Quinta-feira, 10 de Abril de 2008
O coisinho que faltava
Quinta-feira, 10 Abr, 2008
« They look smart, run smoothly, and get great mileage - now!
But how do you keep everything well-tuned over the long haul?

Here's a guide to the operation and upkeep of the male sexual machine.»


Ora aqui está. Tudo dito menos o endereço deste autêntico salva-vidas para os que vivem afogados em dúvidas e inseguranças sobre o seu coisinho. Sim, coisinho. Parece-me adequado, melhor que Zézinho ou um alho qualquer, pensei muito antes de o escolher. Ao 'coisinho', claro. Porque o coisinho é sempre um tema delicado, convenhamos, há que ter cuidado com as palavras, para já não dizer com o dito, caramba. Eu próprio me contenho perante o assunto 'coisinho', vejam só como escolhi dizer 'um alho qualquer' em vez de 'qualquer alho', fugindo à cacofonia para evitar a conotação (outro convite à malandrice, esta conotação). Percebem agora? É o diabo. Cada palavra é um alçapão, quando se fala de coisinhos e coisinhas.

Penis Owners Manual
The definitive guide for the male sexual machine...

Daí que este 'manual do pénis para quem tenha um' seja uma descoberta a assinalar na agenda dos necessitados. A descoberta é do Shark, danadinho para estas coisas de coisinhos e coisinhas. O site chama-se 'Shagnasty's' e é magistralmente descrito aqui e assim: «Esta é uma posta só para gajos. Ou melhor, só para quem possui algum interesse numa área específica do conhecimento. Mais propriamente naquilo que seria a grande área num corpo masculino equiparado a um campo de futebol (a grande área também é conhecida como a zona da verdade). O título da posta é o título de um site para cavalheiros que me pareceu imperdível para quem possui e leva a sério o seu... o seu... Pronto, o seu e o dos outros...» Cá está! Coisinho, o seu coisinho. Estava debaixo da língua do pobre, salvo seja, salta à vista, idem, que diabo, uma ajuda não se nega a um amigo. Coisinho. O seu coisinho.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Raposinha Iniciada a 12 de Abril de 2008 às 00:27
Eu vi!

Uma parte interessante: um coisinho em bom estado vale 50.000 £.


Nem o Sócrates é assim tão optimista...


De shark a 12 de Abril de 2008 às 00:12
O Alfredo caça tubarões? Que viril...


De piedade a 11 de Abril de 2008 às 17:29
Ó ... ó...ó...ó...ALFREDO !!!!! Vê se tomas tino !!!!! (não tinto). Tás na blicosfera home !!! Digo blogosfera home !!! Já agora : fui ler o tal manual, muito por alto, claro, não vi nada de novo ... Vocês viram ?!?!!!!


De Alfredo (co) Bulhões a 11 de Abril de 2008 às 16:08
Respeito tanto, tanto, tanto o meu coisinho, que já notei que ele se ofende de ciúmes quando ouve falar de outro coisinho. No entanto, quando se trata de chiricas, fica todo vivaço e com os olhinhos a brilhar, daí o meu apelo no primeiro comentário. Como sou companheiro e bastante amigo dele, evito solenemente falar daquilo que justamente mais o oprime. Coitadinho do bicho.
Ah, esqueci-me de esclarecer. Não sei se tenho a barba rija porque tenhos os olhos direccionados para a frente, mas lá que gosto de barba rija, isso é que gosto. Na chirica, é claro...


De em lágrimassssssssss a 11 de Abril de 2008 às 13:17
a chorar de de tanto rirr...

alfredo, alfredo, descobriste o isco infalível para caçar tubarões: chiricas

ahahahahahahha


De shark a 11 de Abril de 2008 às 09:41
Ah, esqueci-me de esclarecer que também tenho a barba rija.
Dura, mesmo.
:-)


De shark a 11 de Abril de 2008 às 09:38
O meu coisinho é imortal (pelo que é irrelevante a dedução no fisco). E como sou um mãos-largas pretendo até doá-lo à medicina para garantir que delego noutro macho da espécie uma existência feliz numa área específica e a quem o acompanhe ao longo da jornada.
E pode ainda servir de protótipo para os implantes biónicos do futuro, caso a Ciência consiga ser bem sucedida na rentabilização de todo o seu imenso potencial.
Um gajo que não respeita o seu coisinho jamais conseguirá levar a sério uma chirica (esta é nova para mim, espero que queira dizer o que quero que queira dizer).


De estou que nem posso com estes coisinhos todos a 11 de Abril de 2008 às 03:20
ahahahahahahahehehehehehehhiihihihiihihihihihi ainda bem que passei por aqui ihihihihiihih belo sedativo!


De Alfredo (Co) Bulhões a 11 de Abril de 2008 às 02:28
Essa agora!!! Só me faltava chegar aqui e ver todo o mundo a falar de belicas. Porque é que não falam de chiricas. É muito mais agradável, não é?


De Rui Vasco Neto a 11 de Abril de 2008 às 01:20
ah, é verdade:
o tubarão não sei, mas eu cá tenho uma barbinha de efebo, rala como penugem de querubim.
(todo eu sou um nadita querubim, de resto...)


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas