Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007
Finlândia: massacre na escola
Sexta-feira, 09 Nov, 2007
Ora ouçam os senhores esta estória inventada. Na década de 80, em pleno Alentejo profundo, um rapaz de treze, catorze anos, era o bombo da festa da vila inteira nas piadas de todos os dias. A razão pulava à vista sempre que ele andava pelas ruas. O volume na frente das calças (por hábito sempre largas) escondia um enorme tumor nos testículos que fazia a vergonha do próprio e da pouca família que lhe restava, mãe e duas irmãs mais novas. Gente de misérias várias, é certo. Um rasto de alcoól pelo lado do pai morto, um rumor de promiscuidade do lado da mãe, as garotas ‘poucochinhas’ de cabeça, como era uso dizer no sítio. No café central da vila juntavam-se os mesmos todos os dias. E se o rapaz chegava ou passava as piadas eram sempre as mesmas também.

Era assim o doce dia a dia até que começaram os suicídios em série. Todos eles frequentadores do café, o que nem por isso chamou a atenção. Afinal toda a gente ali parava, mais ou menos. O primeiro caso passou quase sem notícia. Era um sujeito violento no que dizia e fazia, poucos lhe terão sentido a falta. Terá tomado veneno. Seguiram-se-lhe mais dois casos isolados até que a coisa se notou. O quarto suicídio num espaço de dois meses tinha sido duplo, marido e mulher. Todos com veneno. E todos com o mesmo veneno, extraído de um tubérculo comum no alto alentejo, uma raiz que todo o lavrador conhece e evita. A GNR investigou e apurou zero. Quando se completaram três meses sobre o primeiro caso surgiu a primeira suspeita. Aquele rapaz tímido e sempre calado, bombo de todas as festas da vila, tinha estado na casa de todos e de cada um dos mortos no exacto dia dos seus suicídios. Tinha até comido por lá, que o cair da noite era a hora mais solitária e triste no seu monte. E um dos filhos do casal morto por último tinha entendido fazer algumas investigações por conta própria e chegado ás suas próprias conclusões.

A série de estranhos suicídios parou com o desaparecimento do rapaz. Soube-se mais tarde que tinha vindo para a capital, tinha sido operado ao seu tumor e que trabalhava numa pastelaria qualquer da baixa. E, espanto dos espantos lá na vila, vivia em casa do tal filho do tal casal, de onde só saiu para casar muitos anos depois.Voltou à vila só uma vez, e muito recentemente. O café central lá estava, claro. Os bêbados é que eram outros. Mas horas mortas e portas fechadas, em conversa de pé de orelha com o dono do café, apenas com um freguês solitário esquecido num canto e bem bebidos os dois, abriram as almas um ao outro e a verdade jorrou por entre lágrimas de adultos. Toda a verdade, incluindo a da morte do pai do rapaz, já com veneno, depois de uma tremenda surra na mãe quando ele tinha oito anos.

Saí sem que me olhassem nos olhos e esqueci o assunto até hoje.

RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 9 de Novembro de 2007 às 19:15
mifas,
o ideal é ter as duas coisas juntinhas num mesmo naco de prosa.
de acordo?


De mifá a 9 de Novembro de 2007 às 18:23
rvn,
ou nunca deixar que uma boa história estrague a verdade.
É outra perspectiva.


De Rui Vasco Neto a 9 de Novembro de 2007 às 17:54
mifa,
'nunca deixar que a verdade estrague uma boa história' é uma máxima a reter.


De mifá a 9 de Novembro de 2007 às 17:05
E o rapaz ou o agora adulto já foi a casa dos familiares das vítimas contar os seus traumas?
Afinal, a falar é que a gente se entende(onde é que eu já li isto?).


De Rui Vasco Neto a 9 de Novembro de 2007 às 16:25
rapaz? assassino?


De Anónimo a 9 de Novembro de 2007 às 16:22
Finlandia ? Alentejo ?


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas