Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007
O balde e os salpicos
Segunda-feira, 22 Out, 2007
Estava eu aqui a mexer nos arquivos de coisas já publicadas e saltou-me à vista este texto que não resisto a reproduzir, hoje, 22 de Outubro de 2007, dia em que toda a gente e mais alguém quer ouvir toda a gente e mais alguèm sobre escutas telefónicas. Que como toda a gente sabe, não existem no nosso país.
Perdoarão que seja coisa já servida (Jornal dos Açores, 16/Fev/2006) e que seja sobre o famigerado caso Casa Pia e escutas telefónicas, assuntos da altura.
Mas não sei porquê, mesmo vinte longos meses passados, tenho cá para mim que não vos irá saber a requentado.



O BALDE E OS SALPICOS

Já era de esperar que quem metesse a mão no balde do vício pedòfilo que existe em Portugal ia acabar por salpicar tudo a torto e a direito mal começasse a agitar a pasta viscosa que encontrasse lá dentro. E assim aconteceu, com efeito. Desde o caso Farfalha, nos Açores, ao processo Casa Pia no coração da República, que as investigações abrangeram culpados e inocentes, como em qualquer outra investigação, para posteriormente ficarem reduzidas supostamente apenas aos presumíveis culpados. Isto esperamos todos nós, claro. O sistema judicial terá provido de meios bastantes os investigadores, enquadrando as suas autorizações na moldura legal que assegura o respeito pelos direitos, liberdades e garantias que são ponto assente na lei fundamental portuguesa. Com certeza absoluta. E tudo estaria bem se acabasse bem, o que é manifestamente impossível em convulsões sociais deste género, sobretudo nos dias de hoje, tempo de comunicação e informação global á velocidade de um instante. Resultado? O caso do ‘envelope 9’ por exemplo.



Cinco disquetes com registos de chamadas feitas pelos telefones de altas figuras do Estado português e escutadas pelos investigadores sem autorização de juiz algum. A prova mais que provada que existem escutas e vigilâncias ilegais em Portugal feitas ao bel prazer de cidadãos, que trabalham nas polícias, a outros cidadãos que nem sonham estar a ser espiados, incluindo um Presidente da República, nada mais, nada menos! Resultado? Deu aquilo que estava no balde. Já cheirava a qualquer coisa no dia em que Jorge Sampaio fez o seu tradicional discurso de abertura do ano judicial e usou as palavras quase todas para falar de escutas e direitos civis, vigilâncias e cuidados. Mas onde a coisa atingiu o ventilador, a altura em que o cheiro virou pivete e ficou mesmo insuportável foi quando o jornal “24Horas”, essa espécie de fossa da informação, contou a história a toda a gente. Aí sim, transbordou. Resultado? Três juizes, um mandato de busca e apreensão e mais um batalhão de polícias. Tudo para saber quem fez as escutas ilegais? Claro que não. Tudo para saber como é que o “24Horas” soube, isso sim. Claro que sim.



O Ministério Público nacional tem a sua reputação a prémio com este processo da Casa Pia. O próprio Estado português tem a sua reputação a prémio em toda esta história. Alguém duvida? A prisão de Carlos Cruz envolveu emocionalmente o povo português, como se previa, e a prisão de Paulo Pedroso mexeu directamente com os políticos portugueses, como se temia. A dimensão do caso ultrapassou fronteiras, como era lógico que acontecesse. A lista das gaffes e disparates desta investigação dava quase tantas páginas como o processo em si, e até o Procurador Geral da República deu um generoso contributo para o mega-anedotário deste mega-processo. Muito boa gente viu o seu nome maculado e muito pedófilo empedernido ficou de fora e continua a procurar meninos e meninas na bolsa da miséria nacional. A busca ao “24Horas”, essa fossa de informação, por mais legal e até justificada que possa ser, não deixa de escamotear o mais importante do episódio ‘envelope 9’. O que de facto interessa saber é quem fez as escutas e se as continua a fazer. Esta diligência só vem mostrar que quem fez as escutas e as continua a fazer é afinal aquilo que de facto não interessa que se saiba. A ninguém, pelos vistos.

RVN

(J.A., 16/Out/06)


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 22 de Outubro de 2007 às 19:22
20 meses, é verdade, como o tempo passa..

O Sporting está em Fátima, dizem as más línguas. Paulo Bento não quis sair de lá sem fazer a promessa solene de mudar o penteado se o avião para Roma chegasse a horas. Vamos ter risco ao meio por mais tempo, como se soube agora.

rvn


De marquesa a 22 de Outubro de 2007 às 18:51
Tudo isto existe, vinte meses depois, tudo isto é fado ... (cadê o Sporting ?) ... Tudo isto é triste ... Ai quem me dera !!!!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas