Segunda-feira, 7 de Abril de 2008
O longo braço da Lei
Segunda-feira, 07 Abr, 2008
Chamemos-lhe Zé, para facilitar as coisas. Pois estava lá o Zé na sua vidinha quando eis que lhe avança porta adentro um funcionário do Tribunal de Matosinhos com uma ordem de penhora em punho no valor total de 904,48 euros, referentes a 604,48 euros de uma multa não paga, (uma infracção cometida pelo Zé com uma mota de água), acrescidos de mais 300 euros de despesas judiciais. Uma conta calada com total de novecentos euros, números redondos que o Zé não teve, ou não quis ter para pagar a multa. E por isso ali estava aquele homem, funcionário do Tribunal de Matosinhos afecto à secção de serviço externo, para fazer o arresto dos bens do Zé a pedido do Ministério Público do Tribunal Marítimo de Lisboa, a instância competente para cobrar a multa, face ao local da transgressão.

E assim aconteceu, que o que tem que ser tem muita força, como é sabido. O processo de selecção dos bens até foi rápido, fez-se num instante e levou à apreensão de um televisor, uma pequena aparelhagem, um leitor de DVD e uma consola de jogos "playstation". Quatro aparelhitos, tudo o que havia. Todos considerados em "razoável estado de conservação", reza o auto da diligência. Mas houve um mas, uma pícula discrepância: é que o valor que foi atribuído a cada um dos objectos, uns modestos 100 euros cada, não chegou para cobrir o valor total da multa, aliás não chegou nem para tapar metade, sequer, para dizer a verdade. Ficaram a faltar 504,48 euros, para já, fora as alcavalas a juntar. Mas então pergunto eu: porquê só penhorar aquelas quatro coisitas? Com uma penhora pelas portas adentro, como diacho se salvou a mobília do Zé, o frigorífico, a mesa, os tachos e o fogão, o sofá da sala, sei lá? Sim, como, porquê?

Simples. Elementar, meu caro Watson. É que o Zé encontra-se neste momento a desfrutar da hospedagem do Estado português, a convite, com direito a cama, mesa e pijama lavado nas instalações da Cadeia de Custóias, em Matosinhos. Isso mesmo, está de cana o nosso Zé. É preso preventivo, no mesmo exacto local onde o executor da penhora foi buscar a TV, a aparelhagem, o DVD e a Playstation, perante o olhar embasbacado do sub-chefe do estabelecimento prisional de Custóias, que teve que autorizar a introdução do funcionário judicial na cela do detido. De resto, foi buscá-los mas não os trouxe, já que os objectos, apesar de penhorados, não chegaram a ser retirados ao executado, que continua, pelo menos para já, a poder utilizá-los. O Zé ficou assim como "fiel depositário" dos aparelhos, já que a lei lhe permite pagar a multa, o que levantaria a penhora. O que não pode é retirar as coisas do local onde estão, nem proceder à sua venda, recomenda o tribunal. O que também se compreende. Afinal, o nosso Zé é um dos presos preventivos no âmbito do processo relativo ao chamado "gang das carrinhas", um grupo de treze indivíduos acusados de se dedicarem a assaltos à mão armada a carrinhas de transporte de valores e ao roubo de automóveis de gama alta pelo método "carjacking". Gente boa, no fundo.

O caso está neste momento em julgamento na 3ª Vara do Tribunal de S. João Novo, no Porto, com a audição de várias testemunhas de acusação. E está longe de um desfecho, é cedo ainda para saber se o Zé vai manter a sua actual condição de pensão completa como castigo pelo seu curriculo de violência e roubo. Porque lá ver que o crime não compensa, isso ele já viu, decerto, agora que esteve a braços com esta dura ameaça de penhora na cela por delito aquático. Uma maroteira que lhe pode vir a custar o seu televisor, o rádio, o DVD, que diabo, a sua Playstation, horror supremo! Ponham-se por isso os olhos no Zé, que nem estando preso escapou ao longo braço da Lei. Aliás, nem foi preciso o braço, aqui; bastou uma mãozinha, mesmo encolhida, mas que procurou no sítio certo. Nos bolsos de dentro, quem diria.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De pseudónimo a 8 de Abril de 2008 às 20:29
Não há direito que tenham feito tal coisa a esse benfeitor da humanidade.


De Anónimo a 8 de Abril de 2008 às 10:44
Porra!


De bruna a 5 de Julho de 2008 às 17:45
É uma vergonha tal situação, quem diria que na própria cadeia se poderia fazer tais penhoras......E quanto a " gente boa no fundo " e à hironia do comentario, só tenho a dizer que ainda nimguém está condenado deixem as hironias para as anedotas que são o lugar delas e tratem de assuntos sérios com a devida seriadade. OBRIGADO!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas