Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008
Um Raposo no país das maravilhas
Sexta-feira, 29 Fev, 2008


Lá diz a velha sabedoria popular que, supostamente, uma pessoa consegue enganar toda a gente durante algum tempo ou alguma gente durante todo o tempo. Mas é aparentemente ponto assente que não se consegue enganar toda a gente durante todo o tempo, uma proeza que o homem hoje em julgamento no tribunal de Portalegre, professor na escola local, foi capaz de manter com sucesso durante mais de trinta anos. Trinta anos. Uma vida, ou quase. Vamos então à história de mais este artista português do arame, essa verdadeira arte nacional. António Raposo começou por ser professor de Educação Física há mais de trinta anos, passando depois a professor de matemática, presidente do Conselho Directivo da Escola Básica e Integrada Cristóvão Falcão e, finalmente, dirigente máximo do Agrupamento de Escolas em Portalegre. Tudo isto a par com uma excelente reputação académica e docente, mantida pelo próprio e cultivada pelos seus alunos, encarregados de educação, colegas docentes e população em geral. Sob a sua batuta e ascendência hierárquica estavam mais de mil e duzentos alunos - repito: mil e duzentos alunos - e cento e cinquenta professores que a ele prestavam contas, sem que um único incidente tenha ocorrido para ameaçar a saudável e equilibrada convivência de todos com todos.

Assim se passaram trinta anos, um pouco mais, para ser rigoroso. Até que no ano passado uma denúncia chegou ao Ministério da Educação, carregando a bomba da incrível verdade: António Raposo era uma fraude, já que não era possuidor das necessárias qualificações académicas para ser professor, quanto mais presidente do Conselho Directivo, ou responsável pelo agrupamento escolar da região. Rebentada a bronca, António Raposo foi suspenso e foi-lhe instaurado o respectivo processo disciplinar com vista à sua expulsão da função pública e do ensino em particular, tudo isto sem prejuízo do natural e consequente procedimento criminal instaurado pelo Ministério Público e que hoje mesmo conheceu mais uma sessão de julgamento. António Raposo terá confessado os seus crimes, a saber: falsificação de dois certificados de habilitações académicas que não possuia e que lhe permitiram levar a cabo esta proeza de enganar toda a gente durante todo o tempo que passou nestes mais de trinta anos. E terá mostrado o arrependimento possível e esperado em quem só é desmascarado depois de três décadas de engano generalizado, pondo em questão todo um sistema que se revela cheio de buracos por todo o lado. António Raposo responde agora por usurpação de funções, falsificação e burla agravada, aguardando-se com expectativa o desfecho desta inacreditável aventura de mais uma Alice neste país das maravilhas que é Portugal.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De mifá a 1 de Março de 2008 às 01:50
"Sereno, competente e com espírito de líder"?
Medalhem mas é o homem que melhor nem de encomenda!
E, depois, trinta anos a leccionar é penitência de sobra!


De Daniel de Sá a 1 de Março de 2008 às 01:23
Razão tinham os mais sensatos dos meus professores quando diziam que a gente deveria esquecer toda a pedagogia que aprendera nos livros. Ser professor não se aprende, pratica-se.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas