Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007
Daniel de Sá
Quinta-feira, 27 Dez, 2007
A primeira vez que olhei para o Daniel foi quando fomos apresentados por um amigo comum, ao tempo vizinho dos dois, na Lombinha da Maia, S.Miguel, Açores. Fiquei a saber que tinha óculos pretos e cabelos brancos, que era educado, escritor, poeta e boa gente. Mas a primeira vez que o vi foi tempos depois, horas quase mortas, no dia da maior procissão da freguesia, que passa sobre tapetes de flores colocadas no chão em desenhos de amor feitos pelas mãos de todos. Eu e ele lá andámos dobrados a desenhar flores mil, rabo apontado ao céu da Maia e coração mais leve que alguma vez me lembro ter tido, falando por mim. No fim da festa e antes da noite cada morador limpou o espaço de rua fronteiro à sua casa, como de costume, ano após ano. À hora que o vi, toda a gente se tinha já recolhido do frio e do chuvisco forte que caía. Eu corria para casa. Ele não. Com a mesma calma das suas manhãs de conversa no mirante da praia do porto, Daniel era o único que arrastava os grandes sacos pretos cheios das flores pisadas de cada vizinho para um monte comum. Sempre ficava a rua mais arrumada. Ele e uma senhora de preto, cada um curvado ao seu. Disse-me adeus como quem pede desculpa e eu acenei-lhe na volta um sorriso. Mas sem que ele soubesse, dizia-lhe olá cá dentro até hoje. Que querem? Eu sou como sou e ele, como é, todos os dias me confirma o acerto do palpite. É o que vos posso dizer do meu amigo Daniel.

Do escritor Daniel de Sá não me atrevo a falar. Falta-me a competência para tanto e sou escasso em conhecimento de tão vasto universo. O que sei e conheço deslumbra-me, mas são gostos. O que dele dizem e escrevem é o melhor, mas são palavras. O que ele quer que se saiba que é está aqui, dito pelo próprio, mais a lista de obras publicadas (por actualizar, sempre). Daniel de Sá é ainda colaborador residente do Aspirina B, onde já disfruta da melhor companhia que algum dia encontrará na blogosfera. Mas, inesgotável e generoso, entendeu que fosse Natal cá na casa e publica hoje a convite aquela que espero seja a primeira gota de um mar de palavras futuras. E isto é o que ele é.

Eu cá estou que nem posso, como imaginam. Mas entendi que não se estraga uma coisa destas com lamechices. Por isso me calo já.


Em baixo: "O Protesto do Burrinho".
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 28 de Dezembro de 2007 às 21:30
Está bem, e agora que é que eu faço, Rui? Se digno "não sou digno", desconsidero quem por aqui deixou tanta simpatia; se dou a impressão de que penso merecer tudo isso, parecerei vaidoso.
Fique apenas a afirmação de que estou muito agradecido a vocês todos.


De ernesta a 28 de Dezembro de 2007 às 17:50
As placas tremeram, os mares abriram-se, a ilha deixou de ser ilha e apareceu um arquipélago novo. Saiu direitinho de um dos grandes sacos pretos cheios de sete vidas pisadas.
Podem ter sido burrinhos que se partiram,vizinhos que se reencontraram,escritas que se enamoraram, mas parece-me que um coração de gato tornou a ficar mais leve com este desenho de amor feito conto por mágicas mãos da Maia.


De Rui Vasco Neto a 28 de Dezembro de 2007 às 17:10
apaixonónimo,
assino em baixo. de cada palavra (embora não tenha lido 'o pastor das casas mortas', falha que tenciono corrigir em breve).


De Rui Vasco Neto a 28 de Dezembro de 2007 às 13:58
carlos,
O casamento está fora de questão, por enquanto. Não que não lhe aprecie a escrita, mas sei pouco sobre o seu dormir. E depois? E se ele ressona? Ná! Amancebados sempre, casamento não me parece.

saci,
Humanos somos todos. Um beijo pela chapelada.

maria,
A sua queixa não tem razão de ser. Por vezes não deixo comentário, é certo, mas vou lá mais do que pensa..

daniel,
Não vejo razão para tanto, de facto. Só podem ser por favor, os elogios. Ou por estares a entrar na idade dos mimos, quem sabe..

benâncio,
Vens sempre a tempo. Sempre. Hoje não é excepção. Que seria do nosso mundo sem os que são capazes de criar mundos? Sem gente como o Daniel ou como tu? Uma chatice, provavelmente.

sam,
Pois. É jingóbéu a 100%.
Há anos que o Natal não me trazia uma surpresa, acreditas?


De Anónimo a 28 de Dezembro de 2007 às 11:37
Apaixonei-me, irremediavelmente, pelo escritor Daniel de Sá depois de ler "O Pastor das Casas Mortas." Comoveu-me o que li; identifiquei, em Manuel Cordovão, o homem íntegro, sensível e de grande consciência moral e cívica que é Daniel de Sá.
Daniel é um homem que fala, como ninguém, dos afectos, numa escrita límpida, fresca e simples. os seus livros aquecem-nos o coração e enchem-nos a alma.


De samuel a 28 de Dezembro de 2007 às 11:14
Agora é a altura de tirar o chapéu ao texto do Rui e dar as boas vindas ao Daniel de Sá, a sério, sem as "palhaçadas" do comentário ao post sobre a Benazir.
Bem-vindo, Daniel!
O prazer de ler este blog, agora a dobrar, é uma bela prenda...


De Venâncio a 28 de Dezembro de 2007 às 10:52
Se eu ainda for a tempo de entrar na conta dos humanos, e dos velhos amigos, ainda que desconhecidos (nunca vi, nunca olhei, nunca vislumbrei sequer o Daniel), bom, se ainda for a tempo, aqui fica o meu pasmo, não pela escrita do Daniel, mas pela humana perícia em criar mundos.

Abraço a ambos.


De Daniel de Sá a 28 de Dezembro de 2007 às 01:13
Rui, estás a ver no que me pões? Nem sequer faço ideia de quem seja esta gente tão simpática, e já estou devedor a mais três belíssimos seres humanso (sem dúvida que o são) por me mimarem como se fossem velhos amigos.
À minha maneira, pois, direi apenas: Deus vos pague.


De maria a 28 de Dezembro de 2007 às 00:42
Fiquei curiosa em conhecer o Daniel escritor!!! e também gostava de ter amigos que dissessem coisas bonitas destas assim de mim......Gosto cada vez mais de visitar o Setevidas só tenho pena que não vá mais vezes à minha "casa".....

beijos


De Insaciável a 28 de Dezembro de 2007 às 00:03
O que é que uma simples humana pode dizer?
Tira o chapéu e sai de fininho...

Beijos


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas