Terça-feira, 6 de Novembro de 2007
O preço da vida
Terça-feira, 06 Nov, 2007

Ciência é vida, naturalmente. E o mundo pula no embalo dos sonhos de quem vê mais além que os demais, de quem indaga, questiona, investiga e descobre. Assim chegou a humanidade aos dias de hoje, com muitas batalhas vencidas sobre a doença e consequentemente sobre a morte. Agora, investigadores do Instituto Karolinska da Suécia dizem estar perto de obter uma vacina eficaz contra o vírus da Sida. De acordo com o anúncio feito pelos cientistas na televisão sueca, a imunização poderá ser possível já dentro de dois ou três anos, já que os ensaios clínicos revelaram que 97 por cento dos 40 voluntários inoculados desenvolveram resposta imunológica contra o vírus HIV, num estudo em marcha há já sete anos.

Na continuação do estudo, desta vez foi a Tanzânia o país escolhido para uma nova fase de testes com esta vacina que está a ser administrada a 60 voluntários daquele país. Ao longo dos últimos vinte anos foram tentadas cerca de 200 vacinas em diferentes países, sempre com o recurso a voluntários. Até hoje nenhuma conseguiu obter resultados eficazes nos testes com humanos em larga escala. O que significa que muitos voluntários morreram na experiência. Os primeiros resultados destes novos testes na Tanzânia são 'animadores', dizem os responsáveis farmacêuticos.

Em Setembro passado, falhas registadas nos resultados preliminares fizeram a poderosa Merck abortar os testes de mais uma vacina experimental, considerada das mais avançadas. Após 13 meses de inúmeros testes em inúmeros voluntários de nove países africanos, o estudo levado a cabo pela farmacêutica Merck demonstrou que a vacina não conseguiu impedir a contaminação desses voluntários com o vírus HIV.

O projecto foi então suspenso, mas o processo é tão imparável como o próprio progresso. Algures neste mundo que é nosso, neste exacto momento, continuam a ser feitos novos e necessários testes em gente que nos diz tão pouco que nem chega bem a ser gente nas nossas vidas. É mais notícia de jornal, número de estatística, código de laboratório, pequena vírgula de um texto que não acabará nunca de ser escrito.

O que lhes acontece a elas tem o peso de um vírus nas nossas existências. E pesa bem menos ainda nas nossas consciências. Se não fosse assim, um pouco por toda a parte e vinda dos Estados, das Igrejas, das seitas, dos partidos, dos movimentos parados desta tão pouco social sociedade e de todas as esquinas da consciência mundial surgiria a pergunta que nem se faz nem tem resposta. Neste que é o maior negócio do mundo, as drogas, com os incalculáveis interesses bilionários envolvidos, com a fortuna e glória evidentes numa descoberta deste calibre, quanto é que valerá uma vida na Tanzânia comprada por um qualquer império farmacêutico internacional e voluntária para ser infectada com HIV para ver se dá vacina? Assim em dólares ou em euros, só para se ter uma ideia...


RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De mifá a 8 de Novembro de 2007 às 22:44
rvn,
desculpe insistir mas... não prefere antes a química?!


De mifá a 8 de Novembro de 2007 às 21:48
rvn,
não prefere a química?!


De Rui Vasco Neto a 8 de Novembro de 2007 às 19:26
mifas,
proponho uma solução de compromisso: que se lixe a meta, vamos dar outra oportunidade à física.
de acordo?


De mifá a 8 de Novembro de 2007 às 19:22
rvn,

O que está a tentar dizer-me é que há realidades/situações que só a um nível puramente conceptual é que têm justificação.
Mas eu concordo consigo: se eu tiver fome, que se lixe a metafísica! Melhor: mesmo sem fome, QUE SE LIXE A METAFÍSICA!


De Rui Vasco Neto a 8 de Novembro de 2007 às 18:16
mifa,
se pessoa não era o pintor mas era a tela, esta gente não chega sequer a ser a tinta e nunca passará de água rás na obra prima do mestre.
quanto ao que é de facto a necessidade e qual a motivação que a dita, estou quase de acordo com essa teoria do balanço 'do que o indivíduo faz do que tem e do que gostaria de ter'.
e mais: estou certo que muitos destes voluntários da tanzânia, gana, sudão, etc.., iriam decerto concordar contigo quando lhes explicasses tudo isto durante os últimos dias das suas vidas, ou durante os dias, semanas a fio que passam à espera dos caixotes com comida e medicamentos fora de prazo para eles e para os seus.
afinal, a conversar é que a gente se entende...


De mifá a 8 de Novembro de 2007 às 17:30
rvn,amigo

Partindo do princípio da causalidade,commumente aceite e,segundo o qual
não há efeito sem causa nem causa sem efeito, facilmente concluimos que tudo o que fazemos é consequência de um estímulo( a que não me repugna chamar necessidade).
Esses estímulos/necessidades são tão diversos quanto os diversos estados e as diversas contingências das diversas pessoas.Em suma, um desdobrar de diversidade que, inevitavelmente, nos levaria a uma progressão geométrica( a matemática está muito longe de ser o meu forte, mas julgo não estar a incorrer em erro de raciocínio).
Posto isto, pergunto e pergunto-me:alguém, alguma vez, fez algo que não fosse provocado por um estímulo/necessidade? Eu, sinceramente,NÃO. Auto-realização?Pesetas? Afinal, o que está em causa não é o haver ou não necessidade mas o "tipo" de necessidade ou de estímulo.Considerando que as necessidades são ditadas pelo balanço que o indivíduo faz do que tem e do que gostaria de ter, de pronto se conclui que elas são de vária ordem, de vários graus,de vária intensidade e por aí fora...
Chegada a esta fase do raciocínio ( não levo a mal que não o terminem:ele convida até os mais heróicos e pacientes à desistência !)...Mas,dizia eu, chegada a esta fase do raciocínio deparamo-nos com outra( mais outra!) pergunta: - psst,psst, ó pst e o livre-arbítrio onde fica?
Pois, na minha modesta, modestíssima opinião, fica lá mesmo, isto é, lá, onde nunca esteve.
É que, encolhidínha de insignificância e de acanhamento , eu estou ao lado e do lado de Pessoa, quando ele diz,por outras bem mais bonitas palavras "Eu não sou o pintor: eu sou a tela.Estranha mão em mim colora...".
Que dá jeito, frequentemente, o nosso jeito de "marionnette", não o nego.Mas palavra, palavrinha, que este texto não me foi ditado pela necessidade de me justificar aos meus próprios olhos de muita da minha inércia mas pela necessidade de não ter necessidade de o fazer.
Rvn amigo, indeferi o seu pedido:escrevi de barriga cheia mas, que diabo!, só há pouco almocei e veja as horas!...
Perdoada?


De Rui Vasco Neto a 7 de Novembro de 2007 às 16:47
luisnónimo,
obrigadinho, claro.


De Rui Vasco Neto a 7 de Novembro de 2007 às 16:47
mifa,
para alem de todas as pertinentes questões que deixas no teu comentário, sobra uma outra interrogação.
estamos apenas a falar dos casos de vidas voluntárias, claro, pagas ou não. então e se por um impensável instante pusermos a hipótese dos voluntários não serem assim tão voluntários, por artes e magias da grande autoridade da peseta?
pensa no assunto, amiga. de estômago vazio, recomendo.

teresa,
bem lembrado o caso fairy. bem notado, o fiel jardineiro.
quando dependemos deles para por a manteiga no pão, devemos certificar-nos que a faca está limpa de bactérias, pelo menos.
ou você come tudo o que lhe dão?


De Anónimo a 6 de Novembro de 2007 às 23:55
Excelente post! arrepiante e merecedor de toda a nossa atenção.


De teresa a 6 de Novembro de 2007 às 23:05
Há uns oito anos atrás apareceu no mercado um produto chmado fairy antibacteriano. Poucos dias depois de começar a ser publicitado em tudo o que era sítio foi noticiado que a OMS - Organização Mundial de Saúde- tinha publicado um estudo sobre detergentes antibacterianos. Em resumo, este estudo dizia que este tipo de detergentes matava bactérias sim, mas exactamente aquelas que nos faziam falta. Eram os cosméticos dos antibióticos e só destruiam aquelas bacteriazinhas que não nos matavam, mas nos ajudavam a sobreviver - as bactérias pushing ball, que nos ajudam a criar resistências para os combates a sério. Uma das consequências imediatas do uso generalizado destes antibacterianos de despensa era o reaparecimento da tuberculose, doença que se considerava já quase extinta.
Que aconteceu a seguir? Pois é..., não foi nada disso.... foi só uma nova campannha publicitária. A Fairy, por cada frasco comprado daquele detergente específico, oferecia uns dez paus para a compra de vacinas para a tuberculose em áfrica... Esta campanha foi patrocinada pela presidência da républica...
Na altura, e porque não havia email, desatei a telefonar para tudo o que era televisão, rádio, jornal e revista de escuteiros pensando que tinha "A notícia". Não sei em que telefonema me informaram que a Fairy era do grupo Lever e o grupo Lever era quem mais pagava em publicidade....

Tanzânia? Sida? Laboratórios Farmacêuticos? Fiel Jardineiro? Isso está tudo muito longe e até podemos ser um exemplo de virtudes, não é? E quando dependemos deles para pôr a manteiga no pâo, como dizem os alemães?


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas