Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008
As Ceias da Inquisição
Segunda-feira, 21 Jan, 2008
Daniel de Sá lembrou-se hoje, vá lá saber-se porquê, das ceias da Inquisição, essa antiga associação de homens bons, peritos em queimar o pensamento dos outros nas fogueiras do seu preconceito. O meu amigo Daniel esclarece: «Previno que historicamente aquilo que eu digo neste "auto" é autêntico. Não inventei nada. Só o diálogo, obviamente.» Irritam-me os escritores, este em particular. Tem tudo que ser dito, muito bem dito, assim?

Em baixo: "A Casa".
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá.

(Personagens: Martinho – um pobre diabo. Diabo – ele mesmo. Conversam enquanto vêem passar três inquisitoriais figuras.)

Martinho

Este aqui é frei Cirilo,
Homem de grande ciência
E de muita experiência,
A gente pasma ao ouvi-lo.
A sua boca, um primor...

Diabo

Não te percas no louvor,
Eu sei a boca que tem.
Pela pança vê-se bem.

Martinho

Come até lhe dar c’o dedo.

Diabo

E este quem é? Mete medo!
Parece cara de pau!

Martinho

Este é o maior santo
De Portugal e Toledo!
O cardeal Nicolau,
Que é da Santa Inquisição.

Diabo

Essa santa, podes crer,
É da minha devoção.

Martinho

Este outro é o das canseiras
De fazer conta às despesas
De quanto se põe nas mesas.
De jantares e fogueiras
É ele que faz as contas.

Diabo

E tem muitas pra fazer?

Martinho

Mais que as contas em que apontas
As almas que pões a arder.

Diabo

Se eu fosse um homem, agora
Creio que estava na hora
De como dizeis dizer:
“Com mil diabos!”

Martinho

Ou mais!

Diabo

Não sou de me envaidecer...
São muitos os comensais?
Quantos dias a comer?

Martinho

São dois dias para a mesa,
Antes da fogueira acesa.

Diabo

Minha mente está atenta,
Fala-me então da ementa.

Martinho

Salmonetes e linguados,
Mugens, abróteas, safios
(Pois por bem dos seus pecados
À sexta não há galinha)
E muita, muita sardinha.
De doces, várias centenas:
Talhadas de marmelada
Ovos reais às dezenas,
Escorcioneira ralada,
Maçapães brancos, cidrada,
Manjar real e perada,
Pêras, melão e confeitos.
E não ficam satisfeitos
Sem caroucos recheados,
Três pratos de manjar branco,
Quatro gansos amansados,
Trinta arráteis de carneiro,
Sem que nenhum seja manco,
Vinte frangas de poleiro,
Doze frangos bem crescidos,
De uma marrã, quatro quartos,
Mas para ficarem fartos
Serão ainda servidos
Quatro coelhos assados
E muito bem temperados,
E todos mui bem comidos,
Mais três perus e algum pão,
Com grande sofreguidão,
Quinze canadas de vinho,
E há outras mais miudezas
Para encherem as mesas:
Tortas de ovos e toucinho
Com manteiga da que for
Mais própria para a receita,
Que comem disso o meirinho
Tanto quanto o inquisidor.
E nenhuma boca enjeita
Comer pelos condenados:
Promotores, deputados,
O alcaide mais os notários,
Solicitadores mais
Os outros oficiais.
Estes os comensais vários.

Diabo

E é preciso comer tanto,
Pôr em tal tanto fervor,
Até o inquisidor?
Quem quer ser tido por santo
Não se entrega à penitência
Em vez de tal exp’riência?

Martinho

Reza em grande sentimento,
Dá chicotadas no rabo
E até faz muito jejum.
Se o visses em julgamento!...

Diabo

Tal feito não levo a cabo.
Pelo meu cheiro a bedum
Juro que onde há um diabo
Não faz falta mais nenhum.

Diabo

E há ainda a despesa
Das fogueiras, com certeza.

Martinho

A lenha para queimar
Os que vão a condenar.
O pano do sambenito,
Que arde no fogo maldito,
E outras mais miudezas
Que gasta toda a canalha
Que faz do fogo mortalha.
E são estas as despesas.

Diabo

De mim dizes que sou mau...
Chamas santo a Nicolau...

Martinho

Ao diabo que o carregue!

Diabo
Fica muito bem entregue.

(Notas: Escorcioneira – doce feito com os rizomas da planta assim chamada. Caroucos – Compota de vários frutos. )



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Piedade a 22 de Janeiro de 2008 às 16:32
Alfredoooooo!!! (psiuuu !!!) "mas não o ponhas à solta " - 3ª sextilha também !!!


De Alfredo Gago da Câmara a 22 de Janeiro de 2008 às 02:31
Perdoem. Na 3ª. sextilha em vez de deixa-lha, deve ler-se deixa-o. É óbvio.
Daniel: Não me venhas massacrar por isso!!!


De Rui Vasco Neto a 22 de Janeiro de 2008 às 01:37
alfredo,
Senta-te e espera, meu amigo. Da última vez tive que pôr três moedas e só saiu poema á quarta...


De Daniel de Sá a 22 de Janeiro de 2008 às 01:26
Ó meu Caro, isto está a pedir uma resposta condigna, o que não quer dizer que eu a dê com dignidade. Veremos.
Um abraço do amigo
Daniel


De Alfredo Gago da Câmara a 21 de Janeiro de 2008 às 19:37
Amigo Daniel

Depois de ler e reler
com orgulho, podem crer,
o que diz Daniel de Sá,
Cheguei cedo à conclusão
que neste mundo de cão
muitos mafarricos há.

Não há fígado sem fel,
há ferrões que trazem mel,
segue o raciocínio meu:
todos temos escondido
um diabo adormecido.
Onde raio para o teu?

É que às vezes não faz mal
passear o animal
com a devida cautela.
Deixa-lha dar uma volta,
mas não lhe ponhas à solta,
tem cuidado. Leva a trela.

O meu também está guardado,
há anos domesticado
e só sei que em mim mora
porque às vezes, sem querer,
se outro diabo o ofender,
já põe os dentes de fora.

Grande Abraço


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas