Sábado, 9 de Fevereiro de 2008
Ainda as gargalhadas do China
Sábado, 09 Fev, 2008
Estes últimos sete meses que passaram foram férteis em notícias do China, esse rapazola delinquente que vem dando uma generosa contribuição para o anedotário das forças policiais portuguesas, ao fugir da cadeia de Guimarães uma vez, liderando um grupo de condenados que feriu um guarda e ameaçou outros dois, protagonizando uma espectacular fuga colectiva; sendo preso uma outra vez e libertado a seguir por engano noutro clássico da burrice burocrática, um embuste colectivo digno de Alves dos Reis; e finalmente quando, por um mero acaso, acaba finalmente detido na sua própria aldeia, a poucos metros de casa, por uma patrulha de giro que se cruzou com ele na rua, coisa de vizinhos. Este é o China, 18 anos cheios de recursos e energia criminosa.

Vale a pena recordar os pormenores da história aqui. Só para a gente se rir um bocadinho, que agora já se pode fazê-lo mesmo nas barbas da Justiça nacional. É que o "China", que se encontrava detido preventivamente pela prática de inúmeros assaltos armados e que é suspeito em mais de dezena e meia de processos semelhantes por todo o Vale do Ave, foi libertado ontem à tarde. Exacto. Free as the wind.

A liberdade aconteceu depois de o Tribunal de Guimarães o ter condenado a uma pena de dois anos de prisão, por causa de uma assalto à mão armada, castigo que foi substituído por 480 horas de trabalho a favor da comunidade. Consultados outros tribunais, verificou-se que não existiam pedidos para que a sua prisão fosse mantida, pelo que a ordem seguiu para a cadeia, sendo cumprida por volta das 17 horas de ontem, sexta-feira. Um cenário completamente imprevisível, tendo em conta a mais de dezena e meia de processos existentes em vários tribunais, relacionados com assaltos, alguns dos quais à mão armada, para além do que tem a ver com a fuga. Mas tão possível que aconteceu.

Foi precisamente o desfecho do julgamento de um destes assaltos, a uma bomba de gasolina de Guimarães em Fevereiro do ano passado, a ditar a sua libertação. No assalto, "China" estava acompanhado por um outro jovem, que empunhava uma caçadeira de canos serrados. O seu advogado, Pedro Carvalho, tinha proposto nas alegações finais do caso que o jovem fosse obrigado a prestar trabalho comunitário em vez de cumprir prisão. E foi precisamente isso que o colectivo de juízes decidiu. Apesar de ter considerado como provada a participação dos dois jovens no assalto (roubo agravado), o tribunal decidiu substituir por 480 horas de trabalho a favor da comunidade, na junta de freguesia de Joane, Vila Nova de Famalicão, onde "China" reside, a condenação a dois anos de cadeia.

O cúmplice foi também condenado a uma pena de três anos e dez meses de cadeia, englobando já também a punição pelo crime de posse de arma ilegal, que foram suspensos por igual período. Também foi libertado. Seguindo o procedimento normal nestes casos, o tribunal perguntou aos tribunais onde "China" tem processos em curso se algum destes exigia que o jovem continuasse preso. Como a resposta foi negativa, os juízes ordenaram à cadeia de Guimarães que procedesse à sua libertação.

Num país fraco de heróis, sem Arséne Lupin que se aproveite desde o Zé do Telhado, só com cambalacheiros de segunda (eu assino o teu projecto, tu compras o meu árbitro, eles dizem mal de todos), confesso que este China está a um passo de me fazer seu fã. A um passinho apenas. Ele que assalte mais uma bombazinha que seja, que aldrabe mais dois polícias ou três guardas prisionais e eu lá estarei, na primeira fila desta imensa plateia de todas as suas escapadelas. Batendo palmas, entusiasmado, a ele e a esta Justiça de anedota que prende quem não deve e solta quem anda a gamar. E rindo à gargalhada, evidentemente.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 11 de Fevereiro de 2008 às 01:12
pearl,
sagaz.


De Pearl a 10 de Fevereiro de 2008 às 19:25
Ouviu bem, caro RVN, mas o santo é outro. É o Casamenteiro, lá para os lados de Famalicão.


De Rui Vasco Neto a 10 de Fevereiro de 2008 às 13:37
fredo,
ouvi dizer que o rapaz vai para a escola profissional da vila franca aprender música... e desfilar pelo s.joão, claro.


De Alfredo Gago da Câmara a 9 de Fevereiro de 2008 às 22:59
Ó Rui, espero que nenhum tribunal ou instituição de reabilitação lhe arranje trabalho nos Açores, é que já cá temos tantos... Este China enquanto tiver o bom senso de não assaltar o advogado que o defende e o juiz que o manda "trabalhar", tem a sua vida garantida.
Abraço


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas