Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007
Que grande António!
Sexta-feira, 23 Nov, 2007
(SOL, hoje)
«Ao contrário de tudo quanto o ministro da Saúde tinha anunciado, o saldo financeiro acumulado agravou-se em 2006 em cerca de 31 por cento, aproximando-se dos mil milhões de euros», sendo que o relatório do Tribunal de Contas conclui que a informação económico-financeira consolidada do Serviço Nacional de Saúde (SNS), quer de 2005 quer de 2006, «continua a não dar uma imagem verdadeira e apropriada da situação financeira» do SNS, nem «dos resultados do conjunto das entidades que integram o SNS».


Na voz da oposição ou nas palavras do recente relatório do Tribunal de Contas sobre o «Acompanhamento da Situação Económico Financeira do SNS de 2006», a análise crítica ao ministério de Correia de Campos não traz cores muito saudáveis à sua própria fotografia.
Lembrei-me deste texto, velho de um ano, mas actual.


O homem é um génio. O homem é um prodígio, uma revelação, um portento, um messias que ali está. Eu não o mereço, você não o merece, nós não o merecemos, eles não o merecem. Portugal viveu anos de cegueira, décadas de nevoeiro intelectual cerrado que só terminaram com a chegada deste homem bom e iluminado que nos vai salvar a todos, finalmente. Não, por acaso não estava a referir-me ao professor Cavaco. Eu falo desse mago dos números, desse gestor iluminado, desse visionário pragmático e de excelência que dá pelo nome singelo de António Correia de Campos e serve a Pátria lusitana ao leme da pasta mais complicada de todas as pastas de todos os governos de todos os tempos: a Saúde dos portugueses. Complicada até agora, que daqui em diante não tem espinhas. Agora é sempre a andar, é sempre em frente, a caminho do progresso e do desenvolvimento, que digo eu? Com este homem atrevo-me a sonhar: é o fim de todas as doenças que se adivinha possível com António Correia de Campos.

Só de pensar no tempo perdido sinto arrepios. Deve ser disso, não pode haver outra razão para o frio de morte que me assolou a espinha desde que escutei as palavras deste grande António ontem na televisão. Chegaram-se-me as lágrimas, quase, quase. O homem disse que estava 'empenhado numa cruzada' e eu não duvido. Falou no 'milagre' que era preciso para salvar o sector da saúde, na responsabilidade de todos nós e noutras coisas bonitas, com palavras também bonitas e uma gravata encarnada que não era feia de todo, que eu já a tinha visto quando a televisão o mostrou anteontem, ali, todo António, na inauguração do novo hospital privado de Belmiro de Azevedo. As palavras que disse nessa altura também me pareceram jeitosas, congratulando-se "com este tipo de parceiros privilegiados que a saúde precisa em Portugal" e visitando o novo espaço que está a partir de agora ao dispor dos portugueses. Pagando, evidentemente.

Talvez tenha sido nessa altura que teve a ideia, o rasgo, o golpe de génio. E hoje contou a toda a gente a sua solução. Então não é que aquele grande António descobriu que a fonte de financiamento que falta ao Serviço Nacional de Saúde está afinal á vista de todos nós? Basta olharmos para um espelho. Isso mesmo, faça a experiência, olhe para o espelho. O que está a ver é a cara do financiamento, o rosto do pagador. Genial, é o que é! Olhem que eu já conheci muito António na vida, mas um António desta envergadura nunca tinha visto. E tudo tão simples, o ovo de Colombo do financiamento hospitalar. Se os utentes usam o Serviço Nacional de Saúde, os utentes pagam o Serviço Nacional de Saúde. É fácil, é barato e dá milhões que não saem das contas do Estado mas sim do bolso do contribuinte que é o utente. È certo que o utente já é contribuinte mas agora vai poder contribuir para ser utente e aí é que está a simplicidade da coisa. Perceberam?

Eu sei que vai haver quem proteste contra esta ideia do senhor Ministro da Saúde, quem não seja suficientemente António para a compreender. Quem venha falar de minudências, como o facto da Constituição da República assegurar o direito à saúde "tendencialmente gratuita", quem venha com balelas sobre os princípios do 'Estado Social' ou quem conteste a visão de dioptria larga que mostrou António Correia de Campos, nunca é demais recordar-lhe o nome, esse grande António. Que nunca os portugueses esqueçam este nome nem aquele rosto rosado de empenho em tratar-nos da saúde, para que da memória colectiva deste país não se apague o dia em que um ministro socialista descobriu no povo o capital necessário para pagar os seus próprios cuidados de saúde.




publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 24 de Novembro de 2007 às 01:31
silvio,
pois e pois e pois e pois.
mas como?
essa coisa de exigir demissões vai mais longe que o vociferar em público ou privado sobre situações que, de tão flagrantes, só não vê quem for sócrates.
qualquer mudança na saúde em portugal terá obrigatoriamente de vir de dentro, ou seja, dos profissionais de saúde. acredita nisso? e se sim, acredita que algum dia acontecerá?

consciência cozinheira,
8,70 não é caro. o penso era às cores?
pense antónio, seja antónio e as melhoras.


De Ratatouille a 23 de Novembro de 2007 às 19:18
Parece-me que a demissão do Ministro da Saúde não resolveria o problema, que, exorbitando da saúde, nos deixa todos como doentes quase terminais, extorquidos, perseguidos, depauperados, abandonados e defraudados, problema esse com um só nome comum: a desenfreada, cega, fanática, fundamentalista corrida contra o défice, que tudo justifica, tudo explica, tudo perdoa, tudo compreende. Somos abusados nos impostos, directos e indirectos, que nos sacam indiscriminadamente o que "devem" e o que não devem e, no fim, a quota parte de serviços com que nos devem "mimar" é o que se vê na Justiça, na Educação, na Saúde. Ainda ontem tive que utilizar o banco de urgências de um hospital público, no qual paguei, à cabeça, 8,70€ de taxa moderadora (toma lá António) e, no fim do serviço feito, o médico diz-me: quando chegar a casa ponha um adesivo novo por cima deste penso, que este é uma pocaria e não cola. Boa António, até já estás a poupar no adesivo dos hospitais.


De silvio mendonça a 23 de Novembro de 2007 às 17:49
A situação da Saúde em Portugal é absolutamente vergonhosa: está pelas ruas da amargura, muito pior do que antes de ser tutelada pela exuberante incompetência e pesporrência do insuportável Correia de Campos.
Uma pessoa desconta anos a fio para a Segurança Social e, quando precisa de um médico, tem de ir a um consultório privado e pagar como se jamais tivesse descontado o que quer que fosse.
Não há dúvida de que se impõe mudar este estado de coisas. E a primeira coisa a fazer é exigir a demissão do Correia de Campos.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas