Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008
Yes, we can. No, we can't.
Quarta-feira, 06 Fev, 2008
O discurso de Barack Obama tem um refrão. Yes we can. Obama pergunta se a América pode mudar e a assistência responde Yes we can. Obama quer saber se a América pode tudo e a sua plateia grita Yes we can. A melodia de Obama é 'Yes we can', cantada e musicada sobre as suas próprias palavras, de forma magistral, reconheça-se. Yes we can, diz a América de Barack, Yes we can. E eu percebo porquê.

Se JFK era louro de esperança, Obama é o preto no branco. Mas os dois são postos a par na análise mundial destas eleições americanas, por mais do que parecenças físicas ou até programáticas, embora sejam rios que entroncam da mesma nascente. Um lembra o outro pela aragem, não pela imagem. É no projecto esperança da mensagem de Obama que o mundo inteiro se revê e vê o Jonh forever young. É no afrontar (suave) de Barack ao situacionismo do compadrio político em Washington, que a América e o mundo querem ver um JFK. Hoje não há Vietname, mas há Iraque. Não há Nixon, mas há Bush. E, pior talvez, não há guerra fria mas há terrorismo internacional.

A informação global trouxe a Sala Oval para a nossa cozinha, lá se discute a economia mundial, lá se cortam as cenouras e as taxas de juro. No forno de lenha mais remoto deste país real, qualquer Zé ou Maria sabem que a América manda no petróleo lá fora e no preço das couves cá dentro, de uma forma ou de outra, mais coisa menos coisa. E nas guerras do mundo, também, que os netos já não vão morrer a Angola mas tombam no Afeganistão como os outros. E onde raio fica o Afeganistão, porra, não me dizem? É para lá de Borralheira de Orjais? Portugal e o mundo devem querer saber o que vai acontecer na América, porque povos como nós são a carne para o canhão da voz grossa de quem ganhar estas eleições. Somos dano colateral, caca de passarinho na lapela das negociações, por mais que Durão Barroso pareça ser da mesma altura que os outros três na fotografia de grupo. Somos úteis, porque inconsequentes.

Barack Obama parece ser mais alto nas ideias, mais desempoeirado na vontade, mais humanista na ambição. Parece culto, determinado, capaz. Parece até democrata, seja lá isso o que for. Parece. Apenas parece. Pode-se acreditar num homem assim? Yes we can. E acreditar nas suas ideias, pode-se? Yes we can. E sonhar com ele uma América diferente, um mundo diferente, de diálogo e soluções em vez de bombas e problemas, podemos? Yes we can. E podemos duvidar que isto tudo vai acontecer com ele na cadeira do poder mundial, se lá chegar? Yes we can. E podemos suspeitar que não há show business sem business e que o dinheiro ganha todas as eleições, independentemente do manequim humano que veste a farda da vitória? Infelizmente yes. Yes, we can. E por isso devemos cortar as pernas ao pensamento e baixar os braços que marcam presença na opinião, só para não correr riscos de novidade? Podemos dar-nos ao luxo de não acreditar na mudança para um mundo melhor, mesmo que ela se venha a revelar apenas um nadita melhor ou menos má? Não, não podemos. Um mundo em que Durão Barroso é nomeado para Nobel da Paz é um mundo perigoso nos valores políticos que persegue. Mais um Rambo não, por favor.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 8 de Fevereiro de 2008 às 19:11
amigos dois em um,
exageram o meu mau feitio (enfim, talvez um nadita). Mas são meus amigos e dois em um: a dinheirama que eu poupo em inimigos, tendo vocês, justifica tudo...
Deus vos pague que eu estou teso.


De Daniel de Sá a 7 de Fevereiro de 2008 às 18:43
Muito bem, Mifá! Apoiado! E não é o meu lado de diabo (como diria o Alfredo) que fala, mas o de anjo.
Um abraço.
Daniel


De mifá a 7 de Fevereiro de 2008 às 18:05
Daniel,
a generosidade ou a amizade ou ambas cegam-no.
O Rui, humilde?!
Não é nada! E tem mau perder.
Eu é que o bajulei antes que lhe dê a veneta e ele nos mande bugiar.


De Daniel de Sá a 7 de Fevereiro de 2008 às 17:01
Faço uma declaração de voto, para que não seja outra vez acusado de ter a mania de corrigir. Esta mensagemm minha que aí aparece foi enviada em correio particular para o Rui, ele é que, humildemente, resolveu transformá-la em mensagem para o blog.
Merece um aplauso, por isso. E eu não lho poupo.
Daniel


De mifá a 7 de Fevereiro de 2008 às 14:56
Jesú, que é ora isso!
Eu julgo que é enguiço
esse tal entroncamento
de nascente ou nascimento
de rio ou mar, tanto faz.
Deixai ficar o rapaz
na sua, se lhe apraz.
E, se eu o leio e tu lês,
deixai-o, de vez em vez,
escrever como lhe pês.
Que é de mui ruim feição
bater assim sem razão
em quem nos dá de comer.
E se ele, muit`eramá,
se lembra de amuar
e de não voltar mais cá?!


De Insaciável a 7 de Fevereiro de 2008 às 14:09
É o que dá ser-se bom. O público torna-se mais exigente. E o que esperavas de um blog que tem corrector ortográfico e uma espécie de conselho cientifico permanente? À mínima distracção cai-te tudo em cima.


De Rui Vasco Neto a 7 de Fevereiro de 2008 às 12:51
ok, já tá.


De Rui Vasco Neto a 7 de Fevereiro de 2008 às 12:51
.................................


De Rui Vasco Neto a 7 de Fevereiro de 2008 às 12:50
Buufffff, grrrr, humpf.


De Rui Vasco Neto a 7 de Fevereiro de 2008 às 12:49
Caiiiim caiiiim (pensavam que já me tinha passado?)


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas