Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007
É o lobo, é o lobo, é o lobo!!
Quinta-feira, 22 Nov, 2007
Triste figura a da PSP ao anunciar, em comunicado oficial ao país, que graças á sua pronta intervenção teria impedido um suícidio colectivo de um grupo de jovens de uma escola em Vale de Cambra. A mãe de um rapaz de 14 anos deu o alerta sobre os hábitos on-line do filho e dos amigos. E a PSP anunciou ter impedido um suicídio colectivo, tiro e queda. Depois das hilariantes declarações do Intendente Teles em Vila de Conde, há poucos dias, que afirmava ter impedido um assalto a um banco após ter estado três horas a encurralar um ladrão que não existia, o vasto anedotário de declarações públicas daquela força policial ficou agora mais rico com esta acção inexistente da PSP, contada a toda a gente pela própria PSP e que mereceu honras de primeira página em vários jornais. Com o Correio da Manhã, no grupo dos 'sérios', a assumir especial destaque com as parangonas «Polícia trava suicídio colectivo de jovens» que titulavam a sua edição de anteontem, cheia de pormenores sobre auto-mutilação, Orkut e conspirações escolares. Em contraste com a notícia equilibrada, profissional e rigorosa do JN, por exemplo, da autoria de João Paulo Costa. Nas rádios, em todas as rádios, só faltou saber-se a cor dos caixões dos já suicidas, que até eram muitos, parece, ouvi dizer, sei lá, dizem. E assim andou Portugal um dia de cabeça perdida com o seu massacre escolar caseirinho.

Ontem, o presidente da Câmara de Vale de Cambra, José Bastos, confirmou que o jovem de 14 anos, residente nos arredores da cidade, "não se automutilou". O autarca, que esteve reunido com a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Vale de Cambra, desmentiu igualmente a existência de qualquer ideia de suicídio colectivo que alegadamente estaria a ser preparado por jovens residentes no concelho. José Bastos desmentiu assim a informação da PSP de Aveiro e lamentou que a informação da PSP tenha sido tornada pública, assegurando que "o único erro do jovem foi ter consultado sites impróprios". Também o vereador da Acção Social daquela autarquia veio confirmar que o jovem «não fez nada ao seu corpo», de forma taxativa. «Ao contrário do que tem sido divulgado, não corresponde à verdade que o jovem de 14 anos tivesse praticado automutilação», declarou Manuel Augusto de Carvalho.

A gravidade do efectivamente sucedido não pode nem deve ser subestimada. Não é para graças aquilo que uma mente juvenil perturbada pode fazer consigo própria e com os outros que a rodeiam. Vemos, ouvimos e lemos que é assim nos dias de hoje. Por isso mesmo temos todos de estar muito atentos à nossa geração não rasca, para que esta nunca o venha a ser. E atentos a todos os avisos que possam soar nesta sociedade por norma distraída. Temos de estar prontos a agir na primeiríssima necessidade. Quando alguém gritar 'olha o lobo', é bom que a gente corra e salve as crianças, recolha o avô, tranque as galinhas, feche a porta e mate o bicho. Mas para isso, a condição primeira é não pôr um idiota de serviço à torre de vigia, que vai distrair toda a gente com os seus gritos minuto a minuto. Só para a gente olhar para ele.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 22 de Novembro de 2007 às 23:14
marquesa,
o cordeirinho anda na escola? não vai a perceptora ao chateau?

sam,
pois, pronto, ok, já percebi que foi mal entendido, tal como eu suspeitava.
mas sabes como isto é, quem não sabe pergunta...

silvio,
páre lá de falar no jogo da selecção, homem!


De silvio mendonça a 22 de Novembro de 2007 às 16:09
O sanha propagandística do Governo Sócrates contamina tudo. A PSP não podia escapar.
Ridículo, para não dizer vergonhoso.


De samuel a 22 de Novembro de 2007 às 14:58
Infelizmente é quase sempre "o idiota" que está de serviço.
E voltando à vaca fria... ser padeiro é depreciativo(!?)
Mas eu lá disse isso? A história do pai das primas que era padeiro é rigorosamente verdade, tenho imensas saudades das muitas directas que fiz naquela padaria antiga com forno de lenha e grande amassadeira de madeira (à mão ah pois!...), da idade que tinha quando as fazia. Essas noitadas em que "ajudei" o primo António a fazer o pão, que tinha que chegar para duas aldeias e meia, foram das mais divertidas e felizes da minha vida.
Quanto ao padeiro-primo-António, não posso garantir que se divertisse sempre, mas aquela era uma família feliz e ele amava o que fazia.
Devo estar a precisar de lhes fazer uma visita...


De Marquesa a 22 de Novembro de 2007 às 14:06
Um alerta bem mandado, arru. Vou passar a ir mais vezes lá fora. E o cordeirinho vai ler isto quando vier da escola !!!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas