Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007
A boca na botija
Quarta-feira, 14 Nov, 2007
Os senhores que me desculpem. Eu não quero ser mal pensado, nem atrevido, nem fazer humor com coisas sérias, garanto. Mas juro que só hoje, ao procurar a mais recente informação sobre as novas suspensões de funcionários na Casa Pia de Lisboa, tive oportunidade de conhecer este símbolo da instituição que aqui reproduzo para saber, de uma vez por todas, se esta estilização gráfica do adulto e da criança é uma piada de mau gosto ou apenas mais um triste e infeliz tiro no pé neste escândalo pedófilo de cordel.
Posso até ser só eu que estou a ver maldade no boneco, mas lá que gostava que alguém me explicasse para que lado está o nariz da criancinha, lá isso gostava.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De mifá a 16 de Novembro de 2007 às 12:40
Caro !!!!!!!!!!!,
tem toda a razão, caramba!
A professora(confessa) confessa que adoraria ter alunos como o oportuno e assertivo !!!!!!!!
Nada lesada, mesmo; ao invés.
Soube-me bem dar a mão à palmatória em vez de dar a palmatória à mão.
Obrigada ( sem ironia).


De !!!!!!!!!!!! a 16 de Novembro de 2007 às 12:26
Professora (confessa) Mifá,

Majestade escreve-se com j.
Soletrando....m a (j) e s t a d e!
Não se sinta lesada, tá?


De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 12:23
querida mifá,
um mea culpa será suficiente, que o requiem ser-me-ia doloroso, estou certo. majestade que se preza incorre em magnanimidade por puro desporto, logo...
de qualquer forma, permita-me ainda uma piquena correcçãozinha: não só a mifá não me pediu nada, como não tinha que pedir, como ninguém disse que tinha pedido, como ainda é por demais evidente que eu faço muito pouco a pedido seja de quem for. e assumir não é seguramente uma dessas coisas..
com amizade

rvn


De mifá a 16 de Novembro de 2007 às 12:23
Caro ?,
está no bom caminho.
Continue a interrogar-se que, com isso, só faz jus ao seu nome.
Cordiais interrogações.


De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 12:15
piedade,
julgo que o meu mais recente post (ver para crer) esclarece todas as dúvidas. e se houve quem conseguisse ver humor 'jocoso, brejeiro e leviano' no que eu disse, estou certo que também a piedade será capaz de encontrar este logotipo/'porcaria' pesquisando por casa pia, que foi de resto o que eu fiz.

..?nónimo,
bem visto, digo eu...


De mifá a 16 de Novembro de 2007 às 12:12
rvn,
já regressei, como vê.
O convento não é o meu habitat preferido.Dos tectos, sim, gosto... quando não são de vidro.Os rapazes, também os escuto que me dizem mais, mortos, que muita gente viva.
Mentes privilegiadas, onde? "As palavras são como cristais" : transparentes mas facetadas.Não confundir um elementaríssimo exercício de análise textual com um exercício de prestidigitação!
Quanto a "assumir coisa alguma", confesso não me recordar de lho ter pedido ou, sequer sugerido, implícita ou explicitamente.
Apenas esbocei um comentário sem imaginar que, ao fazê-lo, incorria em crime de "lesa-magestade".
Contritamente e ainda imbuída do clima conventual que acabei de respirar, entoo um "mea culpa".Ou prefere, antes, um "requiem"?
Melhores cumprimentos.


De piedade a 16 de Novembro de 2007 às 12:07
Sorry ! fui ver ao blog indicado acima e, realmente, lá está. Não tenho mais comentários. Isto é demais ...


De ? a 16 de Novembro de 2007 às 12:00
Mifá,

"Abordagem jocosa...";
"...atenção que lhe dispensei..."

Tudo isto e muito mais ( a pretexto deste comentário) é para "insultar a minha inteligência" ou tem a ver com outra coisa.....?


De piedade a 16 de Novembro de 2007 às 11:42
Rui : Claro que o assunto é sério, mas ao ler RVN, só me pareceu que estaria a gozar com a instituição e não com as crianças.
E, já agora Rui, a brincadeira é de mau gosto mas será de quem fez este logotipo. Já reparaste que só faz parte dos arquivos da Sic ?
Se procurares em Casa Pia, não aparece esta porcaria.


De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 11:21
mifá,
tem razão de facto. todos temos momentos menos felizes, como se pode comprovar lendo aquilo que, certamente com mais sono que tino, aqui escreveu.
que dizer? nada, mesmo.
se a acústica do espaço não lhe serve, talvez o mosteiro de alcobaça lhe convenha: tem tectos altos e a rapaziada que por lá encontrar, deitados em pedra, estarão certamente mais em condições do que eu para perceber frases como 'se há coisas que o meu cepticismo me permite considerar puras são as crianças'(??!?).
já agora, quem sabe eles lhe consigam explicar, devagar e com muita paciência, que gente como eu não tem pudor em assumir coisa alguma, muito menos o humor que usa quando de facto o usa e não quando mentes priveligiadas e treinadas para 'ver além das palavras' entendem que descobriram a américa em plena fajã das galinhas.
melhores cumprimentos e apareça, quando regressar de alcobaça.

rvn


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas