Quinta-feira, 27 de Março de 2008
O puto que pariu?
Quinta-feira, 27 Mar, 2008
«Apesar do facto da minha barriga estar a crescer com uma nova vida dentro de mim, estou estável e confiante sendo o homem que sou.» Esta incrível declaração tem autoria de Thomas Beatie, o homem que diz estar grávido de uma menina que dará à luz em Julho próximo. É a história do ano, aqui contada no Times on line, a deste homem que nasceu mulher há 34 anos, no Pacific North West, USA. Chamava-se então Tracy Lagondino, indivíduo do sexo feminino até ao dia em que decidiu fazer uma operação cirúrgica para mudar de sexo. Nesse dia nascia Thomas, que viria a casar com Nancy. Só que a hoje senhora Beatie submeteu-se a uma histerectomia há uns anos atrás e Thomas, que manteve intactos alguns dos seus órgãos femininos (não me perguntem quais, por favor), assumiu a difícil tarefa de garantir a descendência deste casal moderno e tutti fruti. E é assim, como se vê na foto, que Thomas Beatie agora conta a sua história ao gay 'Advocate Mag' e se expõe aos olhos do mundo, um grávido com a barba por fazer que anuncia para Julho próximo um parto que, a acontecer, virá revolucionar para sempre a história da humanidade. Thomas garante, feliz, que a criancinha sai em Julho. Só não diz por onde.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De piedade a 29 de Março de 2008 às 20:24
Pois então, olhem, está decidido, na próxima encarnação, vou tentar ser macaca, que aí cada um fica no seu galho !!!! Realmente, Daniel de Sá tem toda a razão. O Mundo está um circo permanente. Tanto do actores como nos espectadores.


De umquarentao a 29 de Março de 2008 às 09:29
O Ser Humano não é nenhum Extraterrestre: tal como acontece com muitos outros animais mamíferos, duma maneira geral, as fêmeas humanas são 'particularmente sensíveis' para com os machos mais fortes...

Não é difícil de perceber o seguinte: o Verdadeiro Objectivo do Tabu-Sexo eram montar uma autêntica armadilha às fêmeas... de forma a que estas fossem conduzidas a aceitar os machos sexualmente mais fracos!!! Dito de outra forma, o verdadeiro objectivo do Tabu-Sexo era proceder à integração social dos machos mais fracos!!!
{ Ver aqui (http://tabusexo.blogspot.com/)
(http://tabusexo.blogspot.com/)}

Com o FIM do Tabu-Sexo... aconteceu exactamente aquilo que seria de esperar: os machos sexualmente mais fracos viraram o 'caixote do lixo' da sociedade.

Com desenvolvimento (futuro) de ÚTEROS ARTIFICIAIS (e existindo bancos de óvulos) qualquer macho (de boa saúde) irá possuir o Direito de ter filhos.


De Insaciável a 28 de Março de 2008 às 23:46
Já estou como a Piedade...nem sei se vou conseguir dormir hoje com esta notícia.

Mas felizmente sei o que é a ironia e compreendo que o "por onde sai" resume todas aquelas questões práticas que nos estamos todos a colocar.


De Anónimo a 28 de Março de 2008 às 06:51
nem parece teu esse por onde... deixaram de fazer cesarianas????


De piedade a 28 de Março de 2008 às 02:10
Lembrei-me de mais um problema. Quem é que vai dar de mamar ? Ele que é Mãe e não tem maminhas, ou ela que tem maminhas e não é nada à criança ? Ou o espermatozóide foi dela ? Se calhar foi. Não. Não foi. Vai de biberon,´é mais prático, assim podem dar os dois, digo os três, ele e ela e ela. UUUFFFAAA !


De piedade a 28 de Março de 2008 às 02:03
Ai, mano, e que belo dia arranjaste para postar isto ... ele há cada coisa !!!


De nem tudo é mau a 28 de Março de 2008 às 01:50
Ao menos a putice deixará de ser um apanágio exclusivo do sexo feminino.
Não tarda que se possa ouvir " puto que te pariu!".


De susana a 28 de Março de 2008 às 01:27
que maravilha.


De piedade a 28 de Março de 2008 às 01:02
E olha que eu ainda estou a pensar nisto !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Já viste as horas ????????????????????????????????????????


De Daniel de Sá a 28 de Março de 2008 às 00:42
Em S. Miguel há uma espécie de libelinhas que geram descendência sem que haja machos. E as mulheres com barba, antes, costumavam ser figuras de circo, agora é o Mundo que é um circo permanente.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas