Terça-feira, 20 de Novembro de 2007
Chapadas pelo amor de Deus
Terça-feira, 20 Nov, 2007
Deus fez os meninos e as meninas, os passarinhos e as flores, os rios e as montanhas, o mar e o céu. Em apenas sete dias deu provas de dispor de um ministério de obras públicas tão eficiente que andamos todos há milhões de anos a colher os benefícios de uma única semana de trabalho. Jesus Cristo ensinou o amor e a caridade até à exaustão na cruz, e contou com os apóstolos para passar as lições a limpo e contar a toda a gente para que o mundo fosse um nadita melhor daí para a frente. Agora, dois mil anos passados e com a profissão de apóstolo em queda no mercado de trabalho, o mundo continua a aprender mas pouco, escutando a Palavra da boca de gente que é voluntária como os bombeiros mas nem por isso caridosa como Cristo. Resultado? O fogo do inferno chamusca o céu, de quando em vez. E a terra treme de indignação.

Na noite de 1 para 2 de Julho de 2005, durante um acampamento de catequese em Castro Daire, um rapaz de 13 anos foi apanhado pelo seu catequista a infringir as regras previamente determinadas. Espreitara uma tenda de raparigas, o malandrote, coisa que era absolutamente proibida. O castigo foi imediato e de peso. Recebeu duas valentes chapadas do catequista, um engenheiro civil de Vila Nova de Gaia. À primeira ficou zonzo, tonto e abalado, à segunda caiu no chão e lá ficou. O resultado visível foi a abertura de um lábio e a cara inchada durante quinze dias.

Vá lá saber-se porquê, os pais do rapaz entenderam apresentar queixa contra este apóstolo da caridade cristã. Mas a procuradora do Ministério Público (MP) que ficou encarregada do inquérito afirmou que não tinha sido cometido qualquer crime de agressão. Argumentava o MP que as estaladas haviam sido dadas no exercício de um direito, que se integravam no “poder-dever de correcção” conferido a quem ministra a catequese, o que era causa de exclusão da ilicitude no sábio entendimento desta procuradora. E assim ordenou o arquivamento da queixa e mandou toda a gente em paz e que o Senhor vos acompanhe.

Os pais do malandrote recorreram então para o Tribunal da Relação do Porto, que este mês, num acórdão extenso onde até se questiona a legitimidade de um castigo corporal dado pelos próprios pais, teve uma posição completamente diferente da do MP. Tal como, aliás, já tivera o juiz de primeira instância, que decidira pronunciar o arguido contra o desejo da procuradora. “Considero não existir qualquer direito de castigo corporal por parte dos catequistas que possa ser invocado, no caso em apreço, como causa de justificação da conduta do arguido, que resulta como suficientemente indiciada”, disse mesmo o juiz de instrução num despacho onde acusava o catequista do crime de ofensas corporais simples.

O acórdão dos juizes Cravo Roxo, Dias Cabral e Isabel Pais Martins, passa não leve pelo cerne filosófico da questão. «É desde logo paradoxal que um catequista venha alegar que pode aplicar castigos corporais a alguém pretensamente sob a sua guarda, quando a própria moral e doutrina cristã proíbe qualquer forma de violência.». E segue desempoeirado para a essência legal da mesma. «Por outro lado, esquece o arguido os princípios e as leis constitucionais e internacionais de defesa dos direitos das crianças, que não devem, em situação alguma, ser sujeitas a violência física ou psicológica – princípios e determinações essas que estão bem patentes e referidos no despacho sob censura: Art. 69º da Constituição e Art. 19º da Convenção sobre os Direitos da Criança.Em conclusão, a acção do arguido é ilícita.» Ponto final.

Curiosamente, não seria de esperar grande coisa de uma decisão judicial superior para um recurso deste tipo de situação. Porquê? Porque ainda está quente o acórdão do Supremo Tribunal de Justiça de Março de 2006, que provocou grande polémica a propósito de um caso de agressão a crianças deficientes num lar da Segurança Social. Os nossos juízes conselheiros legitimaram a violência, considerando que se enquadrava no direito/dever de correcção: “Qual é o bom pai de família que, por uma ou duas vezes, não dá palmadas no rabo de um filho que se recusa a ir para a escola, que não dá uma bofetada (...) ou que não manda um filho de castigo para o quarto quando ele não quer comer?”, alegaram os doutos magistrados, numa decisão duramente criticada pelas instâncias internacionais que protegem os direitos das crianças. A educadora acabou por ser absolvida, apesar de ter fechado num quarto escuro uma criança que sofria de psicose infantil.

Neste caso houve um entendimento diferente da Justiça e ainda bem, que a catequese já tem inferno que chegue nas lições dos catequistas. Dispensará a violência física, estou certo, este estranho apostolado de engenheiros dedicados ao amor cristão mas com tolerância taliban. Quanto à santa madre, já há despacho pronunciado pela voz do vigário-geral da diocese de Lamego, cónego Joaquim Rebelo. «A Igreja condena todo o tipo de violência, tendo como princípio pregar o amor», afirmou o sacerdote, que até “condena” a atitude do catequista, salvaguardando no entanto que «às vezes é difícil manter a serenidade».

Deus fez os meninos e as meninas, os passarinhos e as flores, os rios e as montanhas, o mar e o céu. Saiu tudo lindo, divino mesmo. A Igreja fez os catequistas e alguns saíram com defeito, o que é apenas humano, paciência. Mas eu pergunto a mim mesmo se o ex-cardeal Ratzinger não teria este tipo de polícia da virtude em mente quando, agora papista, puxou as orelhas aos nossos bispos e se queixou da falta de empenho dos doutrinadores nacionais.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Olivia a 22 de Novembro de 2007 às 02:27
Rui : Além da consideração e da GRANDE AMIZADE pelo autor do blog, a educação que trago "do berço" é que dita as minhas atitudes em determinadas situações. Certo ? Beijo


De Formiga a 22 de Novembro de 2007 às 02:15
Olívia....

Vá...siga em paz e não se esqueça que "quem semeia ventos colhe tempestades"!

rui vasco neto,
Foi exactamente para lhe dar esta trabalhêra que tanto gosta....que uma formiga surgiu!!! :))))


De Formiga a 22 de Novembro de 2007 às 02:04
Daniel de Sá,


Que é isso de "ofensa"??!!! Que coisa tão grande para tão pouco.

"Respeitar" aqui, significa ,tão simplesmente, não puxar pela língua em assunto "particularmente sensível".

Um sorriso, tá?


De Rui Vasco Neto a 22 de Novembro de 2007 às 02:02
olivia,
nem a patroa nem a criada que eu conheci à Silva reagiriam assim.


De Rui Vasco Neto a 22 de Novembro de 2007 às 01:52
daniel,
quanto ao rui almeida não sei.
quanto ao hino, sei a letra de cor e fiz um arranjo para guitarra portuguesa e viola que estreei na série "À luz da lei", RTP-1,1994, que era um mimo, passe a vaidade...

teresa e formiga,
chiuf chiuf, que bonito vê-las nos braços uma da outra...

quem avisa,
vá lá, não meta veneno.

onça's friend (diria o Faulkner, ó daniel),
sabe como é, a malta...

gaija,
calma na vara.

daniel,
sempre atencioso...


amigos, porra:
que trabalhêra!


De Olivia a 22 de Novembro de 2007 às 01:48
Formiga
Que agressividade, que arrogância a sua. Que ódio, que rancor você deixou transparecer no que escreveu ! Vou-me embora, cabisbaixa, com o peso de tanta maldade. Realmente há marcas que ficam para a vida inteira. E os outros ou forçosamente as aceitam ou levam com os estilhaços. É uma nova forma de educação que eu desconhecia. Se um dia tiver netos, não se esqueça de aconselhar a sua filha a não os pôr no tal colégio.
Seja feliz, se conseguir.


De Formiga a 22 de Novembro de 2007 às 01:38
Teresa,

Faça-o como e quando lhe apetecer!
"Desancar de uma forma airosa" será algo que, estou certa, a Teresa não terá dificuldades em conseguir.

É necessário "desancar" para que os diálogos não virem monólogos e é exactamente, neste "bailado" que se percebe quem o faz de salto alto ou de chinelo no pé!


De Daniel de Sá a 22 de Novembro de 2007 às 01:32
Formiga, eu não respeitei?
Pelo menos não foi essa a intenção. Não sou santo, mas não costumo ofender conscientemente.


De a gaija a 22 de Novembro de 2007 às 01:26
amigo da onça,

gaijedo meu querido, gaijedo... e, se é amigo da onça, ela já o deve ter avisado para não a cutucar com vara curta.


De amigo da onça a 22 de Novembro de 2007 às 01:12
rui,
este seu blog é um ninho de gajedo eheheheh
parabens e continue, amigo.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas