantar um fadinho...
... lá vai sair o CD....


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas