Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008
Carta aberta ao Zero
Quarta-feira, 30 Jan, 2008
Meu amigo, meu bom, querido e quase único amigo: peço-lhe calma, reflexão e serenidade. Julgo que posso falar por todos os criativos deste país quando lhe imponho esta súplica. Por todos os jornalistas, humoristas, piadistas, polemistas, caricaturistas, outros artistas e até turistas e pessoal da São Caetano à Lapa no geral. Não pense em abandonar-nos a todos. Se lhe passou pela cabeça escrever uma carta igual ou parecida com a que o nosso António mandou ao chefe, depois do chefe supremo lhe ter puxado as orelhas em discurso de Ano Novo (imperdoável o timming, eu sei) eu cá sugiro ponderação e reflexão profunda. Homem, é a sobrevivência da crítica portuguesa quem lho implora, nesta hora de perda de uma figura de topo, segundo lugar destacado, do anedotário nacional. Teremos sempre (aparentemente, pelo andar da coisa) o grande Alberto João, lá isso parece certo, temos também Mendes Bota, agora remix, e aqui e ali vão despontando novas promessas, sim, mas o amigo Zero não conquistou com tanto afinco esse lugar de cromo difícil na imensa colecção lusitana para agora atirar, pela janela da demissão, uma promissora carreira de pushing bag dos punhos de renda editoriais. Seja forte, carago! Vá-se a nós.

Aceite o conselho desta ruim cabeça e não desista da sua cruzada, missão, obessão, paixão, compulsão ou peregrinação à senhora da asneira que Portugal se habituou a acompanhar como um morango sem açucar que é diariamente servido com o café e sem cigarrinho para rebater, por cada vez que o amigo abre a boca. Faça o amigo muitos mais daqueles brilharetes de autoritarismo e palermice com que conseguiu o feito notável de piorar o que já era mau, pese necessário. Insista o caríssimo em ser odioso que o papel fica-lhe uma segunda pele, tem até a indispensável bigodaça. Seja sempre um arauto das más novas, ao invés de as insinuar no nosso viver com a vaselina dos espertos. Seja mau, se não conseguir manter o péssimo com que se notabilizou. Sempre ganha o Portugal dos pobres que na falta do pão assim enchem a barriguinha de riso com a rábula revisteira do seu trabalho. Sempre dá alma e coragem ao país dos tristes que somos sem si. Mas não desista, por favor, por mim, por todos, pelo PSD, pelo Dr. Portas, pelo Bloco e por todos os tijolos nacionais, não cruze os braços, não se apague por mais que eu sopre. O que diria Menezes na sua ausência, deixado a sós com uma obrigação de competência e acerto? E sobre que escreveria eu, não me diz? Não vacile, não hesite, não transija. Pesa nos seus ombros uma responsabilidade de igual quilate à do Bond, o agora casadoiro James. O amigo é único, precioso, é o zero da ambição lusitana. Não é um zero qualquer. É o nosso zero.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas