Domingo, 25 de Novembro de 2007
A loja da voz grossa
Domingo, 25 Nov, 2007
De repente foi o que foi. O português ficou destemido, inchou-lhe o peito e subiu-lhe o brio. E soltou-se-lhe a língua. Não me agarrem que é pior, segurem-me que eu vou-me a eles. Eu digo o que me apetecer e não tenho medo de ninguém. O Papa deve dar uma volta. Há muita incompetência na polícia. O governo quer meter os juizes no bolso. E agora? Querem o quê? Quantos são, hã, quantos são?

Pinto Monteiro abriu a loja e aviou logo uma saraivada séria para a mesa do canto, a do governo. Visão, tenha uma. Arrasou a lei que reduz os magistrados a funcionários públicos, opinou sobre o caso Maddie, sobre a Operação Furacão e, na passada, teve tempo sobejo para a Casa Pia. Caiu que nem ginjas, que a Asae não estava. Ainda a coisa marinava na loja quando entra em cena o Inspector Geral da Administração Interna. E que cena, meu Deus, mal deu tempo para um Expresso.


Muita intolerância e incompetência, foi o que o juiz desembargador Clemente Lima disse ter encontrado nas polícias, em dois anos de funções. E tiros a mais na GNR. O homem começou a disparar e fez sensação na loja logo às primeiras citações. "A autoridade não se defende a tiro", disse; e eu sentei-me para ouvir o resto. Que há polícias que não sabem lidar com os cidadãos. Que é preciso muito cuidado com esses agentes infiltrados que têm a mania que são da PJ e viram demasiados filmes de cowboys. Que há muita incompetência, muito mostrar de pistola e muito abuso nas nossas polícias, tudo isto dito por quem tem por missão fiscalizar as ditas. Toda a gente na loja esteve de acordo num ponto, pelo menos: este homem deve saber do que fala. E a maioria esteve de acordo com os outros todos.


Com as emoções ao rubro na política e com o futebol meio parado como assunto, agora que o Scolari avisou que não admite críticas, a loja ficou quieta por uns instantes, que o tópico que faltava não se discute por aqui. Religião não é assunto. É regra antiga da loja portuguesa, para evitar chatices. Mas eis que, para espanto de todos e alegria de muitos, entra o bispo da tropa, D. Januário Torgal Ferreira. E entra a matar, passe o termo, passo pesado e voz clara na primeira antena da rádio nacional. "A Igreja em Portugal é totalmente conservadora. Por que é que não se fala do desemprego, da violência contra as mulheres, das purgas contra as crianças, da pouca vergonha instalada na Justiça? Não tenhamos medo de dizê-lo: vejo pouca gente da Igreja a defender os direitos humanos. Há, mas pouca. A Igreja tem de dar uma volta. Também ele, o Papa, em muitas coisas deve dar uma volta."

Não se ouviu um pio na loja. D. Januário falou e disse, isto e muito mais, um rol de coisas que Maomé até poderia dizer do toucinho ou tavez não. Ninguém abriu o bico, não fosse o diabo tecê-las, mas quando o senhor bispo se calou houve alguns que se lembraram de D. Manuel Martins, ex-Bispo de Setúbal e da justiça nacional.

A malta cá na loja anda feliz, depois destes dias de animação. Tasquita habitualmente discreta e apagada, qualquer assunto deste calibre dá conversa para um mês, pelo menos, antes que a freguesia se esqueça e passe à frente. Com o Natal à porta vem o tempo das compras e dos regalos para amigos e família, que o povo pode sofrer todo o ano mas não perdoa a consoada ao perú. Este final de Novembro, em que só o sol anda tímido, ficará na memória curta da grande loja nacional como um tempo de voz grossa que até foi giro, sei lá. Três boas prendas, digo eu. Agora siga a dança mas baixinho, como dantes. Como sempre.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De mifá a 26 de Novembro de 2007 às 16:52
Com o Pinto pia tudo fininho, ora!


De teresa a 26 de Novembro de 2007 às 00:49
desculpa, se mal pergunte, por acaso viste por aí a oposição? Parece que desapareceu há uns tempos, tantos que já ninguém precisa dela. Pelas últimas bocas lá na loja andavam por aí dois tipos bem apessoados a discutir riscas de gravatas e qual se senta onde e para dizer o quê, mas o Ti Xico garantiu que a esses já os conhece e que pela saudinha dos netos não eram a tal de oposição coisa nenhuma.
Não sei porque me terei lembrado disto agora, mas parece que não fazem falta nenhuma que ainda ontem o Pinto e o Clemente iam aqui a descer a rua e tão satisfeitos que até há quem jure que os ouviu cantar. Era uma musiqueta qualquer com uns versos esquisitos, qualquer coisa como "se outros calam cantemos nós"... e já havia mais uns quantos a baterem o pezinho e a fazer coro. Até o Sr. Bispo dos magalas se juntou à festa e parece que não falta muito para o arraial estar montado. Não sei se é os outros senhores conseguem escolher a tempo as riscas das gravatas a usar na ocasião.


De Rui Vasco Neto a 25 de Novembro de 2007 às 23:47
saci,
d.januário é da velha escola do arcebispo de graga, d.eurico dias nogueira, que dizia mais palavrões por semana que cópias vai vender o rio das flores.
quanto ao facto de já ter sido, num passado distante, uma menina de bem, estou pronto a perdoar e esquecer. hoje estou assim. foi d.januário que me inspirou.

zénónimo,
pois, se diz.


De Anónimo a 25 de Novembro de 2007 às 21:18
O Januário é um tonto.
A Igreja não tem coragem para o correr de vez e vai-lhe aguentando as insolências.
Mas qualquer dia a coisa rebenta, vão ver.


De Insaciável a 25 de Novembro de 2007 às 20:41
Disse também D. Januário que não compreende porque é que o clero teima em viver em palácios e não os tranforma em orfanatos, bibliotecas, hospitais, enfim algo de útil.

Há uns 17 anos atrás, fui crismada por D. Januário (sim, que eu já fui uma menina de bem). E no final da cerimónia, D. Januário consegue gelar os familiares e convidados dos crismados porque teve a ousadia de pedir uma salva de palmas em plena Basiica de Mafra. Uma salva de palmas! Apesar do burburinho que isso causou, eu já na altura tive o discernimento de ver que este senhor era muito à frente do seu tempo.

E continua....


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas