Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007
As gargalhadas do China
Quinta-feira, 29 Nov, 2007
Recordo a cara do homem como se fosse hoje. Contou-me a história três ou quatro vezes com todos os pormenores. Como tinha sido o primeiro contacto - e por iniciativa sua, jurava, que o outro nunca o abordou directamente. Depois a história do projecto que iria transformar Santa Apolónia num complexo residencial de luxo. As plantas, as certidões. E a sorte que tinha tido, logo ele, modesto sargento, em ser dos primeiros a comprar os direitos de duas fracções duas, direito e esquerdo, numa das torres com vista para o Tejo e com Alfama e o mundo aos seus pés. Deu um pequeno sinal, claro. Dois, para ser franco, um para cada fracção. Eram as suas economias de meia vida. E é claro que exigiu recibos, julga que eu sou parvo ou quê? Os mesmos que me mostrava agora, bonitos papéis, ainda dentro de uma daquelas capinhas de plástico próprias para coisas importantes e oficiais. Passaram quase vinte anos sobre a data desta entrevista, mas eu nunca mais esqueci a história deste Guarda Fiscal a quem um burlão habilidoso vendeu a Estação de Santa Apolónia em Lisboa.


Hoje lembrei-me dela outra vez. Foi depois de ler os pormenores da nova e rocambolesca aventura de 'China', um dos evadidos da cadeia de Guimarães há três meses atrás, apontado pelas autoridades não só como cabecilha da fuga colectiva, mas também como o mais perigoso de todos. Tem 18 anos, o rapaz. É líder incontestado de um activo gang de assaltantes do Vale do Ave e foi novamente interceptado e detido, na passada segunda-feira em Santo Tirso, por um militar da GNR a quem estava a tentar furtar o carro. "Como não tinha documento, forneceu a sua identificação verbalmente. Deu o nome de um irmão e o militar não desconfiou", explicou uma fonte policial ao JN.


O "China" foi então levado para esquadra da PSP, já que a detenção tinha ocorrido na área de jurisdição daquela polícia, onde foi elaborado o normal expediente. Mas nem ali foi reconhecido. Depois foi levado a tribunal, onde foi interrogado, ouvido e sentenciado a uma medida de coação de apresentações semanais no 'posto policial da sua área de residência'. Recomendaram-lhe muito que não faltasse, se faz favor. E mandaram-no embora, claro, na paz de Deus. Só mais tarde, muito mais tarde, é que as autoridades, a partir do visionamento de fotografias, concluíram de quem se tratava afinal. Tarde demais.


Eu cá adoro Lisboa antiga. Gosto de seguir o rio, nos meus passeios a pé pelas vidas dos outros, de olho aberto mas espírito ausente, quantas vezes, a pensar na pobre da bezerra que lá se foi, coitada. Juro que daqui para a frente, quando passar por Santa Apolónia, vou parar o passo um solene momento em memória da saloíce alheia. E correr com o olhar as varandas panorâmicas das lindas torres não menos, em busca do GNR de Santo Tirso, dos PSP da esquadra local, do procurador e dos juizes que são agora os novos vizinhos do meu Guarda Fiscal de há vinte anos. Lá estarão todos, à janela da imensa torre da estupidez humana, com vista para o Tejo e Alfama e o mundo aos seus pés. E o China a rir à gargalhada, evidentemente.




publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Alfredo Gago da Câmara a 30 de Novembro de 2007 às 00:30
Trabalho cumprido, meu filho. Trabalho cumprido, meu velho.
O homem não foi detido? O Homem não foi a tribunal? Os juizes não ajuizaram? Não lhe foi dada uma medida a cumprir?... Os ordenados dessa gente não estavam na conta no final do mês?
Então? Está tudo certo, não está?
aonde é que está o mal!? Aonde!?
Tamos na fim do mundo!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas