Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007
Musharraf cão
Quinta-feira, 27 Dez, 2007
A líder da oposição paquistanesa, Benazir Bhutto, morreu hoje de ferimentos sofridos num atentado suicida. Os seus apoiantes no hospital começaram aos gritos «Musharraf, cão» referindo-se ao Presidente paquistanês. Pelo menos 20 outras pessoas morreram na explosão que ocorreu à esquerda do local onde Bhutto se encontrava num comício com milhares de apoiantes.

Benazir Bhutto cumpriu dois mandatos como primeira-ministra do Paquistão entre 1988 e 1996 e tinha regressado a 18 de Outubro ao Paquistão após oito anos de exílio. O seu comício de boas vindas em Carachi foi alvo de um atentado suicida que matou dez pessoas e feriu cento e quarenta, tendo escapado à justa nessa ocasião. Fica a ilustração de Pedro Vieira, publicada aqui em 19 de Outubro passado. Profética, infelizmente. O caminho de Benazir terminou hoje, à uma e um quarto da tarde, hora de Lisboa. A tiro, um no pescoço, outro no peito.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De ernesta a 28 de Dezembro de 2007 às 14:20
rvn,

(O atentado matou 21 pessoas, uma à bala e as outras rebentadas pelos estilhaços da bomba suicida. Danos colaterais, pois claro.)

E o que digo é a constatação a priori da sua resposta - raio de mundo este com maldades tão grandes que fazem com que seja descabido olhar para as mais pequeninas.


De Rui Vasco Neto a 28 de Dezembro de 2007 às 14:07
nesta,
Politicamente correcto ou não, o comentário pode até ser pertinente, para que a memória não seja lavada em fairy. Mas fica tão descabido fazê-lo depois do massacre como avaliar agora a bondade da sua visão política ou religiosa. Tudo isso foi morto à bala.

paquistónimo,
véri séde indide

daniel,
estou de acordo. (olha, parece que tens um senhor aí que te quer dizer não sei o quê sobre a madre da maestra, não sei... vais tu à porta ou queres que lhe diga para voltar mais tarde?)

sam,
há um passarinho alentejano que canta assim: 'cácalharás, cácalharás'...


De samuel a 28 de Dezembro de 2007 às 11:04
O Daniel tem razão, nomeadamente nos comentários finais...
E digo mesmo mais, seria mesmo mártir, por se dar ao grande incómodo de andar aos tiros na Sierra Maestra, em Cuba e ir morrer na Sierra Madre, na Califórnia :)))
Abraço.

(Fico à espera da grande porrada que merecidamente levarei, quando também tiver um lapso destes, espero que igualmente engraçado...)


De ernesta a 28 de Dezembro de 2007 às 00:00
Eu também a admiro e não é de agora. Lembro-me de quando ganhou as primeiras eleições e lembro-me de ter saído do Paquistão. Era uma miúda e ela era uma das minhas heroínas. Nada disso retira um ponto ao que disse - tenho pena de até os nossos ídolos terem pés de barro e tenho pena de termos de escolher entre mal menores.
Quanto ao ser mais incómoda na morte que na vida, não tenho dúvidas. A morte tem o efeito redentor de nos realçar as virtudes e lavar os pecados.


De Anónimo a 27 de Dezembro de 2007 às 23:38
Béquine Paquistane uí ar rili véri séde dize úourelede iza xíte, maiferende.


De Daniel de Sá a 27 de Dezembro de 2007 às 23:29
Seja o que for que movesse esta mulher, ou por que se movesse ela, admiro-a. Ela sabia que aquilo era muito provável que acontecesse. Poderia ter gozado os rendimentos, justa ou injustamente adquiridos, o que para o caso até pouco importa. Não fugiu. E será talvez mais incómoda na sua morte do que durante a vida. Os mitos nunca estão vivos. Pense-se no espantalho do Fidel. Se tivesse morrido na Sierra Madre ainda hoje seria um herói para quase todos nós.


De ernesta a 27 de Dezembro de 2007 às 17:16
Nada justifica o que, por natureza, não é justificável. Nada justifica a morte assim, cobarde, malévola, insistente e persistente, com razões seguramente mas sem sentido.
Infelizmente, o maior mal deste mal tão grande é que leva a que seja levado em ombros como bom o outro mal, o mal que parece quase bem, o mal que esta mulher que hoje morreu também representou - o mal de quem governa e se vai governando.O mal menor, o mal de quem não mata, que não esventra gentes nem acolhe os maus que são maus e feios e matam crianças e mulheres assim, à bomba, mas mal pequenino que enche de dólares contas à conta do dinheiro dos outros.
Benazir foi morta porque era uma democrata e lutou por uma democracia num país de fardas e armas, mas não fugiu para o Dubai há 8 anos atrás empurrada por militares façanhudos,mas sim por acusações de corrupção e de desvio de dinheiros. Acusações que ela sempre jurou serem políticas, mas das quais negociou a amnistia quando regressou permitindo assim que lhe fossem descongeladas todas as contas na Suiça.
Benazir Bhutto, assassinada hoje por gente bárbara, era das nossas -nada mais ocidental que os 5% de comissãozinha no contrato.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas