Terça-feira, 16 de Outubro de 2007
Nunca pensei dizer isto
Terça-feira, 16 Out, 2007
A Interpol anunciou ter identificado, graças ao apelo global que fez ao público, um homem conhecido por «Vico» que divulgou na Internet cerca de duzentas fotos suas de sexo com crianças a partir dos seis anos de idade. As fotos tinham sido tratadas digitalmente para impedir a possibilidade de identificação, mas a polícia pôs os seus técnicos a trabalhar e o resultado está à vista.

O Vico, que tem pico, é professor e encontra-se actualmente na Tailândia. Depois da ajuda dada ás autoridades, o mundo aguarda agora a sua rápida detenção. Enquanto isso não acontece aqui fica a cara da besta, gentilmente fornecida pelo próprio, numa oferta especial para os sonhos molhados de todos os brutamontes de todas as prisões do globo. Meus senhores, já podem começar a salivar. Para alguns de vocês (muitos, espero) a paparoca está mesmo quase quase aí. Bom apetite.
RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 16 de Outubro de 2007 às 22:53
Mifà,

solte a besta, minha amiga, se isso a alivia!
e faça-o aqui, se quiser, que o dano é reduzido.
esteja à vontade. filosoficamente, rotundamente e pontualmente.

rvn


De mifá a 16 de Outubro de 2007 às 21:33
Comer é o que, de facto, sinto.Mas é de comichão.Comichão e arrepio, náusea e vertigem!E, até, era capaz de comer(entenda-se:tomar como alimento)essa pústula mas... só se tivesse a certeza que a expulsão, ou seja defecação, se processaria em simultâneo com a ingestão. Não sei se me faço entender.Eu sei, eu sei que estas metáforas primam pela deselegância, malcheirosice e nauseabundice.Mas, que querem?, é que há coisas que me põem um frémito no corpo e na alma e a essas não há fairplay nem elegãncia que resistam!
Pena de morte?Filosoficamente falando, não.Rotundamente não. Pontualmente? Sim, ah mas sim, e sim e, outra vez sim.Ou, melhor: aplique-se a pena de Talião, olho por olho, dente por dente.
Que diabo, deixem-me soltar a besta pois que de besta muito mais grada se trata! Se não, SUFOCO!


De Rui Vasco Neto a 16 de Outubro de 2007 às 12:05
'cara sou eu'

Terá sido o factor susto a pesar na troca. Entendo que todas as embalagens de 605Forte devem ter, bem visível, o aviso do veneno.

Quanto ás questões de facto:
as fotos foram colocadas na net pelo próprio. O mais provável é que a intenção fosse exibir as outras partes de si próprio que nelas abundam, ao lado, em cima, dentro e fora de crianças algumas com seis anos de idade. Por isso se deu ao trabalho de distorcer digitalmente o rosto em todas elas.
Mas a Internet é um pau de dois bicos (passe a expressão, na circunstância) e a tecnologia também. Re-digitalizadas e tratadas, o rato pariu uma montanha e o mundo foi convidado a ajudar a caçar 'Vico'... pela Internet! De 3 continentes vieram inúmeras identificações positivas e o rapaz foi localizado (não encontrado) no passado dia 11 no aeroporto de Seul, através do video do aeroporto.
Mais pormenores em http://www.maratimba.com/noticias/news.php?codnot=213027.

Quanto ao fado, não me ofendo nunca. E dos três Efes mencionados é, acredite, o que me vai dando mais conforto.

Volte sempre

rvn


De sou eu a 16 de Outubro de 2007 às 11:43
Pela troca da foto, percebi o que se tinha passado. Obrigada por ser tão atencioso ao ponto de me avisar !!! Já agora : esta foto é bastante pior que a outra, apenas porque "assusta" quando aparece no ecrã. Mas diga-me : percebi mal ou as fotos continuam na net ?
Se o homem foi encontrado, porque é que está ainda por aí ? Não é só no nosso querido Portugal, de Fátima, Futebol e ... (não se ofenda)... Fado, que as coisas são assim ?


De Rui Vasco Neto a 16 de Outubro de 2007 às 11:19
Cara 'sou eu':

ao editar o post para trocar a foto deste simpático cidadão, o seu comentário foi excluído inadvertidamente. Se tiver a bondade de re-enviar, responder-lhe-ei com gosto. Entretanto e pelo lapso as minhas desculpas.

rvn


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas