Domingo, 18 de Novembro de 2007
Estou (ainda) seco mas solidário
Domingo, 18 Nov, 2007
«Mau tempo nos Açores»
«O mau tempo que assola parte das ilhas do arquipélago dos Açores provocou inundações em habitações e pequenas derrocadas nas estradas, sobretudo na Ilha de São Miguel, informaram responsáveis da Protecção Civil da Região.»


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 17:30
daniel,
já disse noutro lado: esquece a vinhaça, amigo, que eu sou mentiroso e só ficou o vidro para mais tarde recordar. (já que bebo para esquecer, ah ah)


De Daniel de Sá a 19 de Novembro de 2007 às 17:24
Se não bebes, não desperdices. Manda para cá uma coisa dessas. Eu pago o transporte.


De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 16:31
pi,
xuac.

ah ah,
'soltei-me antes do tempo' faz-me lembrar Bocage.

daniel,
e um Sirah, João Portugal Ramos, com 15%?
se eu bebesse alcoól, ontem à noite tinha bebido quase duas destas.
ainda bem que não bebo. prova tu. dizem que é bom...


De ????? a 19 de Novembro de 2007 às 15:10
Minha muito cara Piedade,

Muito obrigada por ao não me querer dizer nada me ter contado e dito "tudo"!

Agradeço imenso o facto de me ter alegrado muito com o "Beijocas quirido"! É um pouco como "quem meu filho beija minha boca adoça" ou, mais concretamente,"amigo do meu amigo, meu amigo é"!

Assim mesmo...de peito aberto! Despido de calhaus onde TUDO pode "encalhar" ( o humor inclusivo) sem que nada de mal ou ofensa lhe possa tocar (nem aos seus.

Sentidamente lhe agradeço, também, a possibilidade que me deu de a ter conhecido e de, neste mundo virtual, (por um toque de magia ou, quiçá, por milagre) me ter feito perceber que a posso encontrar entre todas as piedades das páginas amarelas, poupando, assim, as solas de sapatos ( ao esbanjamento e à tentação) de tentarem localizá-la, nos Arrifes, junto ao altar da Srª da Piedade!

Finalmente, não posso deixar de lhe agradecer, a imensa ternura que me devotou ao olhar-me "olhos nos olhos", com a frontalidade e coerência própria de quem não dizendo nada....diz TUDO!

Um beijo amigo (creia),

??????


De Daniel de Sá a 19 de Novembro de 2007 às 14:51
Mifá, belos vinhos, sem dúvida. Depois disso, nem dá para sentir a roupa encharcada, se for o caso. Mas não invejo. Bebi um Monsaraz de 14,5 graus. (Oferta do meu filho.)


De piedade a 19 de Novembro de 2007 às 13:52
Meu caro : não precisas ser tão sensível ! Não percebeste que a minha falta de humor é com anónimos ?? Vê lá não me ofendas sem razão ... sentido de humor precário, eu ? Deves estar confundido, esquecido, pensa bem. Esta coisa de andar aqui a falar sem saber com quem e sem ver os olhos das pessoas é que me irrita. Não sou desta era, que queres?! Daí o meu ADEUS. Prefiro falar contigo com emails. Aí não há intrusos anónimos, percebeste ??? Beijocas quirido (só pra chatear "???") que continua sem saber o que é o "tudo"!!!


De mifá a 19 de Novembro de 2007 às 12:55
Vá, acalmem-se lá, meninos.
"Dia de chuva é dia de pancadaria", dizia a minha mãe. E, quase sempre "batia certo" ... ela bater-nos.

rvn,
por a inveja ser pecado é que eu digo "confessem".


De Gargalhada a 19 de Novembro de 2007 às 12:34
Peço desculpa, meus senhores!
Soltei-me antes do tempo! Ou para ser mais precisa, entre o tempo e o não tempo! Exactamente no intervalo que, curiosamente coincidiu, com a hora e o momento do dito "agravamento" que virou intervalo!


De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 12:25
piedade,
a experiência já me devia ter ensinado que o teu sentido de humor tem a mesma precaridade da placa tectónica ao largo da Terceira...


De Piedade a 19 de Novembro de 2007 às 12:16
Pronto Rui, já fui pra dentro e não vos maço mais. Desculpem ter brincado um bocadinho enquanto ouvia chover, ok?
??? identifique-se, tá ? é tão feio usar o anonimato! Paciência e ... ADEUS


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas