Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007
Quem é, quem é?
Quinta-feira, 18 Out, 2007
Conceição Marques, professora em Ovar, cancro na língua diagonosticado em 2003 e em Abril do mesmo ano sujeita a uma cirurgia para retirar uma parte substancial daquele órgão, o que a deixou com grande dificuldade em falar. «Tenho muitas dores e uma grande dificuldade em falar, sobretudo depois de algumas horas a dar aulas». Conceição Marques, presente em 2006 a uma junta médica que a declarou permanentemente incapaz para o exercício das funções docentes, tendo-lhe sido atribuída a aposentação por invalidez. «Às vezes, durante as aulas, fico com lesões na língua, que começa a sangrar» Conceição Marques, chamada de novo à escola pela Caixa Geral de Aposentações que diz que os médicos estão errados e recusa a reforma por invalidez. «Não aguento mais dar aulas. Estou física e psicologicamente arrasada». Conceição Marques, que anteontem foi mostrar o que lhe resta da língua a mais um médico, marcado em Agosto, e ele não estava lá para a ver, em Outubro. Conceição Marques. Sabem quem é a Conceição Marques? Sou eu. É você. Somos todos nós.
RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 18 de Outubro de 2007 às 21:16
anónimo,

'voluntarismo crónico para ser vítima' é bom em qualquer parte do mundo...


mifá,

comme d'habitude, aqui estamos..

calculei que este assunto a tocaria de perto (e decerto). consigo cheirar um professor à distância só pela maneira como escreve..


marquesa,

Deus nos livre da cadeia e da bruma e nem por isso por esta ordem..


samuel,

já conhecia a sua loja, uma de três, duas paradas..
apareça mais vezes. aqui ri com as piadas por inteiro e em primeira mão

rvn


De samuel a 18 de Outubro de 2007 às 19:02
Caro Rui Vasco Neto
Sou eu o engraçadinho que se meteu com o seu "heart feelings" no Irmãolúcia.
Sobre este post, embora por outra via, tive conhecimento do caso de que fala...
Em vez de fazer aqui outro post sobre este triste assunto é mais fácil convidá-lo a visitar a minha alegre casinha.
O link é directo meu post sobre esta professora mas depois pode visitar o resto da casa.

http://samuel-cantigueiro.blogspot.com/2007/10/daqui-ningum-sai-vivo.html#links


De Anónimo a 18 de Outubro de 2007 às 18:16
pois claro, pra quê, porquê, a cargas de quem, ora bolas, pague a consulta na privada, se quiser, fale com algum padrinho para ir prá reforma, não é o que todos fazem neste País de MERDA ? e, meu querido rui, por mais que digas e escrevas e barafustes, esta porra não anda, tá ? Não te admires de ir no anonimato, mas pode andar algum "pidoso" pela net e ume marquesa não pode ir prá cadeia !! ahahah ... é triste, muito triste, a bruma pesa cada vez mais ! Mas nunca deixes de barafustar, óvixete?


De mifá a 18 de Outubro de 2007 às 17:46
Qualquer professor sabe que, não raras vezes, a língua sangra e os miolos também.Pudera: se fizeram recair nos ombros dos professores a tarefa de (re)educar a sociedade. E toda a gente sabe como ela está educada!... As escolas são, cada vez mais, armazéns aonde, diariamente, crianças e adolescentes são despejados. Contigência que decorre naturalmente ou não do "modus vivendi" que vai caracterizando este país ou, quiçá, a sociedade em geral.O que é facto é que nesse microcosmos que é a escola se espelha a sociedade.E, se a sociedade está caótica, facilmente se depreende que a tarefa (ou, melhor, a multiplicidade de tarefas que são exigidas ao professor) costitui um desafio de titãs.E isto para falar em casos de dita normalidade!
No caso concreto de Conceição Marques, a coisa reveste-se de uma desumanidade e despotismo de "bradar aos céus"!E, infelizmente, não se trata de fábula!É a verdade, a mais hedionda verdade mas, nem por isso, menos verdade!
Que legitimidade têm os monstros responsáveis por atrocidades como esta de esperar que os professores incutam nos alunos valores que alberguem o respeito pelo próximo?!Com exemplos como este?!
Haja vergonha, já que dignidade não há!


De Anónimo a 18 de Outubro de 2007 às 15:41
Já conhecia, infelizmente, este caso escandaloso, aberrante...

Até quando vamos suportar esta política vampiresca?

No que toca a passividade, perante os acontecimentos, nós portugueses somos campeões.

Sofremos de um problema congénito "voluntarismo crónico para ser vítima"


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas