Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007
E por falar em Açores...
Segunda-feira, 19 Nov, 2007
Começou por ser uma brincadeira entre nós dois, pai teimoso, filho igual. Ele dizia um número. Dez, por exemplo. Eu dizia quinze, ou vinte. O que ficasse mais perto ganhava. Nunca acertámos. Depois a coisa começou a ficar mais séria. A aposta engordou no sentido da teimosia. Não pode ser, dizia eu. É impossível, dizia ele. No dia em que batemos todos os recordes, desisti da indignação e levei o puto a almoçar. Quarenta e três é definitivamente uma marca invejável!! Exactamente. Quarenta e três minutos!!! É obra, em qualquer parte do mundo. Bem vindo ao call center da SATA. A sua chamada é muito importante para nós. Para português marque um. Se não é membro do clube SATA, marque dois. Para reservas marque um. A sua chamada vai ser transferida para um assistente. Por favor aguarde. Ouve-se um sinal de chamada, um toque, dois toques. Depois a mesma voz. Bem vindo ao call center da SATA. A sua chamada é muito importante para nós. Para português marque um. Se não é membro do clube SATA, marque dois. Para reservas marque um. A sua chamada vai ser transferida para um assistente. Por favor aguarde. Ouve-se um sinal de chamada, um toque, dois toques. E lá começa tudo outra vez. Quarenta e três minutos.

A razão de ser deste serviço terá seguramente raízes que ultrapassam os limites da minha imaginação. Na prática, é um exercício de mau gosto e inoperância, irritante na forma e no conteúdo, a que só não se chama incompetência porque nem sempre é de bom tom dar o nome aos bois. Sobretudo quando se lida com uma situação de monopólio para um serviço básico e essencial ao viver da população açoriana. Foi assim que eu cheguei aos quarenta e três minutos de espera. Afinal, qual era a minha alternativa? Exacto. Bem vindo ao call center da SATA.

As características de um serviço público em regime de monopólio, na óptica da salvaguarda dos direitos fundamentais da população a que se destina, estão longe das que presentemente definem os serviços da SATA. As passagens são caras, os voos são escassos e são definidos pela conveniência da própria companhia aérea e não dos passageiros que ela devia servir. Se não há passageiros para encher dois aviões, mas apenas um avião e mais uma parte de outro, pura e simplesmente deixa-se o pessoal em terra até ao próximo voo que seja rentável para a companhia. Em condições normais, vista a coisa num critério estritamente economicista, pode até ser uma medida correcta para quem gere os destinos da transportadora. Está no seu direito de não querer fazer mais um transporte. É a sua política. O passageiro só tem que se dirigir à companhia da concorrência e exercer a sua opção de escolha. Na ausência dessa alternativa, por decisão sancionada pelo governo e suportada pelo bolso do contribuinte, uma política destas não é de todo aceitável e deveria ser objecto do mais vivo protesto por parte dos utentes. Nos Açores, pelos vistos, não é o caso. Não é prática corrente. Não é de bom tom. Por isso, seja bem vindo ao call center da SATA. A sua chamada é muito importante para nós. Para português marque um. Se não é membro do clube SATA, marque dois. Para reservas marque um. A sua chamada vai ser transferida para um assistente. Por favor aguarde.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Nuno Barata a 20 de Novembro de 2007 às 19:47
Eu só invisto, não corto. As EPS e SAs de capitais públicos é ue cortam uns para meterem outros. na verdade, não chega a haver corte, é só costura.

Mais um smile com o olho a piscar


De Rui Vasco Neto a 20 de Novembro de 2007 às 19:26
daniel,
tens olho para a coisa, amigo.

zénónimo,
pois, se você diz.

teresa,
o nuno vai-se babar todo com esses números...

nuno,
as tuas empresas também cortam nas telefonistas?


De Nuno Barata a 20 de Novembro de 2007 às 15:55
Caro Daniel
Agradeço as tuas preces, bem preciso, mas não para a política que essa já era. Foram 4 anos de grande dedicação, não posso voltar a impor à minha familia e às minhas empresas outros 4 que sejam.


De teresa a 20 de Novembro de 2007 às 13:14
" A auditoria ao Sector Público Empresarial dos Açores apurou que as «despesas de representação são abonadas aos administradores 14 vezes por ano, com excepção da Lotaçor em que são 12, pelo exercício de funções de representatividade, que, ocorrem, normalmente, num período de 11 meses por ano».
(...)
O TC conclui, também, que as empresas EDA (energia eléctrica) e SATA Air Açores são as que detêm maiores custos com a concessão de benefícios adicionais aos seus administradores. "

Percebido ou queres que explique? Se a guita não estica, corta-se nas telefonistas....


De Anónimo a 20 de Novembro de 2007 às 02:27
O que faz mais falta nos Açores ainda são jornalistas à séria, que os que por cá andam todos querem ser assessores do regime.


De Daniel de Sá a 20 de Novembro de 2007 às 00:42
Pois, já percebi. Essa das orações é como o vinho. Este já não existe, aquelas nunca existiram. Mas não faz mal, já não sou deputado há montes de anos. Mas o nosso amigo Nuno precisa. Oremos, irmãos.


De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 19:38
nuno,
quatro anos de político? também rezarei por ti. quatro vezes.

e boa viagem, claro.


De Nuno Barata a 19 de Novembro de 2007 às 19:23
Eu passo metada da vida em aeroportos e aviões (infelizmente) agora mesmo estou a caminho de um voo. Ao longo destes 19 anos de vida comercial interrompidos por quatro de político, b«nunca tive um serviço de Callcenter tão eficiente como o da SATA, isso apesar das longas esperas. Viajar com qualquer a`^encia de viagens é ainda mais dificil do que voar com a SATA e o seu Call Center.

Um abraço aos dois, que vou a voo para Santa Maria.


De Nuno Barata a 19 de Novembro de 2007 às 19:23
Eu passo metada da vida em aeroportos e aviões (infelizmente) agora mesmo estou a caminho de um voo. Ao longo destes 19 anos de vida comercial interrompidos por quatro de político, b«nunca tive um serviço de Callcenter tão eficiente como o da SATA, isso apesar das longas esperas. Viajar com qualquer a`^encia de viagens é ainda mais dificil do que voar com a SATA e o seu Call Center.

Um abraço aos dois, que vou a voo para Santa Maria.


De Rui Vasco Neto a 19 de Novembro de 2007 às 17:28
daniel,
pois passarei a rezar também duas vezes.
qualquer deputado precisa, acredita.
a diferença em ti é que tu mereces, provavelmente...
grande abraço e esquece lá a vinhaça que eu sou mentiroso e só restou o vidro.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas