Quarta-feira, 26 de Março de 2008
Educação, conversa de vizinhas
Quarta-feira, 26 Mar, 2008
«Eis o mais recente teste à disposição do português para detectar se um outro português é imbecil, lunático ou, simplesmente, falho de bom senso e bom gosto: basta pedir ou detectar opinião quanto à notícia de uma bulha entre professora e aluna, a qual foi registada em vídeo para proveito comunitário. Se vier relação com o Ministério da Educação, o Estatuto do Aluno ou a Maria de Lurdes, estaremos perante um retinto imbecil. Se o discurso aparecer em forma de lamento pela decadência do ensino, da moral, da autoridade e da família, estaremos face a um lunático. Se surgirem tiradas reflexivas sobre o que deva ser a educação e a escola, estaremos frente a carências variadas, algumas simpáticas.»
(valupi, in Aspirina B)

Tenho este problema, nada a fazer. Dias inteiros, inteirinhos, esqueço-me da lida da casa para me postar a dar à língua na saleta da vizinhança, conversa de comadres, porque tira e porque deixa, porque torna e mais que pois. Tudo lá na comadre Aspirina, hoje sobre o telemóvel mais falado de todo o sistema educativo. Se quer espreitar é aqui, mas não faça como eu, que nem o lume às couves baixei. Por isso me cheirava a esturro.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De não diga que não a avisei (vulgus mifá) a 28 de Março de 2008 às 16:53
Angela,

deixe lá, não se apoquente.
Assim como assim já tomei gosto por andar a fazer o pino.
Olhe e desculpe ter imaginado que gostava de charadas e de metáforas.
E, não, não tem nada que agradecer o aviso.

Rui,

não peço desculpa por achar que não fiz utilização abusiva desta caixa de comentários.


De Ângela a 28 de Março de 2008 às 10:42
não diga que não a avisei:
peço desculpa mas a minha capacidade de desvendar mistérios está de folga. Se disser o que deseja sem "fu-fus nem gaitinhas" poderei ajudá-la. Se não, tenho muita pena, mas não posso responder ao que não compreendo.

Rui:
as minhas desculpas por esta utilização abusiva dos comentários às tuas mensagens.


De venho de casa da vizinha a 27 de Março de 2008 às 18:57
Ainda por fora ?
Olhe que "patrão fora, feriado na loja" !
E veja lá se não lhe entra portas dentro uma louca de uma professora com ganas assassinas como aquela que nós vimos a esmurrar a pobre da criancinha, tadinha, que só queria o seu telemóvel!
Nada, é que isso hoje não há em quem fiar!


De não diga que não a avisei a 27 de Março de 2008 às 17:09
Angela,

no que se foi meter: ousou usar a palavra mais reprovada e recriminada e réproba e retrógrada
( hum, hoje estou para a aliteração) dos últimos tempos -"tabefe".
Espero que tenha melhor sorte que alguns infelizes ( mas, para seu governo, sugiro-lhe que leia alguns comentários ao post " Olha a velha a cair 2", de 21 de Março, e, se tiver paciência, siga o edificante e analgésico post que dá pelo pomposo nome de "Carolina Michaelis e a Questão Coimbrã")
e respectivos comentários, no Aspirina.
E, já agora, se não fôr abusar da sua paciência, rogava-lhe que deixasse algum fedd-back, de sorte a convencer uma pobre alma insegura, que é a minha, de que não anda a fazer o pino no meio de toda uma hoste de aprumados marchantes.
Muito agradecida.


De Ângela a 27 de Março de 2008 às 12:06
Bolas que aquilo parece uma novela mexicana!
E, sinceramente, acho que tu próprio entraste convictamente nessa novela.
Olha que uns tabefes dados no momento certo só fazem bem. Aliás, acho que fazem cada vez mais falta...
Levei muitos (não sei se te lembrarás) e não creio que algum tenha sido injusto. Ensinou-me o que estava certo e o que estava errado. Mas eu tive pais que não se demitiram da sua obrigação de me educar. Com amor, mas com disciplina e rigor.
Aquilo que, nos dias de hoje, cada vez vejo menos...


De Susete Evaristo a 27 de Março de 2008 às 02:05
Posso estar dentro da categoria de imbecil, mas, que a professora não soube exercer a pegagogia que o momento requeria não tenho a menor dúvida. Aliás ao deixar que se prolongasse a discução, sujeitou-se ao ridiculo e à gozação dos outros educandos quando, com outra postura teria tirado dois coelhos de uma mesma cartola, ou seja, convidando a aluna a sair ou interrompendo a aula e chamando alguém do conselho directivo, teria demonstrado quem manda dentro da sala de aula e aos alunos outros o respeito que merece enquanto professora e enquanto pessoa mais velha.


De Anónimo a 27 de Março de 2008 às 01:02
levou muito tempo a dar pelo cheiro


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas