Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007
Investigação exclusiva
Segunda-feira, 19 Nov, 2007
«José desce a rampa da escola tagarelando com os outros colegas. A jornalista do SOL apenas lhe merece uns segundos de desconfiança. No café em frente, regala-se com uma tosta mista que acompanha com Coca-Cola.»
«Piores recordações guarda Manuel, 16 anos, colega de José. Sai do Instituto Jacob em direcção ao Lar Cruz Filipe. O terror domina-o: «É jornalista ou polícia?». Acalma-se aos poucos. No café, atira-se a chocolates: são parecidos aos que lhe oferecia o mestre António no ateliê. »
Anda Milu. Traz tostas mistas e coca-cola e vamos entrevistar vítimas da Casa Pia. E chocolates, também, para nos darem um bilhete escrito à mão.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 21 de Novembro de 2007 às 11:32
j,
Não, não é bem disso que estamos a falar. Farás a justiça de imaginar que ao longo de 27 anos de reportagens (a maior parte nas áreas de justiça e sociedade) eu tenho uma vaga ideia do que se faz e diz (dentro e fora das regras) para apertar o botão certo para a gente trazer a história. A questão não é de todo essa. Estamos a falar de um caso polémico, 'o' caso do momento, de uma reportagem anunciada durante uma semana que traria revelações explosivas, o novo caso casa pia, mais vítimas, mais abusadores, nova direcção da CP desacreditada, o diabo a sete. E tu vens dizer-me que ao leres aquelas páginas te sentes seguro da qualidade do olho clínico de uma e da verdade, inocência e convicção de outros? Sem arrogância nem maldade, aceita um desabafo que já fiz mais acima nesta coluna de comentários: não acho de todo correcto nesta circunstância usar chocolates para entrevistar garotos que deram o cú por chocolates. Lamento porventura desiludir-te, mas acho um mau trabalho e um mau serviço à classe. Houvesse factos para relatar e os caracteres não chegariam para a descrição das tostas e das coca-colas.
Um grande abraço

rvn


De jpmeneses a 21 de Novembro de 2007 às 11:14
Viva Rui, se bem percebo o teu ponto, contestas o 'acto deontológico' da jornalista do Sol que pagou o 'lanche' a alguns dos seus entrevistados (alunos da Casa Pia). Poderá não ser muito ortodoxo, mas não vejo - lamento porventura desiludir-te - que uma coca cola ou dois chocolates possam influenciar (e é disso que estaremos a falar) o teor das declarações dos entrevistados.


De Rui Vasco Neto a 20 de Novembro de 2007 às 19:19
silvio,
pois pois pois pois

sam,
sim, pois


De samuel a 19 de Novembro de 2007 às 23:50
Eu na minha inocência, pensava que os jornais para ficarem neste estado, tinham primeiro que ser cortados em rectângulos pequenos e estagiar uns tempos em retretes de oficinas de automóveis e outros locais do género...


De silvio mendonça a 19 de Novembro de 2007 às 21:19
Uma vergonha, este tipo de jornalismo, perdão, de xurnalismo.


De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 20:59
teresa, teresa, teresa,
aí vamos nós à desfilada dos argumentos de galho patra galho até à confusão final. as novas abordagens deste seu último remoque davam pano para mangas e deixavam o assunto de onde viemos mal explicado e por resolver no entendimento.
portanto vejamos: a minha questão aqui é esta e só esta. e vai-me perdoar a linguagem, não creio decente ou limpo usar chocolates e tostas mistas para fazer falar entrevistados que dão o cú por chocolates e tostas mistas. ordinário? também acho, é o retrato do trabalho jornalístico que li, tão bêbado do seu próprio sucesso que se conta a si próprio a toda a gente como arte.


De teresa a 19 de Novembro de 2007 às 20:36
estás enganado (com tanto diálogo já podemos tutear). deixa lá as enrabadelas, que chocar a populaça só serve para desviar as atenções. o que tem de ser denunciado, e rapidamente alterado, é o sentido de responsabilidade do estado. o tal estado que me obriga a pôr as crianças na escola e depois me pede para justificar as faltas que elas dão quando estão dentro da própria escola.... supostamente vigiadas pelo estado, portanto.
Os meninos da Casa Pia foram maltratados quando estavam à guarda do estado? processe-se o estado e sente-se já, antes de qualquer outro, no banco dos réus.Digam o que disserem, mostrem as pilas que mostrarem, a primeira e mais grave falha foi a de quem devia ter cuidado e não o fez (lembras-te dos pais da tal Maddie?).Tudo o resto é o velho jogo do passa ao outro e não ao mesmo.


De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 20:01
t,
e enrabadelas, minha amiga, que ninguém diz que não as houve e que não devem (têm que) ser desmascaradas. só que com tanto jornal para vender, tanta tv para vender, tanta rádio para vender, tanto lobo, tanto lobo, tanto lobo, qualquer dia Pedro está mesmo a dizer a verdade e a gente já não tem pachorra para mais dramas. nem que sejam reais.


De teresa a 19 de Novembro de 2007 às 19:57
Na mouche. "vamos entrevistar vitimas da casa pia"... parece a história da pescada, que antes do ser já o era....
São duas paginas do sol, duas, cheias de factos sumarentos. O estranho é que lidas de fio a pavio dei por mim a voltar atrás e a cortar as descrições das próprias entrevistas, do tempo e do lugar das ditas, de tudo o que foi comido e bebido, da cor do cabelo dos meninos e dos amigos e dos amigos dos amigos, dos degraus das escadas e das estatuetas nas salas, dos quartos de primeiro andar e todas as opiniões da jornalista (ups, eu disse opiniões da jornalista?) e fiquei quase só com um relato minucioso de como e onde se metiam as várias pilinhas e as alusões a uns senhores que ora metiam ora deixavam meter e eram uns senhores muito desavergonhados e que ou me seguram ou digo quem são...

E assim se alimenta a curiosidade de buraco de fechadura de muitos e se espicaça o medo de escândalo de alguns. Às tais vitimas já se lhes deu o que precisavam - coca cola, tostas mistas e uns chocolates, que já não está tempo para gelados.
Pão e circo. Nada mais que pão e circo.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas