Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007
Eu moro aqui.
Segunda-feira, 15 Out, 2007
Tem qualquer coisa de bonito, enternecedor até, ver alguém ajudar um velhinho ou velhinha a atravessar uma rua. É um lindo gesto. É como se fosse mais uma moedinha no mealheiro da solidariedade social. Afinal, chegar a velho implica atravessar muita avenida, muita rua e muita viela sozinho, ao longo da vida. Portanto não é que a gente não seja capaz. Só estamos velhos. Fracos. Cansados. Desiludidos? Dizem que sim, não sei, ainda vou dispensando a ajuda nos atravessos. Mas acredito que a esmagadora maioria das vidas chegue a um determinado momento em que só lhe apetece parar no passeio e não dar mais um passo que seja. Só parar. Fechar os olhos. Paz. Finalmente.

Um estudo feito por um grupo da Faculdade de Medicina do Porto apurou que uma grande percentagem das pessoas idosas institucionalizadas, mesmo não sofrendo de doenças crónicas ou terminais, pensa frequentemente na morte e cerca de 50% admite a legalização da eutanásia. A conclusão é do Serviço de Biomédica e Ética Médica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e pode ler-se no DN de ontem. "Os dados apontam ainda para uma percentagem muito significativa de pessoas dispostas a aceitar o suicídio assistido. Uma atitude que pode decorrer de sentimentos de solidão e abandono dos idosos que se encontram em instituições", diz ainda o estudo, cujo objectivo foi "identificar a opinião dos portugueses com mais de 65 anos e sem doença terminal, sobre a eutanásia. Foram inquiridos 815 idosos institucionalizados em lares e residências de terceira idade no País, incluindo da Madeira e dos Açores e, segundo o responsável da investigação, a ideia era fazer uma análise sociológica e avaliação ética sobre a questão da eutanásia, bem como uma reflexão sobre as estratégias mais adequadas para prevenir a sua ocorrência". Rui Nunes salienta dois dados, um deles adquirido: há uma percentagem muito significativa de pessoas dispostas a aceitar o suicídio assistido. O outro também: "Falta perceber se isso reflecte uma vontade firme ou se é o resultado da solidão e do abandono que os leva a pensar na morte".

Tem qualquer coisa de bonito, enternecedor até, ver alguém ajudar um velhinho a atravessar uma rua. É um lindo gesto, mais uma moedinha no mealheiro da solidariedade social. Convém é ter uma certeza, primeiro. Saber se o velhinho quer de facto atravessar para o outro lado. E se ele está apenas parado, estagnado, cansado, sem querer dar mais um passo que seja? E se ele mora deste lado de cá da rua?

RVN






publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 16 de Outubro de 2007 às 00:58
lilás:
obrigado e volte sempre!

j.rebordão:
Pensar o que é andar a sofrer é coisa que, vai-me desculpar, não creio possível. Não se pensa como é o sofrimento; sofre-se e pronto, aí a gente descobre o que é e como é. Tudo o mais são palpites. Mas entendo o seu ponto de vista. Não concordo nem discordo. Apenas reflicto. Obrigado pela visita.

anónimo:
que pena o anonimato para uma opinião tão firme. Mas obrigado na mesma. Olé e OK, pronto.

rvn


De Anónimo a 15 de Outubro de 2007 às 16:26
"Cuando la vida es muerte, la muerte es vida Y mi vida es Mi Propriedade Privada.
EUTANÁSIA PLEASE!


De J.Rebordão a 15 de Outubro de 2007 às 15:45
Gostei muito do que disse. E tambem da maneira como disse mas gostava de saber se já pensou o que é ser velho e andar a sofrer?

J.R.


De lilás a 15 de Outubro de 2007 às 15:31
um belissimo texto!!!! de muita sensibilidade e bom senso...
parabens!!!!

lilás


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas