Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007
Up Yours, Mr. Parsons
Quarta-feira, 31 Out, 2007
O embaixador português no Reino Unido, António Santana Carlos, entendeu sábado passado dar uma entrevista ao Times, onde se alongou em considerações pessoais sobre o caso Maddie McCann. Na linha das habituais tolices de uma longa lista de tolos especialistas sobre este assunto, o (pouco) diplomata português referiu a certa altura que em Portugal «as famílias vivem todas juntas», razão pela qual, sugere, alguns portugueses terão criticado os McCann por terem deixado os seus filhos sozinhos a dormir num apartamento enquanto jantavam num restaurante próximo.



Foi como deitar álcool ao fogo. E o suficiente para o «Daily Mirror» de segunda-feira sair com uma crónica, do jornalista Tony Parsons, com o sugestivo título "Oh, up yours, señor". Nela o senhor Parsons estica-se em comentários e observações de fino recorte, das quais retiro a essência. «Eles erraram, embaixador. As vidas deles foram destruídas. Isso é um castigo suficiente, sem os seus comentários estúpidos e desnecessários», escreve o articulista do Mirror, que ainda aconselha que no futuro Santana Carlos «mantenha fechada a boca estúpida e trituradora de sardinhas».


Aqui entre nós, eu cá acho que o Ministério dos Negócios Estrangeiros deve ponderar seriamente a hipótese de oferecer ao embaixador Santana Carlos uma interessante progressão na carreira. E quem sabe espetar com o homem nas manhãs da televisão, ali ao lado de reconhecidos ícones da parvoíce lusitana como José Castelo Branco ou Cláudio Ramos, enfim. E aí sim, deixar o homem comentar o que lhe apetecesse. Em português e para Portugal, que assim os ingleses percebiam tanto como os chineses e a vergonha ficava aqui por casa, só para a gente. Isto é uma coisa. Um lado da questão.

Agora lá porque o pobre Carlos é incontinente verbal, coitado, isso a meu ver não é razão para deixar um merdas qualquer, inglês ou marroquino, desancar o meu Embaixador e ofender Portugal. Cada país terá os embaixadores que merece, é certo, tal como cada monarquia tem o tampax que merece na senda do trono. Só por piada os ingleses podem pretender julgar seja quem for. E nestas coisas eu cá sou mais eu, confesso, e salta-me o chinelo. Mesmo nascido lá nas ilhas sobe-me aquela varinice do bairro mais alto dos meus fados e grito daqui ao tal tónì: Up yours nada, meu amigo. É 'na peida' mesmo. E vem cá pedir sardinhas ao Algarve que a gente ensina-te outras mais giras.


RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Anónimo a 4 de Novembro de 2007 às 22:41
Carrascos ruivos do Tamisa (Fialho de Almeida dixit)


De Anónimo a 4 de Novembro de 2007 às 22:38
Mr. Parsons.....go away to frie asparagous.......!


De Rui Vasco Neto a 2 de Novembro de 2007 às 18:48
daniel,
cuidado, amigo. há quatro dedos no texto.. senta-te, fica à vontade.


De Daniel de Sá a 1 de Novembro de 2007 às 21:34
Meus caros, não esqueçam que os ingleses sempre estiveram connosco nas horas mais difíceis. Para as tornar mais difíceis ainda.


De Rui Vasco Neto a 1 de Novembro de 2007 às 13:38
anonimo:
espero que tenha duas.

mifá:
pois e mais pois. bifes é o diabo. tenrinhos ainda vai lá, mas uando são duros, há que cortar com firmeza.

fredo:
já pensei nisso, mas estou à espera que esteja livre.
o dedo está.

rvn


De Alfredo Gago da Câmara a 1 de Novembro de 2007 às 13:02
Subscrevo na ìntegra o comentário supracitado.
Apenas uma sugestão, amigo RVN, não será possível fazer uma montagem na fotografia e sentar o rabinho (cu) do sir Tony Parsons em cima do dedinho?


De mifá a 1 de Novembro de 2007 às 03:01
E depois? Admitindo, muito embora, que o Santana não estava num dos seus dias mais diplomaticamente felizes ( o que também se percebe pois já não há pachorra para aturar as críticas e a arrogância dos bifes!)é caso para o outro estupor ter um ataque de xenofobia?! Que em Portugal não se deixam três crianças com idades compreendidas entre os 2 e 4 anos sozinhas não é mentira nenhuma.Que há muitas estórias mal contadas no malfadado caso Maddie, só um cego ou um surdo é que não vê ou não ouve.Que a nossa polícia e as nossas autoridades têm a "cabeça no cepo" e, consequentemente, não iriam dar ao processo o rumo que deram se não pisasem terreno seguro, parece mais do que óbvio. Que estão a ser puxados mil cordelinhos, não há ninguém que o não pressinta.Que nunca nenhuma das nossas crianças desaparecidas e respectivos pais foram alvo dos desvelos e do empenho que têm caracterizado este caso é uma constatação a que ninguém pode obstar.
Porquê, então, essa ingerência e essa acrimónia toda por parte de sectores da sociedade britânica que deveriam ser os primeiros a pugnar pela isenção,pela cooperação e pela cortesia?
Fartos estamos nós,ao longo da nossa história,da imunda pata anglo-saxónia! O Eça é que tinha razão!
E, sabem que mais, só há uma maneira de atenrar os bifes: bater-lhes com o martelo...dos bifes.
Honestamente, já não há aço!


De Anónimo a 1 de Novembro de 2007 às 01:32
Mamma Mia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas