Domingo, 10 de Fevereiro de 2008
Triste fado, ou o som de um Dom de mau tom.
Domingo, 10 Fev, 2008
Nuno da Câmara Pereira queria ser Dom Nuno mas o Conselho da Nobreza assim não o entendeu. Agora, o líder do PPM vem fazer o que qualquer mulher despeitada faz depois de levar com os pés: vem dizer o pior de D. Duarte Pio, que não é rei não é nada e que é um usurpador, como se pode ler no seu livro (sim, o líder é escritor também) 'O Usurpador - O Poder sem Pudor', no qual ataca D. Duarte de Bragança forte e feio, dizendo que o verdadeiro herdeiro da Coroa Portuguesa será D. Pedro de Mendonça, actual duque de Loulé, descendente da infanta D. Ana de Jesus Maria, a filha mais nova de D. João VI.

O duque de Bragança e Chefe da Casa Real Portuguesa diz não perceber "porque surge agora esta questão" e até adianta que conhece há muito tempo o autor, com chegou a ter uma boa relação. "Sempre me dei muito bem com o senhor e com a família, mas a dada altura parece que ficou revoltado com qualquer coisa", diz D. Duarte Pio. Fontes monárquicas conhecedoras do processo enquadram estas palavras do duque de Bragança: "O que se passa é que o autor desse livro pediu autorização ao D. Duarte para usar o título de 'dom' e ele remeteu o assunto para o Conselho da Nobreza, entretanto extinto, e que indeferiu o pedido. A partir daí, tornou-se seu inimigo".

A versão de Nuno Pereira é diferente e faz lembrar Júlio Isidro, que como toda a gente sabe descobriu todos os talentos portugueses, incluindo Frank Sinatra. "Trabalhámos em conjunto pela causa monárquica. Fui eu quem o revelou ao País em concertos que fiz na Aula Magna, em 1981 e 1982. Eu tinha na altura ganho o primeiro disco de platina da música portuguesa e antes de mim só a esquerda actuava na Aula Magna", recorda ao DN o líder do PPM, que também é fadista. Câmara Pereira confirma ter mantido uma relação de amizade de longos anos com D. Duarte. Que terá seguramente poupado uns tostões em inimigos, nessa altura, a julgar pela amostra agora junta.

Haverá a quem agrade, este novo fado do Pereira. Haverá por certo quem lhe dê razão e bata palmas, há sempre. O que eu duvido que exista é alguém que venha dizer que esta foi uma atitude digna e útil para a causa monárquica em Portugal. Agora que passaram cem anos sobre o regicídio, pergunto a mim próprio de que lado estaria o fadista se o rei morto fosse este. Quantas lágrimas lhe caíriam por intenção real. E que fado lhe cantaria na hora do adeus.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Anti Rei Faz-de-Conta a 25 de Fevereiro de 2008 às 20:02
O único problema disto tudo é que o Duarte Pio muniu-se de "amiguinhos" para o ajudarem na promoção das mentiras e na conservação do trono e, em troca, concede-lhes umas medalhinhas e honras afins.

Para que conste: a única sucessora directa da coroa portuguesa foi D. Maria Pia de Saxe Coburgo Bragança, filha do Rei D. Carlos I de Portugal com D. Maria Amélia Laredo e Murca e, consequentemente, irmã do Rei D. Manuel II.

A seu tempo a verdade virá ao de cima e cairão por terra muitos dos monárquicos que andam enganados pela falsa Causa Real Duartina.

Leiam www.reifazdeconta.com e descubram toda a verdade!


De Klatuu o embuçado a 13 de Fevereiro de 2008 às 00:58
Esse cavalheiro, que nunca deveria ter excedido o âmbito passadista de fados e guitarradas para quebrados da Pátria, não passa de um borra-botas com um ego de abóbora menina.
Nenhum Monárquico, que mereça ser considerado tal, lhe dá o mínimo crédito. Um «Dom Zé-Ninguém», que alucina dinastias e é indiferente à Monarquia.

VIVA O REI!
VIVA A MONARQUIA!
VIVA PORTUGAL!

P. S. Aqui deixo um convite (http://novaaguia.blogspot.com/) para uma Casa de amigos.


De Rui Vasco Neto a 11 de Fevereiro de 2008 às 01:16
daniel,
de mau tom, este dom.

pi,
piu piu

pearl,
pois.

saci,
não me parece, nem primos afastados.


De Insaciável a 10 de Fevereiro de 2008 às 23:22
Zanga de comadres...


De Pearl a 10 de Fevereiro de 2008 às 19:22
No caso do Sr. Pereira, suporia eu, que o dom para a música lhe seria mais útil.
A clarividência de que nobreza de carácter é título impossível de ser adquirido.


De piedade a 10 de Fevereiro de 2008 às 16:55
AAAlllôôô !!!!!!! Com a devida vénia, senpre achei que o Nuno tinha cara de palerma, mas dai a compará-lo com uma "mulher despeitada", (que nem sempre é parva), vai uma grande distância !!! AAAlllôôô !!!!! DDDAAAAHHHHH !!!!! IIUUIIIUUUUU!!!
(isto é um assobio de "vaia")


De Daniel de Sá a 10 de Fevereiro de 2008 às 16:15
Ter direito a Dom é um dom que não cabe a todos ou em que nem todos cabem. Este Nuno, nem de um modo ou outro, penso eu.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas