Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008
Romance da Bicha-Fera
Quinta-feira, 24 Jan, 2008
Não há nada como um conto infantil para acalmar as tormentas das conversas sérias. É essa a proposta de Daniel de Sá para hoje. «Vai esta minha versão do romance popular "A Bicha-Fera", ou "A Bela e o Monstro"», diz-me em recado privado. «"Bicha-Fera"é o nome mais popular nas versões portuguesas, e foi por ele que optei.» Seja então bicha-fera, meu amigo. E romance, sobretudo, que é o que mais falta faz aos desamores deste mundo.

Em baixo: "A Casa".
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá.
Era uma menina bela,
Tão bonita de pasmar.
Já não tinha sua mãe,
Morta de um mal de matar.
Vivia só com seu pai,
Que nunca a qu’ria largar.
Mas um dia ele partiu
Para um longo viajar.
Choram os dois tanto, tanto,
Que é de o coração cortar.
Vai-se o pai por muito tempo,
Sem saber quando voltar.
Mas no dia do regresso,
Já se sentindo chegar,
O caminho por que vinha
A um palácio foi dar.
Era tão forte e tão belo,
E tão grande de espantar.
Não havia casas perto,
Nem onde chegava o olhar.
E, na frente do palácio,
Era um jardim de encantar,
Das rosas mais perfumadas
Que se pudessem cheirar.
Colheu o pai uma delas
Para à menina levar.
Logo se ouve a bicha-fera
No mais terrível bradar:
“Sou o dono do palácio
Onde acabas de passar,
Mais do jardim dessa rosa
Que me quiseste roubar.
A morte tens prometida,
Ninguém te pode salvar,
Que essas rosas é que são
O meu almoço e jantar.”
Pôs-se o pai em grandes prantos,
Num mui triste lamentar:
“Ó meu Deus, que vil tormento,
sofrer tanto por amar.
E agora a minha filhinha,
Quem dela há-de cuidar?”
Logo a fera respondeu
Com uma voz de assustar:
“Se tens uma filha, és salvo,
que assim te quero salvar,
mas ao preço dessa filha
que terás de me entregar.”
Foi-se o pai só de dor feito
E sempre, sempre a chorar,
Para trazer a menina
E o seu pecado pagar.
Nada temeu a menina
Do que havia de passar,
Pois até daria a vida
Para a de seu pai salvar.
Entrou naquele jardim
Que era muito de encantar,
E pelo portão da frente
Do palácio de espantar.
Ninguém a vem receber,
E ninguém ouve falar,
Até que, morta de sono,
Na cama se foi deitar.
Deitou-se em cama de penas,
Muito macia ao tocar,
Mas nem sequer pensou nelas
De muito cansada estar.
Ao outro dia acordou
Depois de bem descansar,
Procurou por toda a parte
Pondo-se sempre a chamar,
Mas ninguém viu nem ouviu,
Tal como fora ao chegar.
Mas logo viu mesa posta
Com excelente manjar,
E em muitos dias seguidos,
Ao almoço e ao jantar.
Até que, passado o tempo,
De a Lua encher e vazar,
Ouviu um choro tão triste
De o coração apertar.
“Quem chora assim tristemente,
Com tão profundo penar,
Venha chorar no meu colo,
Pois o quero consolar.”
“Por mais que queiras, menina,
Eu não me posso mostrar.
Sou tão feio, tão horrível,
Temo muito te assustar.”
“Se sois vós quem bem me trata,
Que tão bem me quis tratar,
Por mais que vos veja a cara
Só a alma eu hei-de olhar..
E, se quereis que eu o jure,
Por meu pai hei-de jurar.”
Aparece a bicha-fera,
Num triste e pesado andar,
E logo corre a menina
Para o seu pranto enxugar.
Deitou-se no seu regaço,
A bicha-fera, a chorar,
E então a bela menina
Beijos lhe deu sem contar.
A bicha-fera acalmada
Adormeceu a sonhar
Que talvez houvesse um dia
De com ela se casar.
Passou-lhe a mão pela testa,
Não parou de o afagar,
E enquanto o bicho dormia
Nunca deixou de o olhar.
Foram os dois tão felizes,
Em tantos anos de amar!
Todos os príncipes belos,
Ao ver o tempo passar,
Iam ficando tão velhos
E tão feios de pasmar,
Enquanto que a bicha-fera
Nada tinha que mudar.
E, por graça muito estranha,
Nunca havia de mudar
A beleza da menina,
Que estava no seu olhar.

publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 27 de Janeiro de 2008 às 02:11
Rui, mas quem diz coisas destas, tão agradáveis, é de certeza boa pessoa.
E eu, que sou da Maia, só posso agradecer a quem por Maya se faz passar.


De Rui Vasco Neto a 26 de Janeiro de 2008 às 14:37
abelha,
«uma coisa deve ser amada antes de ser amável.»
você tem mau feitio mas diz coisas giras, de vez em quando.
muito giras, de vez em quando.


De maya a 25 de Janeiro de 2008 às 13:31
Como é maravilhoso recordar, através das palavras belas e simples do Daniel de Sá, a lição que nos é dada através do fantástico conto infantil" A Bicha-Fera":
uma coisa deve ser amada antes de ser amável.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas