Terça-feira, 13 de Novembro de 2007
Sócrates? Cavaco? Guterres? Barroso?
Terça-feira, 13 Nov, 2007
Acho aquela gente desengonçada e triste, estúpida e brutal. Comem coisas estranhas e têm o mesmo calor humano do nevoeiro perpétuo em que nascem, vivem e morrem. Adivinho-lhes na pose empertigada o milagre de um cabo de vassoura enfiado cú acima, para manter a espinha direita em todas as situações. Bárbaros e sanguinários, arrogantes e prepotentes, os ingleses vivem com a rainha no palácio e o rei na barriga.

Olham o mundo por cima do ombro com o desdém dos tolos que se julgam o epicentro de todas as convulsões sociais e um exemplo de virtudes. Chacinaram meio mundo com a lâmina afiada da cagança britânica, a mesma que ainda hoje emporcalha até o futebol levando a bestialidade aos estádios. Foram vergonhosos em África, nojentos na Índia, falsos na Escócia e criminosos na Irlanda, em cujo conflito a sanha assassina dos súbditos de sua majestade cometeu mais erros que acertos, na soma das atitudes.

Não deixa por isso de ter a sua triste graça ver e ouvir estas recentes declarações do gabinete político do eurodeputado inglês Roger Knapman, segundo as quais Portugal tem uma justiça 'corrupta' e 'não tem uma verdadeira tradição de direitos civis, liberdades e democracia', 'não sendo por isso a Justiça fiável'. Sobretudo se pensarmos no famoso processo de Gerry Conlon e família, atirados inocentes para o sistema prisional inglês pela errada suspeita de pertencerem ao IRA.
Condenados injustamente em 1976, durante quinze longos anos viram as suas vidas, amizades, famílias e patrimónios destruídos, sofreram o horror de um processo de enxovalho público que ficou conhecido como 'Os quatro de Guilford', numa alusão ao local do atentado por cuja autoria foram acusados, e um deles, o velho e doente Giuseppe Conlon, morreu na cadeia e na desgraça de uma culpa que nunca teve.
Durante esses mesmos quinze anos, os responsáveis pelo encarceramento dos Conlon, policiais e políticos, ocultaram provas, mentiram em tribunal e fora dele, fizeram desaparecer testemunhas e conscientemente enganaram todo o sistema judicial e todo um país sedento de sangue, num dos mais vergonhosos e indecentes episódios legais da história recente. E agora, apenas trinta anos passados, com os protagonistas de Guilford ainda vivinhos da costa para ilustrar palavras como 'corrupção', 'estupidez', 'desonestidade' e 'arrogância', lá vem mais um perfeito exemplar da criminosa idiotia britânica dar lições ao mundo sobre decência judicial, direitos civis e democracia.

Não se desse a circunstância de ser Portugal um sítio mal frequentado por governantes medíocres e estadistas de pacotilha e outro galo cantaria na prosápia nacional. A mesma que se arroga de primeiro plano na fotografia do poder europeu, para mostrar à família, e depois curva humilde a cerviz perante o insulto gratuito, encolhendo-se resignada ao achincalhar do nosso passado e ao avacalhar do nosso presente enquanto povo e nação soberana. Sócrates, Cavaco, Soares, Guterres, Barroso, não há ninguém que seja alguém e mande este senhor à merda na resposta?


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 01:22
joana,
eu próprio vou estar à espreita no sábado.
volte sempre.


De Joana Morais a 15 de Novembro de 2007 às 14:15
Rui, eu é que lhe agradeço por os pontos nos i's no seu artigo. Obrigada.

Aqui fica o link para o 48 hours Mystery da CBS (os mesmos que produzem o 60 minutes); http://www.cbsnews.com/stories/
2007/11/14/48hours/main3501086.shtml
programa a ser transmitido este sábado, dia 17, com imagens (em exclusivo) e inéditas dos McCann umas horas após o alegado rapto.
Alguém disse: Hollywod está a espreita!


De Rui Vasco Neto a 15 de Novembro de 2007 às 12:38
joana,
fui ver e pode chamar-lhe trabalho, de facto. está documentado e abre portas de raciocínio que não são de descurar.
obrigado pela achega.


De Joana Morais a 15 de Novembro de 2007 às 09:02
há fóruns de jornais ingleses e imprensa on-line onde estão a apagar artigos que façam referência a Knapman e à difamação da Policia Portuguesa. Censuram comentários, posts, tudo. Veja o meu artigo em
Http://joana-morais.blogspot.com/
2007/11/censuras-difama-i.html


De Marquesa a 15 de Novembro de 2007 às 01:10
EEuu ? Nããoooo!! Diplomáticamente lhe digo que você é que falava (ou faloava ?)
bye dear, see you tomorrow !!!


De Rui Vasco Neto a 15 de Novembro de 2007 às 00:15
marquesa confusa,

sorry indeed. um deputado europeu é definitivamente um diplomata...

falávamos de cloacas?


De marquesa a 14 de Novembro de 2007 às 23:56
Sorry ... um deputado não é um diplomata, pois não?
Disseste falo, majestade e CLOACA !!!


De Rui Vasco Neto a 14 de Novembro de 2007 às 23:04
marquesa,
o palerma é diplomata inglês e isso chega-me.
quando abre a cloaca, fá-lo em nome de sua majestade.
(eu disse falo? e majestade? na mesma frase?)
oh, Deus...


De Rui Vasco Neto a 14 de Novembro de 2007 às 21:10
graza,
obrigado, volte sempre.
(gostei dos seus sem abrigo)


De Graza a 14 de Novembro de 2007 às 21:03
Como eu gostava que o meu texto me tivesse saído assim. Saíu-me ao menos a revolta na palavra.

Parabéns por este que saíu com muita força e é preciso acordar as pessoas que não reagem de imediato.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas