Segunda-feira, 28 de Abril de 2008
A Ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
Segunda-feira, 28 Abr, 2008
Este é o segundo capítulo do estudo sobre a Ópera em Portugal, da autoria de Daniel de Sá, cuja publicação teve início ontem com 'As origens da Ópera', o primeiro capítulo da série. Organizado em oito grandes capítulos, resultado de um trabalho de pesquisa notável e escrito com a qualidade a que este autor já nos habituou, este estudo leva-nos numa viagem histórica de visita aos palcos e bastidores desse espectáculo que alguém descreveu como "o mais sumptuoso e dispendioso divertimento que o engenho humano pode conceber". Um trabalho absolutamente imperdível, com publicação diária, que hoje dá a conhecer o seu segundo capítulo.


Em baixo:
"A Ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal"
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

Parte I : As origens da ópera
Parte II : Introdução da ópera em Portugal


Passar-se-ia quase século e meio desde o aparecimento da ópera na Itália até à sua chegada ao nosso país, depois de ter conquistado o público de quase toda a Europa sobretudo a partir de Veneza, cidade onde ganhou o seu nome definitivo e onde foram feitos os primeiros teatros de ópera, que atingiram um total de dezasseis ainda durante o século XVII.

Tendo começado como um produto de pura exportação, que foi recebido com grande entusiasmo na Inglaterra e em outras regiões europeias como as de língua alemã e a França, cedo começaram a aparecer autores que fizeram da ópera um espectáculo nacional, tanto no que respeita à música como aos temas tratados, embora sem se afastarem muito, normalmente, do padrão italiano.

O caso mais bem sucedido de um estilo de ópera nitidamente nacional talvez se tenha dado em Espanha, com a zarzuela, que se trata de um espectáculo ligeiro, no género dos que foram chamados opera buffa, em Itália, singspiel, na Alemanha, opéra comique, na França, ou ballad opera, na Inglaterra. O primeiro espectáculo de zarzuela (El jardín de Falerina, de Calderón de la Barca, com música de Juan Risco) foi oferecido em 1648 a Filipe IV e sua corte, no palácio real da Zarzuela, que recebera este nome da erva que abundava no lugar e que passou também a designar a ópera ligeira espanhola. Apesar desta proximidade geográfica, tardaria ainda quase um século a entrada da ópera nos hábitos culturais portugueses. As razões são várias e talvez possam ser explicadas por diferentes condicionalismos.

A ópera nasceu sob a protecção dos nobres e, antes da construção do teatro de San Cassiano, em Veneza, em 1637, era representada apenas nos seus palácios. Ora em Portugal, durante todo o século XVI e início do XVII, a nobreza não se distinguia de maneira nenhuma por interesses culturais, enquanto que a própria criação artística não foi brilhante. Até 1640, o país viveu sob o domínio da dinastia filipina que, embora não tenha exercido qualquer censura sobre a literatura, a música e as outras artes, não representava uma condição motivadora de grandes rasgos criadores, tendo-se seguido quase três décadas de estado permanente de guerra com Espanha depois da restauração da independência.

Se é certo que os reis desse período (D. João IV, D. Afonso VI e D. Pedro II) se interessaram muito pela música, principalmente D. João IV, ele mesmo um bom compositor, fizeram-no sobretudo a respeito da música sacra, pouco contribuindo para outras formas de expressão musical. Quanto aos nobres, a maior parte deles sem uma história familiar de apego à cultura, gostavam de se exibir pela virilidade, como homens sempre dispostos à luta, armados de espadas que faziam parte obrigatória da sua apresentação diária e que desembainhavam com facilidade para um duelo.

Com a subida ao trono de D. João V, em 1707, a situação estava longe ainda de se modificar, apesar do seu interesse pelas artes, sobretudo a Arquitectura e a Música, tendo mesmo, além de outras iniciativas de enorme interesse, chamado à corte o compositor e cravista italiano Giuseppe Domenico Sacarlatti, filho de Alessandro Scarlatti, ao mesmo tempo que continuava a enviar para Itália jovens músicos portugueses, um dos quais foi Francisco António de Almeida, que viria a ser o autor da primeira ópera portuguesa.

Talvez não seja incorrecto supor que essa indiferença inicial de D. João V pela ópera poderá ter-se devido ao gosto herdado dos seus antecessores e, quem sabe, a alguma desconfiança perante um espectáculo demasiado profano, que incluía mulheres como actrizes e abordava temas raramente piedosos, tanto mais que, nos últimos anos da sua vida, e depois de ter sofrido uma apoplexia, D. João V proibiu a ópera devido a escrúpulos morais. O certo é que, finalmente, em 1733, (dois anos depois de a corte ter assistido à primeira ópera, italiana, representada em Portugal) por altura do Carnaval (e aqui está possivelmente uma indicação do pensamento real a respeito de um espectáculo que ele terá julgado apropriado para tal época do ano), foi apresentada no Paço da Ribeira (que haveria de arder completamente por causa do terramoto de 1755) a ópera La Pazienze di Socrate, com música de Francisco António de Almeida, que se julga ter sido ainda aluno de Alessandro Scarlatti, e libreto de Alexandre de Gusmão, escrito, como se percebe pelo próprio título, em italiano.

O oiro do Brasil seria fonte de riqueza não apenas para o rei e o seus gastos sumptuosos, mas para a generalidade da nobreza, que mudou radicalmente a maneira de exibir a sua importância, passando a preferir as festas, as procissões ou a música. Estava aberto um novo caminho à música portuguesa, porquanto as exigências tão diversas da ópera, em termos de partitura, sem dúvida contribuíram muito para o desenvolvimento desta arte, obrigando os compositores nacionais a diversificarem as suas formas de expressão através do canto para solistas ou para coro e da orquestração.
(Amanhã: "Parte III - Os primeiros tempos")


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas