Terça-feira, 23 de Outubro de 2007
Tudo isto existe, tudo isto é triste, tudo isto é fado.
Terça-feira, 23 Out, 2007
Amália morreu e o país inteiro pôs luto. O povo chorou. E chorou sentido, quero crer, que Amália era mais que Amália para toda a gente. Presidentes e ministros, doutores e engenheiros das dores e das obras, vieram a terreiro dissecar, classificar, explicar e perorar sobre o mais profundo significado de cada entoação da diva, cada gesto, cada ai. E Amália tinha muitos ais. Os ais de toda uma geração de portugueses moravam na voz da senhora do fado, porque era o fado uma casa d'ais por excelência. Era o Portugal do conforto pobrezinho, no lar onde só há fartura de carinho, da minha alegre casinha tão modesta como eu.
Muitos anos de D.Perignon não apagaram em Amália a memória do seu próprio conforto pobrezinho num passado distante. E quis vida depois da morte para essa memória. Por isso determinou e deixou escrito: o que deixava de seu era para servir aos pobres. Mais o dom da sua voz.

Com o corpo de Amália no Panteão Nacional, a sua alma foi colocada na Fundação Amália Rodrigues, criada em 1999 com o intuito de ajudar pessoas desfavorecidas e apadrinhar instituições de beneficência e de solidariedade social. Com sede na casa onde a fadista vivia, a S.Bento, gere os bens de Amália Rodrigues, terrenos, apartamentos, a conta bancária, jóias e pratas. E tem uma dívida acumulada ao fisco de dois milhões e trezentos mil euros, nada mais, nada menos.

Na passada sexta-feira, uma portaria publicada no "Diário da República" declarava a fundação com o nome da fadista Amália Rodrigues "pessoa colectiva de utilidade pública". Com a condição de comprovar a regular constituição dos órgãos sociais e a inexistência de dívidas fiscais à Segurança Social. Na sua edição de ontem, o jornal "Correio da Manhã" chamava a atenção para o artigo 11.º A do Estatuto dos Benefícios Fiscais, que obriga os responsáveis da Fundação a pagar a dívida para o estatuto de "utilidade pública" ser considerado válido. E Amadeu da Costa Aguiar, o presidente da Fundação, logo veio garantir que "a dívida ao Fisco de 2,3 milhões de euros da Fundação Amália Rodrigues deixará de existir com a concessão do estatuto de utilidade pública". Isto resume o assunto, no que toca ao Fisco e ao Estado e à legalidade. Sobra um pormenorzito de somenos.

Desde o dia em que foi criada até ao dia de hoje, a Fundação Amália Rodrigues não concretizou um único dos objectivos que presidiram à sua instituição, para amostra. Não consigo vislumbrar uma única razão, para amostra, que possa levar o Estado português a considerá-la Instituição de Utilidade Pública agora, a não ser uma razão de utilidade privada como uma dívida de 2,3 milhões de euros ao Fisco, por exemplo.

Estranho fado, o da memória de Amália. Triste fado e de autoria duvidosa. Certo mesmo só o tal pormenor, provavelmente sem qualquer significado. É que desde o dia em que se sentou na cadeira da presidência da Fundação Amália Rodrigues, em 1999, a única decisão oficial conhecida de Amadeu da Costa Aguiar foi a de nomear um presidente vitalício para gerir os destinos e os dinheiros da instituição, mais o pinga pinga da saudade da diva. Chama-se Amadeu da Costa Aguiar. Triste, convenhamos. Mas fado. Definitivamente, tudo isto é fado.

RVN



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De marquesa a 24 de Outubro de 2007 às 13:09
Certamente. E não é só o Amadeu .. . ele tem um filho que tambem anda na gosma !!!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas