Terça-feira, 20 de Novembro de 2007
Apelo desesperado
Terça-feira, 20 Nov, 2007
Amigos, estou em sarilhos. A bem dizer é o costume, uma porra antiga, mas desta vez a coisa é séria e eu preciso da vossa ajuda. Passo a explicar. Meteu-se-me na cabeça ir viver para o campo, o que é normal e comum. Quis um sítio onde não chegasse o 24Horas mais o Carlos Castro, o que é natural e compreensível. A terra em Portugal está pela hora da morte, o que é estranho já que andamos todos tesos, mas pronto. Pensei na Argentina. É a pátria de Maradona, o que significa que a mão de Deus está por perto e funciona. Cristina Krishner é Presidente da República e é bem jeitosa, o que não resolve mas ajuda, para quem vem de cavacos como eu. Decidi-me. Argentina com ele.

Vi uma casita jeitosa em Olivares de San Nicolás, província de Córdoba, a uns 700 quilómetros a Noroeste de Buenos Aires. É uma localidade onde vivem cerca de 800 pessoas e que ocupa uns 20 hectares de um campo de 2.216 hectares, a maioria deles com plantações de oliveiras. Tem uma igreja, um tribunal, um destacamento policial, uma escola, um consultório médico, algumas lojas e as casas de habitação. Uma delas a dos meus sonhos, com quintalinho e tudo. Estava o negócio bem encaminhado quando soube a notícia, hoje de manhã.

Acontece então que ontem o juiz argentino Carlos Molina Portela fixou para 18 de Dezembro próximo a data do leilão da minha nova e pequena localidade, que vai ser vendida, toda ela e nessa data, para que o Estado possa cobrar as dividas que têm os donos das terras onde a povoação foi erigida. Sei que os meus futuros vizinhos já pediram à justiça que a superfície ocupada pela localidade ficasse excluída do leilão, e que a questão deverá ser resolvida num tribunal superior. O Dr. Eduardo De Luca, o advogado que nos representa, disse que os habitantes de Olivares de San Nicolás apelaram a tratados sobre direitos humanos para impedir o leilão e que já se ofereceram para pagar o valor dos 20 hectares que ocupa a localidade. Mas os senhores sabem como estas coisas são, cada vez que uma igreja, um tribunal, um destacamento policial, uma escola, um consultório médico, lojas, casas e ruas com esquinas e tudo vão a leilão em sessão pública, aparece sempre quem queira comprar e eu estou preocupado, confesso.

Não é a perspectiva de não conseguir a minha casita lá em Olivares que me incomoda. Tenho sempre Gondomar, conheço o Major e temos árbitros amigos. A questão é outra e bem mais grave. Vamos supor que tenho lá por Olivares um problemazito qualquer daqui até 18 de Dezembro. Ainda é tempo, caramba, tudo pode acontecer. Com o pé que eu tenho para a asneira posso ir preso, até, vejam o Bibi e o Dr. Paulo Pedroso que também foram e de certeza não fizeram nada. Pode acontecer. Ora se chega 18 de Dezembro e eu estou de cana, se a cela é vendida junto com o resto do destacamento policial e se o tribunal é comprado por alguém que more longe, os senhores querem-me explicar como é que eu saio dali sem ser por licitação ou ajuste directo? Daí o pedido, a súplica, a esmola que vos imponho. Sou bom rapaz, que diabo! Salvem-me. Comprem-me.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 21 de Novembro de 2007 às 00:36
Ora essa, Rui, porque quando pego em alguma coisa do Faulkner até penso que não percebo patavina de Inglês. E isso apesar de ter tido como professor no 5º ano aquele que era considerado o seu melhor tradutor, o Dr. Manuel Barbosa.


De Maria a 20 de Novembro de 2007 às 23:56
Mais-que-delicioso....
Eu fujo para as Berlengas, para não ter de encarar o 24 horas....
... com a vantagem de lá só haver gaivotas.....


De Rui Vasco Neto a 20 de Novembro de 2007 às 23:47
saci,
shiiiu! tenho aqui uns euritos a mais? já viu que horas são? fale baixo, senhora!


De Insaciável a 20 de Novembro de 2007 às 23:30
Alguém já licitou?

Tenho aqui uns euritos a mais e antes que venham as finanças buscar-mo, é melhor apressarmos isto.


Bjos


De Rui Vasco Neto a 20 de Novembro de 2007 às 20:20
time magazine,
pois.
olhe, tirou-me a enguia de baixo da língua.


De national geographic a 20 de Novembro de 2007 às 20:10
é portanto uma ondulação.... digamos que uma enguia se quer falar de bichos irrequietos...


De Rui Vasco Neto a 20 de Novembro de 2007 às 20:01
bitaite,
por aqui e por ali... bicho irrequieto, no fundo.


De resposta certa, please... a 20 de Novembro de 2007 às 19:54
e por onde passa a linha?


De Rui Vasco Neto a 20 de Novembro de 2007 às 19:48
nuno,
qu'o fogotabraze, hóme de dês.

lisa, darling,
you, me, boat, beach, street, disco, bed, bed, bed, drink, bed, drink, drink, drink, drink, sleep, yes?

uaunónimo,
fatal com'ó destino.

daniel,
gardel, homem, pensa em gardel, sonha piazzola, tanga no embalo, pensa nas pampas, nos sombreros (tem que haver sombreros lá, caramba), nas chicas, sobretudo nas chicas, e diz-me: andas preocupado com o Faulkner porquê, amigo?

t,
dividido.


De teresa a 20 de Novembro de 2007 às 18:23
vendido ou arrematado?


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas