Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008
Os Fundamentais
Quinta-feira, 17 Jan, 2008
Estou navegando por aqui e acabo a ler sobre as recentes declarações do Secretário de Estado das Comunidades, António Braga, que garante não haver portugueses infectados pelo vírus H5N1 da gripe das aves, detectado numa criação de Inglaterra. Inevitavelmente, penso nas aflições de há ano e meio, mais coisa menos coisa, com a barraca do Oseltamivir e do conceito de 'portugueses fundamentais. Lembram-se? E salta do motor de busca este texto, publicado na altura. Não resito à publicação. Que querem? Sempre fui de fazer filmes.


Hoje vou fazer um filme. Uma coisa assim tipo Spielgberg, uma grande produção como o “Twister”, sobre o poder destruidor dos tornados, ou a “Epidemia”, com Dustin Hofman, sobre um vírus mortal que os Serviços Secretos tentam desesperadamente esconder. O meu filme vai ser sobre a gripe das aves. Vou basear-me em factos reais e imaginar um possível cenário de pandemia. Deus nos livre, claro! Mas os actores são reais, a ameaça é real, os stocks de tratamento existentes também são tristemente reais: Portugal dispõe de onze mil tratamentos de ‘Oseltamivir’, o antiviral mais eficaz que existe para combater o temido H5N1. A fantasia vai estar em imaginar que o pior acontecia e que o Estado tinha que pôr em prática o plano anunciado pela Sub-Directora Geral de Saúde, Graça Freitas. A notícia também é real e é fresca: “Cem mil portugueses considerados fundamentais para o país, devido aos cargos que ocupam, vão receber tratamento antiviral em caso de pandemia provocada pela gripe das aves”. O anúncio foi feito ontem pela sub-directora geral de saúde, Graça Freitas, que baseou a decisão do Estado num “levantamento levado a efeito pela Direcção Geral de Saúde sobre a quantidade de trabalhadores considerados prioritários para o país”. Eis o meu argumento. O cinema é a arte do faz de conta, certo? Então vamos a isso. “Os Fundamentais”, cena 1. Luzes. Câmera. Acção.

Começa com um grande plano do Palácio de Belém. O rosto crispado do Presidente invade a tela e o zoom vai abrindo para mostrar uma sala cheia de gente de manga arregaçada, em fila indiana para receber a injecção salvadora. Ouve-se um burburinho crescente na antecâmara do gabinete presidencial. Caem gotas minúsculas de suor da fronte do Presidente, que é o primeiro a ser vacinado. Entra uma secretária com uns papéis na mão. É a lista da Direcção Geral de Saúde com os nomes dos Portugueses Fundamentais, versão revista e corrigida, 175ª actualização. O burburinho aumenta e é já possível distinguir uma ou outra voz mais exaltada. “Claro que sou fundamental, sua besta!” É Valentim Loureiro que acaba de entrar. Os telefones não param de tocar. Há telefones de todas as cores, um vermelho, um verde, um amarelo e até um cor de rosa com a gravura da Barbie, que pertence à esposa do Presidente. Todos tocam. A décima quarta secretária da secretária da primeira dama atende o telefone da Barbie. È o estilista da primeira dama a recordar que também é fundamental. Ela agradece e atende o telefone amarelo. Um assessor fala no telefone verde claro com o primo do sogro do senhor ministro, e ouvem-se vagamente as palavras ‘fundamental’ e ‘tenha paciência’. A conversa acaba mal. No verde escuro está a empregada do irmão da cunhada do tio do senhor presidente, que tem muita urgência em falar a Sua Excelência. Manda dizer que é fundamental que Sua Excelência atenda porque ela vem da parte de uma pessoa que também é Fundamental e que é muito amiga de Sua Excelência e da esposa. Os gritos são agora perfeitamente audíveis e as vozes reconhecíveis ao longe. “Quem disse que eu não era fundamental, seu idiota?”. É Teresa Guilherme quem grita, não há dúvida. “Com licença, com licença”. A multidão abre um corredor dar passagem à equipa do Futebol Clube do Porto, com Jorge Nuno Pinto da Costa à frente. Ouvem-se muitas palmas e alguns assobios também. Os GOE consultam a lista e mandam avançar a equipa para um perímetro de segurança, todo rodeado a arame farpado e com uma placa a dizer ‘Portugueses Fundamentais’, onde já aguardam as suas vacinas as equipas do Rio Ave, do Nacional, do Benfica e do Herman Sic. A câmera mostra uma Lili Caneças desfeita em lágrimas, abraçada a Marques Mendes, da equipa dos Fundamentais do PSD, e a Freitas do Amaral, que não sabe a que equipa pertence. Como se trata de uma produção nacional, a fita acaba bem. Depois de um grande plano do Presidente a anunciar ao país um ‘inquérito rigoroso’ à situação, a derradeira imagem mostra o casal presidencial sorridente, mangas descidas e rostos colados num abraço terno. The End.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Ângela a 18 de Janeiro de 2008 às 10:59
Pois...
Somos todos fundamentais: uns para gastar do erário público, outros para permitir que haja verbas para os primeiros gastarem.
Num caso de epidemia não vacinem os segundos e vão ver como as vacinas não serviram para nada...!
Fundamental por fundamental, prefiro o cozinheiro da "Portugália" a qualquer Ministro!!
Kiss


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas