Terça-feira, 13 de Novembro de 2007
Greve na cidade do lixo
Terça-feira, 13 Nov, 2007
A recolha do lixo está em greve na cidade do dito. Os carros pararam, os homens baixaram os braços, as máquinas deixaram de engolir caixotes e contentores e toda a merda da sociedade que somos ficou espalhada no passeio da frente das nossas vidas. Aguardam-se os resultados das negociações salariais. Até lá sufoca-se com o cheiro e tomba-se com a visão dos podres desta gente como a gente que é toda a gente e a nossa gente. Corre-se a cidade que somos saltando de diferença em diferença, se apenas seguirmos o rasto daquilo que deitamos fora.

Vamos de vento em popa no bairro dos miseráveis, que já vem de trás o bafo local de vidas pequeninas e tristes. Vidas perigosas. Nos caixotes atulhados espreitam corpos de não nascidos e restos de pouco vivos, que nem toda a gente é bem vinda e a ambição não dá para mais. Há pacotes de felicidade em pó e barras de alegrias usadas, por entre mil embalagens de existências descartáveis. Fede-se. Aqui o sujo é mais sujo e o Fairy perdia por certo a batalha da gota única e suficiente. Na utopia de uma limpeza, nem um barril de magia líquida devolveria o brilho da decência soterrada e esquecida na miséria geral.

No bairro dos pobres o lixo é pouco e pobre. Amontoa-se em pilhas organizadas e arruma-se em sacos pretos e fechados com atilhos comprados nas lojas dos chineses. O que mais se vê são mantas coçadas pelo uso e restos de roupa puída no gasto de muita jorna. A comida aproveita-se, não se deita fora. Há é papel com fartura, muita 'Maria, muito 'Crime', muita 'TV7dias' e muito mas mesmo muito jornal 24Horas. São vidas de cartão, pelo que também há muito. Caixas de frigoríficos a prestações na Singer, caixas de aspiradores da última promoção Continente, leve agora e pague depois, caixas de papas, caixas de bolos e muita muita televisão. Aqui o Fairy já resolve, talvez. Deixa tudo pobre na mesma mas limpinho, legal e honrado.

O bairro da classe média sofre horrores com a greve do lixo, tá a ver? È imensa a porcaria que se acumula assim nos passeios, tá a ver, mais o cócó dos cãezinhos tadinhos são amorosos os bichinhos e os copos de plástico da festa de sexta feira em casa do Cajó que foi uma barulheira até ás tantas e alguém devia chamar a polícia da próxima vez e também acho que a reciclagem das matérias inorgânicas é muito importante na sociedade moderna e que o Dr. Pacheco Pereira até já disse que o ambiente é a maior preocupação do mundo dos nossos dias e eu cá tou imenso de acordo, não posso não posso tar mais, tá a ver?

Chego sujo, cansado, contaminado, esgotado, ao bairro dos ricos. À porta do privilégio não se vê pingo de gordura, God forbid. Aqui o algodão não engana. Aqui não há greve que emporcalhe os umbrais ou retire brilho ás maçanetas, nem merda não negociável à taxa do mercado em fiduciários discretos de rendimento garantido. Os relvados estão no tom correcto e no milímetro adequado, os passarinhos têm um trinar adequado e toda a forma de vida cresce na medida do correcto, sendo que o correcto é o mais adequado. Os sonhos são feitos de encomenda por design exclusivo de um Jójó local, logo não há embalagens de fábrica para fazer volume na calçada ou quiçá ferir o ladrilho do trottoir social. A tradição do clube transmite aos sócios o sábio ensinamento de, em dias de greve como o de hoje, recolher as crianças, trancar as portas e contactar por e-mail a central de segurança no sentido de serem tomadas providências com vista à contratação de mais pobres para a remoção atempada de tudo o que tenha cheiro e não seja Lancôme. O lixo habitual fica no lugar do costume e atrás dos muros.

O dia chega finalmente ao fim, na cidade do lixo. Os da noite saem para a noite enquanto os do sol se arrumam no descanso necessário para poder voltar amanhã. A jornada de greve teve uma adesão de cem por cento segundo os sindicatos do sector e trinta e sete por cento de acordo com os números da administração. O telejornal conta a história toda e mostra as imagens a cores. E a cidade do lixo vai para a cama suja mas informada.
Amanhã é outro dia.

RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De tv online a 25 de Novembro de 2010 às 00:39
Estou a ver na TV informacao sobre a greve. Esta greve não tanto contra o Governo. É contra a situação caótica a que o país chegou, em grande parte por culpa dos mercados internacionais


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas