Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007
Ver para crer
Sexta-feira, 16 Nov, 2007
Não há dúvida que eu sou muito distraído. Desconhecia de facto que este era o novo logotipo da Casa Pia de Lisboa, assim como desconheço ainda o nome do seu autor. Será seguramente um criativo cheio de sentido de humor e impunidade, que trabalha para gente que só lê braille, por certo. Mas há mais. Pela data das fotos e comentários que vim agora a encontrar, seguindo o rasto das dúvidas que me foram postas depois de ter aqui mostrado o logotipo, cheguei à conclusão que o dito cujo já data pelo menos de 2006. Confesso que fiquei a pensar o que poderá ter levado todo um país que há três anos não fala de outra coisa a não ser de Casa Pia e pedofilia, a ignorar este flagrante atentado ao bom gosto e até, na circunstância presente, à mais elementar decência.

Não cheguei a nenhuma conclusão, infelizmente. Não por falta de capacidade para tal, quero acreditar. Mas sim porque o tempo me foi curto para tentar explicar a todas as santas almas que me zurziram as orelhas por estar a fazer humor (!!) com um logotipo que não existe, que afinal o tal logotipo não só existe como é de facto da Casa Pia e até não fui eu quem o criou.
Por essas e por outras deixo aqui a foto do novo logotipo da Casa Pia de Lisboa colocado en su sitio, para tirar de vez as dúvidas. Fico a aguardar as acusações de fotomontagem.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Presente a 16 de Novembro de 2007 às 21:43
Mifá,

Nos dois Mifá......nos dois....

Eternamente,

Presente


De mifá a 16 de Novembro de 2007 às 18:34
rvn,
não se preocupe que a sua habitual originalidade desculpa-lhe algumas escapadelas.
Prudente conselho, amigo. Nada receie, porém, que, cá por estes lados do Atlântico, as procelas e os vulcões andam de mãos dadas connosco.
Pior, pior, é mesmo uma tertúlia, logo, chez j.m.( creio que o não conhece) que me pode manter afastada desta costa.
Abraço.



Presente,

desvanecida pelo elogio que cobre de rubor a minha modéstia.
Não, não houve naufrágios, de facto, mas isso só porque nos cruzámos com uns piratas que, gentilmente, nos acolheram na sua caravela.
Se " Deus, ao mar o perigo e o abismo deu mas foi nele que espelhou o céu" não significa que quem pretender subir ao segundo, tenha, forçosamente, que descer ao fundo do primeiro.Questão de Karma, digo eu. Que isto que "presente" colhe, semeou no passado.
Ah, acabo de descobrir curiosa afinidade: veja lá, ia também enviar-lhe "eternos cumprimentos", se não receasse o plágio!
Vêmo-nos num futuro próximo.Ou será num passado recente?


De Sol a 16 de Novembro de 2007 às 18:14
Retirei hoje esta mesma imagem do Google. É evidente que já a enviei para alguns amigos. Isto merece ser divulgado - apesar da divulgação estar "a céu aberto", como a foto comprova. Duma coisa não tenho dúvida: por enquanto, continuamos a estar em Portugal...

Abraço da Sol


De Presente a 16 de Novembro de 2007 às 16:22
"Restelo",

Que mau feitio!!!!! Isto só pode ser pela ausência de "naufrágios"!
É que "...quem quer passar além do Bojador tem de passar além da dor"

Eternos cumprimentos


De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 16:01
mifá,
há mar e mar há ir e voltar.
fui original?
volte depressa.


De mifá a 16 de Novembro de 2007 às 14:58
Não sei conferir o sistema. Aposto no risco do improviso, mesmo suportando-lhe as consequências. É provável que seja uma inconsequência.
Assim vou tentar reproduzir, mais ou menos, o que escrevi.

Presente ( envenenado?),
daqui fala "Restelo", quase a chegar à índia. Sem nenhum naufrágio; apenas com alguns pedregulhos, pelo caminho.
Pedagogia? Tem toda a razão, no que toca, sobretudo, ao " quem não o fez nunca o fará", que registei com subido apreço. De facto, nunca mais pedagógicas palavras do que "sempre" e "nunca"!
Cumprimentos passados, presentes e futuros.

Obrigada, rvn, por me não negar esta oportunidade.
Diga-se, em abono da verdade, e a despeito de algumas diatribes com que o mimoseei( mas, quanto a isso, julgo estarmos quites ), que nunca duvidei que o fizesse.
Aproveito para dizer ao pessoal que me vou ausentar por tempo indeterminado.
Dois pedidos : não me chorem a ausência e continuem a portar-se mal. Que eu gosto ( mas isso só se vê à lupa).


De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 14:33
mifas,
confere por aí o teu sistema que eu fui ver e não estão comentários por moderar.
e, evidentemente, não rejeitei nenhum teu.
manda outra vez ou vou ficar sem saber porque esperneias desta vez...


De mifá a 16 de Novembro de 2007 às 14:22
E então, o meu comentário?
Ah, isso é um complôt?! Então, venham mais cinco ( e já agora, de uma assentada ) : pretéritos perfeito, mais-que-perfeito e imperfeito, futuro e condicional. E, se quiserem trazer os afins, estejam à vontade.


De Rui Vasco Neto a 16 de Novembro de 2007 às 13:43
presente,
pois.

piedade,
a casa dos bicos não é, que a fachada é de pedra.


De piedade a 16 de Novembro de 2007 às 13:31
Meu caro : claro que está lá, eu é que sou uma "naba" nestas coisas de nets e pesquisas... Ainda bem que o publicou, assim esclarece todos duma vez !!! Ontem, só encontrei esta porcaria na sic on line e no link do alx. Sou naba, pronto! E já agora, que sítio é este ? parece um posto clínico dos de cá da freguesia !!!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas