Terça-feira, 30 de Outubro de 2007
Vidas Borralheiras
Terça-feira, 30 Out, 2007
Para a grande maioria das pessoas são os rituais que fazem a vida. Dia após dia fazem-se as mesmas coisas, repetem-se gestos e hábitos até já mal se distinguirem uns dos outros. E a vida vai passando, melhor, pior, mas igual na essência. É assim na cidade e no campo, na capital e na aldeia. Depois há é rituais e rituais, mas isso é outra conversa. A escolha já passa a depender das opções disponíveis, do dinheiro, da vontade e do gosto de cada um. E da cultura, acima de tudo da cultura. De todos, do indivíduo e do meio onde vive.

No que toca a beber, viver na aldeia não é muito diferente de viver em Madrid ou Estocolmo. Quem se embebeda por ritual vive no balcão onde se enfrasca e em mais lado nenhum. Se e como chega a casa depois é outra questão. O verdadeiro assunto não é bem onde bebe quem, mas sim quem bebe onde. Nos fundos do tal país real das campanhas eleitorais, de norte a sul, as noites de verão e de inverno são passadas entre copos e amigos e nem sempre ao mesmo tempo. O álcool é hábito e é problema em Portugal, todos os dias e todas as noites. Não para toda a gente, claro. Mas para gente a mais e com valorização a menos por parte de um Estado que semicerra os olhos num esgar maroto de quem acha que é tudo tradição e convívio. Em contrapartida, a cultura é já mais problema do que hábito para o povo deste mesmo Estado que nisso tem os olhos mais que abertos. Está é a olhar demasiado para cima e pouco para baixo.

De sábado para domingo passado, numa noite igual a todas as outras em Borralheira de Orjais, Covilhã, uma meia dúzia de homens esteve a beber, a rir e a contar estórias antigas, daquelas que se contam mil vezes para rir sempre, assim não falte o copo de tinto para molhar a palavra. Um deles ocupava o honroso cargo de bombo da festa por tradição privada do grupo. Embora fosse sistematicamente abusado pelos outros, nunca tinha acontecido nada, jura o povo.

E de facto ele continuava vivo no sábado, quando entrou para os copos do costume. Nessa noite a malta bebeu e bebeu e fartou-se de rir, pá, foi porreiro. Quando o dia raiou a malta já tinha ido toda para casa. O café ficou fechado, as paredes ficaram mijadas, trinta garrafas ficaram no chão e o Zé Inácio ficou com uma perna atada ao pneu de um carro e pendurado por um braço ao placard da Junta de Freguesia onde se anunciam as mortes da aldeia e os editais, pá. De manhã estava morto, afogado em álcool, que o gajo era asmático. É pá, foi uma ganda noite.

RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 30 de Outubro de 2007 às 23:56
belas memórias, bazert.
e melhor contadas.

apareça mais vezes.

rvn


De bazert a 30 de Outubro de 2007 às 23:50
E eu lembrei-me do Alfredinho dos telegramas. Corria a terra de um lado ao outro numa pasteleira preta( bicicleta, para quem não é das gândaras)a entregar os telegramas das boas e más noticias. Tantos anos depois, do "Fredinho" fica-me o saco de cabedal a tiracolo por cima da farda dos correios, a falta dos dentes da frente, os óculos de fundo de garrafa numa cara de Peter Pan e, gozo dos gozos para nós, os putos, o ciciar. Aquilo era uma coisa linda de "ss" e "lhs" e "chs" trocados. Não me lembro de o termos amarrado onde quer que fosse, porque para nós o gozo supremo era outro. A tal velha pasteleira não tinha luz, o farol da frente há muito que tinha sido partido, e o Fredinho andava de pilha electrica na mão quando o negro das noticias chegava no escuro do dia. "Fredinho, a bicicleta não tem luz, e se chega a policia, que fazes?" - "Mostro-lhes a pi'la"... Tinhamos o dia feito com esta resposta. E continuamos a ter, que ainda hoje sorrio quando me lembro.


De Rui Vasco Neto a 30 de Outubro de 2007 às 23:30
soltem os prisioneiros, daniel. soltem os prisioneiros.


De Daniel de Sá a 30 de Outubro de 2007 às 23:15
Havia aqui na Maia uma dessas espécies muito comuns de bêbados meio filósofos. Consta que morreu de frio, nos EUA, à porta de um filho que não lha quis abrir. Mas deixou belas histórias, na Maia. E as unhas todas dos pés, pois, por causa das topadas, não tinha uma única que fosse. Nem sinais delas.
Certa noite, eu vi um grupo de rapazes gozando com ele. Um deles imitou um traque. E o João "Adora" (chamavam-no assim porque estava sempre invocando Nosso Senhor e Nossa Senhora) disse: "Olha que vantagem! Estás fazendoo com a boca o que eu faço com o cu."


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas