Quarta-feira, 17 de Outubro de 2007
Como, meu Deus? Como?
Quarta-feira, 17 Out, 2007
Correio da Manhã
(2007-10-17 - 19:05:00)
Caso o Irão tenha a arma nuclear, Bush adverte para terceira guerra mundial


Por esmola, alguém que me explique de uma vez por todas: vê-se pelas fotos, aquela cabeça até que faz um esforço... como é que é possível que só saia merda, meu Deus? Como?


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 20 de Outubro de 2007 às 03:45
teresa,
a que parte do cérebro de bush é que se aplica o seu optimismo convicto?

mifá,
e as antevisões apocalípticas, adaptam-se ao resto da mioleira?

rvn


De mifá a 19 de Outubro de 2007 às 22:59
Concordo.Até porque a antecipação dos factos funciona quase como uma legitimação dos mesmos: de tão naturalmente aguardados,acabam por ser encarados com normalidade e resignação.E o que não podia nem devia ter sido acaba por se transformar no "tinha que ser"...
O melhor,mesmo, é deixarmo-nos de antevisões apocalípticas!


De teresa a 19 de Outubro de 2007 às 20:02
Lá em casa ouvi muita vez contar a história de um empregado do meu pai, o FN, que em plena crise da Baía dos Porcos lhe disse que se ia casar. Relembremos os factos, barcos de guerra da URSS estavam a cruzar o Atlântico e barcos de guerra americanos estavam a ir ao seu encontro, todos eles carregadinhos de misseís prontos a serem disparados. A terceira guerra mundial estava à distância de algumas milhas maritímas e o meu pai achou que o outro era doido - casar naquela altura? (eu diria que qualquer altura é excelente para não o fazer, mas são opiniões...) Como se podia pensar em futuros com aqueles barcos no mar?
Acho que de tanto ouvir esta história, e ter conhecido os filhos e os netos do FN, percebi que tenho mais é que ser como sou -convictamente optimista!


De mifá a 19 de Outubro de 2007 às 17:52
caro anónimo...
"alguns"..."outros", pronomes indefinidos.
Neste caso, a indefinição parece-me pouco compatível com o tom assertivo e sentencioso mas, pronto...
Relativamente à bússula, há quem prefira o sul ou, até, ser (des)norte(ado).Descodificando:
despoluir-se de informação e PENSAR.
Finalmente, quanto ao "mea culpa", foi acto falhado ou confissão assumida?
caro rvn
esclarecida, pois claro.Não há nada como ter bons mestres!


De Rui Vasco Neto a 19 de Outubro de 2007 às 10:30
mifá,

está esclarecido, então.

anónimo,

presumo que se esteja a referir a todos os anónomos, sem excepção..?

rvn


De Anónimo a 18 de Outubro de 2007 às 15:00
alguns leitores não se encontrando munidos com a bússola da informação, perdem o norte nas suas interpretações...

Outros os há,também, que, cobardemente, se escondem no anonimato...

A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL JÁ COMEÇOU!

"Para se travar um louco precisa-se conhecer, por dentro, a LOUCURA"


De mifá a 18 de Outubro de 2007 às 13:54
rvn,à semelhança do que já tive o prazer de fazer pessoalmente, asseguro-lhe o meu apreço pelo seu trabalho,quer como jornalista quer como cidadão que,corajosamente, esgrime a palavra mesclando-a de mordacidade e humor, para desmascarar os pôdres socias, num verdadeiro "ridendo castigat mores".Como tal,peço-lhe que entenda as minhas palavras,tão somente e apenas, como fruto da incredulidade com que a mente se escuda em momentos em que a estupefacção e indignação atingem as raias do absurdo( como foi o caso).
Fico-lhe grata pelo endereço que me facultou.
Quanto ao facto de cumprir com a sua parte, sou a primeira a reconhecê-lo e felicito-o por tal.Não é fácil num país onde as toupeiras cavam, molengonas e indiferentes, os túneis que as sepultam!...


De Rui Vasco Neto a 18 de Outubro de 2007 às 13:09
Mifá,

Quanto à sua pergunta final, eu cá vou fazendo o que posso...

Quanto à veracidade das fontes, posso garantir-lhe que em circunstâncias normais ou anormais eu nunca brinco com a verdade dos factos,limito-me a opinar sobre eles. E circunstâncias de guerra mundial, então, nem pensar. Sugiro que confirme em http://www.correiomanha.pt/pesquisa.asp?q=bush&bt_ok.x=21&bt_ok.y=8

cumprimentos

rvn


De mifa a 18 de Outubro de 2007 às 12:59
O humor é apanágio de gente inteligente.Assim,e dado os intervenientes em questão, não me parece que seja a melhor receita.A coisa afigura-se-me séria, preocupantemente séria.Tão séria que me recuso a acreditar na veracidade do que acabo de ler.Entenda-me, rvn:muito arredada está das minhas intenções a de duvidar de si mas, um erro de tradução,engano das fontes, piada de mau gosto de proveniência duvidosa...Sei lá, o absurdo é tal e tanto que... Outrossim, a ser verdade a advertência referida bem como a sua proveniência , urge, no meu entender, a pergunta: NINGUÉM PÁRA ESSE LOUCO?!


De Anónimo a 18 de Outubro de 2007 às 11:16
Já vi que é com humor que a gente se entende!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas