Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007
Maresia com fartura
Segunda-feira, 08 Out, 2007
Hoje é dia de regiões autónomas na primeira página da informação nacional. Por razões diferentes, Açores e Madeira são hoje notícia. Da Ilha do Faial veio a lágrima espontânea do Presidente da República que, de visita ao arquipélago e ao pôr o pé nas cinzas frias, se recordou das imagens da erupção do Vulcão dos Capelinhos, transmitidas ao tempo na recém inaugurada RTP e não se fez rogado à comoção. Já da Ilha da Madeira as lágrimas vieram dos presididos. Mais uma vez. O secretário-geral do PS/Madeira, Jaime Leandro, vem a Lisboa com um "dossier de casos que indiciam corrupção na Madeira", uma compilação que será entregue ao procurador-geral da República. O encontro com o conselheiro Fernando Pinto Monteiro está agendado para quinta-feira, às 15.30. O funcionamento da fundação social-democrata, situações de licenciamentos que levantam dúvidas, a auditoria à Câmara Municipal do Funchal e o processo relativo a uma acção popular contra a construção de um megacentro comercial e residências na baixa funchalense, são algumas das referências constantes no dossier. O PS defende uma "investigação profunda às contas bancárias e ao património pessoal de determinados cidadãos" e o líder local do partido, João Carlos Gouveia, acrescentou ainda que nos últimos dias tem recebido "documentos e fotografias" que indiciam irregularidades. "Como não sou polícia vou remeter tudo para o MP", disse.

Nos Açores Carlos César também disse coisas e algumas delas indiciaram igualmente preocupações administrativas. No final de uma audiência com o Presidente da República em Angra do Heroísmo, o Presidente do Governo Regional projectou essas preocupações para o próximo processo de revisão do Estatuto Político-Administrativo dos Açores. “Espero que este Estatuto possa ser um elemento clarificador, no sentido de se pacificar e de se fazer uma pausa na polémica constitucional à volta das autonomias. Nós precisamos de, com clareza, conhecer as nossas competências e as competências dos órgãos da República, para que cada um possa fazer o melhor dentro do seu núcleo de competências suficientemente clarificado”, disse Carlos César.


Entre as duas notícias, ambas destaques de abertura na comunicação nacional, jaz todo o oceano de indiferença que separa Portugal Continental do Portugal Insular. Onde todas as esperanças morrem na praia. Acreditar que São Bento passa os dias a matutar nas tropelias de Alberto João ou que Belém não dorme de noite com as imagens da lava incandescente derramada sobre as vidas dos Picarotos, é o primeiro passo para derramar também una furtiva lacrima por conta da crença que amanhã tudo vai mudar no dia a dia dos não-eleitos que vão sobrevivendo nas Regiões Autónomas de César e Jardim. Os tais cujas esperanças, todas elas, morrem na praia dos olhares perdidos no horizonte da normalidade que os separa das vidas de Portugal e dos Portugueses."Somos herdeiros da maresia/que salga os olhos de olhar o mar /e temos rios de lava fria /que se recusam a desaguar", leu Victor Hugo Forjaz no mesmo chão e no mesmo instante da lágrima de Cavaco. Palavras açorianas, do poeta Emanuel Félix. O seu eco estará há muito esquecido quando amanhã, para a semana ou no mês que vem, o Presidente da República estiver a congratular o Rio Ave pela conquista de uma Taça, a comentar a intervenção da GNR na sexta demolição das barracas no Bairro da Miséria ou a congregar esforços político-partidários para qualquer uma das grandes questões nacionais. Que, reconheça-se, não passam pela realidade dos herdeiros da maresia, sejam os de César sejam os do jardim.

Que somos todos portugueses é um facto. Mas a cada um a sua herança, é outro facto sem discussão. E na verdade, alguns de nós têm avós que moram longe para burro, lá no meio do mar e fora de mão todos os dias, menos nos daquelas férias para mais tarde recordar. Ou quando é dia de Regiões Autónomas na primeira página da informação nacional, por abuso de poder ou visita do casal presidencial. Aí o país alastra de orgulho pátrio e o Telejornal abre das ilhas em directo. Que lindo, meu Deus, aquilo dos 'herdeiros da maresia'. Que salga os olhos de olhar o mar.


RVN







publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas