Sexta-feira, 1 de Fevereiro de 2008
Maria, simplesmente Maria.
Sexta-feira, 01 Fev, 2008
Quis o destino que o nosso zé primeiro fosse um Aníbal e só o nosso zé segundo um José. Mas, cauteloso com os equilíbrios, Deus brindou-nos com uma Maria a sério, cepa genuína da vetusta dona encrenca nacional, tão cantada na nossa literatura e tão presente no nosso imaginário que não tem erro reconhecê-la ali. Na autoridade, na afirmação, na oportunidade, no nariz. A nossa Primeira Maria é a mais maria de todas as marias que já foram nossas Primeiras. E a presidência da República mudou muito, desde o circo das tartarugas nas Seichelles. Vestiu uma batinha mais assim, sei lá, um meio andar de lado, um trejeito exterior para cada emoção interior. E uma frontalidade de aldeia, polida de fino por cima do afianço, mas pronta a saltar em incontáveis e insuspeitos botões.

É mais minha senhora, agora, no estender da roupa íntima presidencial. Mas nem por isso menos doutora. O Palácio de Belém é hoje sede de uma join venture de parceiros especializados com práticas complementares, não mais o palco para um solo de carisma. Se o nosso Zé fala, a nossa Maria sublinha, para bem ou para mal, seja contra ou a favor. Humaniza o chefe, chefia o humano. Ao vivo e a cores, sem meias tintas. Até a crónica de imprensa teve de ajustar o tom do cor-de-rosa habitual com uns pozinhos de alfarroba e sapiência doméstica, para a foto dizer com o texto. Sem por isso ter que calçar chinela e vestir avental ou escrever em letras grandes, que a nossa Maria não é ignorante nem é parva. E nem por isso é menos senhora que as outras Marias, apenas diferente. Apenas ela.

Tem um estilo próprio, chamemos-lhe assim. Uma pose mista de ar de enfado e dores nos calos que tuteia o ministro das Finanças com a autoridade de quem dorme com quem sabe mesmo da poda e não se discute. É uma montra luminosa do sentir presidencial e a imagem de um serão aconchegado com conversa de Estado e bróculos na mesa da cozinha. Maria Barroso ficaria impávida, José Ritta sorriria o de sempre, Manuela Eanes baixaria o olhar. Apostaria ser isto o que faria cada uma das três Marias se o seu marido dissesse uma piadinha pública sobre a polémica ASAE. A nossa Maria foi um espectáculo à parte, uma rábula de Marcel Marceau. É sempre, de resto. Marca o passo do Presidente nas alcatifas do mundo. Sendo que ele já mostrou saber de que lado tem o pão a teiguinha, e arrisca mais na taxa de juro que na contrária da sua maria. E quem lhe pode levar a mal, meu Deus?

A nossa Maria não é boa nem é má, é ela e pronto. Eu cá respeito e aceito quem ela é, tal como é e sendo quem é, a Maria certa do e para o seu zé, cuja popularidade cresce em todas as sondagens. E é sem sombra de dúvida, para o bem e para o mal, para o pior e para o melhor, a Maria mais maria de todas as marias que já foram nossas Primeiras Marias nesta república de abril. Isso é bom ou é mau?


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 5 de Fevereiro de 2008 às 22:44
sam,
pois, ou à testa, tipo 'não liguem, é maluco...'

mariiiiia,
gadinho, viu?

mifas,
bom saber, amiga. fica assim, então, se tu dizes.


De mifá a 2 de Fevereiro de 2008 às 13:31
Com esses trajos de cocotte a maria ainda pode "dar o cavaco"!...

Vasquinho,
gosto da nova pintura. É menos agressiva para vista.
jocas.


De Anónimo a 2 de Fevereiro de 2008 às 11:41
é mau!
mas o texto é brilhante :)))))!!!!
abreijos...
(outra) Maria.


De Anónimo a 2 de Fevereiro de 2008 às 11:38
Brilhante :))))))!!!!!!!
abreijos...
(outra) Maria.


De samuel a 1 de Fevereiro de 2008 às 23:57
É bau!
O presidente Aníbal andou com sorte na piada sobre a ASAE. Primeiro, porque teve graça, o que é once in a lifetime. Segundo, porque sua Maria em vez de insinuar que "lá está ele com as suas maluquices, não liguem", podia bem ter apontado o pelegar à boca, sinal internacional para "está outra vez com os copos", pois aí alguém podia ter acreditado...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas