Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2008
Eu sou a arte do possível ou o possível de quem não tem arte?
Segunda-feira, 14 Jan, 2008
Eu sou grande, enorme, imenso. Enfim, médio, por estes dias. Mas bonito, acatitado, glosado, cantado e lindo como as estrelinhas que há no céu. Sou orgulhoso e raçudo, pergaminhado de pai e mãe, primos, tios e avós. Sou História e sou tradição, sou costumes e folclore, povo e mar com fartura. Sou mestiço, poliglota (e anedota que não se esgota), da minha elite ao chinelo. Eu sou belo. E sou castiço, sou típico e invulgar. Sou de amar. Sou de odiar. E detesto que me mintam. Sou tão mau como me pintam, quando me emprenham e fogem. Quando me prometem rosas e eu só pico o cú em espinhos, em busca da flor prometida. Que porra de vida, esta, a minha única vida... Eu sou Portugal inteiro, desde o norte até ao sul, deste 'pois, enfim' geral que é ter uma classe política eternizada nas minhas dificuldades e carências para assim sobreviver, profissional, técnica e politicamente falando. Ou quero dizer, prometendo, se calhar, quem sabe, pá! Ao 'deixa andar' nacional? Um referendo geral. Já.

"O Governo entende que é necessário reforçar a legitimação democrática do processo de construção europeia, pelo que defende que a aprovação e ratificação do Tratado deva ser precedida de referendo popular, amplamente informado e participado, na sequência de uma revisão constitucional que permita formular aos portugueses uma questão clara, precisa e inequívoca", era a intenção de Sócrates posta em letra de programa governamental. Mas a política é a arte do possível, diz a moderna divisa deste moderno colégio de homens bons e modernos. Pois lamentavelmente não foi possível, tenham paciência, vão para dentro, não se macem. O tratado que estava para ratificação na altura das eleições de 2005 era o constitucional. Este foi posteriormente chumbado em referendos realizados na França e na Holanda, deixando de fazer sentido que os restantes países continuassem com os seus processos internos de garantir a aprovação de um documento que só podia entrar em vigor se recebesse luz verde de todos os países da União Europeia. Posteriormente, os Estados-membros negociaram outro tratado para substituir o anterior, e terão firmado um acordo informal para que ninguém, além da Irlanda, avançasse com a realização de um referendo. O documento foi assinado em Lisboa, em Dezembro de 2007. E a 9 de Janeiro, no Parlamento, José Sócrates pôs termo a um tabu que durava há meses sobre a forma como Portugal ia aprovar o Tratado de Lisboa.

"A agenda económica do Governo tem como objectivo aumentar, de forma sustentada, o crescimento potencial da nossa economia para 3%, durante esta legislatura. Só com o crescimento da economia poderemos resolver o problema do desemprego e combater as desigualdades sociais", era a intenção de Sócrates posta em letra de programa governamental. Mas a política é a arte do possível, diz a moderna divisa deste moderno colégio de homens bons e modernos. Pois lamentavelmente não foi possível, tenham paciência, vão para dentro, não se macem. As últimas projecções conhecidas para a economia portuguesa foram divulgadas pelo Banco de Portugal há duas semanas. Para 2009, o banco central prevê um crescimento de 2,3 por cento e para este ano a projecção passou dos anteriores 2,2 para 2,0 por cento. O próprio governo já afastou a meta eleitoral dos 3 por cento das seus próprios cenários. A última actualização do Programa de Estabilidade e Crescimento aponta uma taxa de crescimento da economia de 2,8 por cento no último ano da legislatura, sendo a mais optimista das que são conhecidas.

Tanto durante a campanha eleitoral como nas primeiras semanas de governo, José Sócrates disse que não ia baixar mas também garantiu que não ia aumentar impostos. Dois meses após as eleições, em entrevista à RTP, reforçaria a promessa: "Não vamos aumentar os impostos porque essa é a receita errada." E, referindo-se ao aumento do IVA do anterior governo do PSD, de 17 para 19 por cento, disse que não ia "repetir os erros do passado". Era a intenção de Sócrates posta em letra de programa governamental. Mas a política é a arte do possível, diz a moderna divisa deste moderno colégio de homens bons e modernos. Pois lamentavelmente não foi possível, tenham paciência, vão para dentro, não se macem. Três meses após a eleição e um mês após aquela declaração à RTP, o Governo aumentou o IVA de 19 por cento para 21 por cento e os impostos sobre produtos petrolíferos e tabaco. Criou também um novo escalão de IRS de 42 por cento (o anterior escalão máximo era de 40 por cento).

"Quanto às Scut [auto-estradas sem custos para o utilizador], deverão permanecer como vias sem portagem enquanto se mantiverem as condições que justificaram, em nome da coesão nacional e territorial, a sua implementação, quer no que se refere aos indicadores de desenvolvimento sócio-económico das regiões em causa, quer no que diz respeito às alternativas de oferta no sistema rodoviário", era a intenção de Sócrates posta em letra de programa governamental. Mas a política é a arte do possível, diz a moderna divisa deste moderno colégio de homens bons e modernos. Pois lamentavelmente não foi possível, tenham paciência, vão para dentro, não se macem. Em Outubro de 2006 o ministro Mário Lino anunciou a introdução de portagens em três auto-estradas gratuitas: Costa de Prata, Grande Porto e Norte Litoral. As portagens deviam ter sido introduzidas em 2007, como foi várias vezes garantido pelo ministro das Obras Públicas, mas a renegociação dos contratos com as concessionárias e a solução tecnológica atrasaram o dossier. O Governo mantém a intenção para 2008.

"Portugal deve ter como objectivo recuperar, nos próximos quatro anos, os cerca de 150.000 postos de trabalho perdidos na última legislatura", refere o programa do Governo. Durante a campanha eleitoral de 2005, foi divulgada a taxa de desemprego referente ao último trimestre de 2004: 7,1 por cento. José Sócrates comentou na altura: "Trata-se de um valor trágico. As coisas estão piores em Portugal, tanto na economia como no desemprego. Este indicador prova que há muito tempo que deveriam ter soado as campainhas de alarme e prova que Portugal atravessa uma crise social muito significativa.". Era a intenção de Sócrates posta em letra de programa governamental. Mas a política é a arte do possível, diz a moderna divisa deste moderno colégio de homens bons e modernos. Pois lamentavelmente não foi possível, tenham paciência, vão para dentro, não se macem. A taxa de desemprego estava, no final de 2007, nos 7,9 por cento, oito décimas acima do valor que o Governo encontrou quando tomou posse. Entre o quarto trimestre de 2004 (o último dado antes de José Sócrates começar a governar) e o terceiro trimestre de 2007 (últimos dados disponíveis), foram criados 77 mil empregos (de 5,133 milhões para 5,2 milhões), cerca de metade da promessa do Governo, o que torna o objectivo virtualmente impossível de atingir. Verificou-se um aumento dos contratos a prazo, que mais que compensou a destruição de empregos com contrato permanente. No mesmo período, o número de desempregados aumentou de 390 mil para 444 mil.

Eu sou grande, enorme, imenso. Enfim, médio, por estes dias. Mas bonito, acatitado, glosado, cantado e lindo como as estrelinhas que há no céu. Sou orgulhoso e raçudo, pergaminhado de pai e mãe, tios e avós. Sou História e sou tradição, sou costumes e folclore, povo e mar com fartura. Sou mestiço, poliglota (e anedota que não se esgota), da minha elite ao chinelo. Eu sou belo. E sou castiço, sou típico e invulgar. Sou de amar. Sou de odiar. E detesto que me mintam. Sou tão mau como me pintam, quando me emprenham e fogem. Quando me prometem rosas e eu só pico o cú em espinhos, em busca da flor prometida. Que porra de vida, esta, a minha única vida... Eu sou Portugal inteiro, desde o norte até ao sul, deste 'pois, enfim' geral que é ter uma classe política eternizada nas minhas dificuldades e carências para assim sobreviver, profissional, técnica e politicamente falando. Ou quero dizer, prometendo, se calhar, quem sabe, pá! Ao 'deixa andar' nacional? Um referendo geral.

Já.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De carmo rosa a 15 de Janeiro de 2008 às 22:58
Rui Vasco Neto:
Mais um execelente texto seu. Uma compilação admirável de humor e ironia. Os meus parabéns.


De Rui Vasco Neto a 15 de Janeiro de 2008 às 22:51
pirata,
nem mais, amigo. e 'mago do soundbyte'é uma grande frase...

lita,
outro.

sam,
Não. Temos é que começar a fazer o impossível.


De samuel a 15 de Janeiro de 2008 às 16:35
Teremos nós que continuar a fazer o impossível!?


De Ângela a 15 de Janeiro de 2008 às 10:12
Meu caro,
como de costume...
Brilhante!!!
kiss


De Pirate a 14 de Janeiro de 2008 às 22:24
Subscrevo "ipsis verbis"...
É por estas e por outras que o vulgar eleitor se tem desligado cada vez mais da "cousa pública".
E o problema é que a descolagem quase total entre promessas eleitorais e praxis política quando se alcança o poder, não se restringe ao partido A ou B mas tem-se revelado transversal na frágil democracia portuguesa.

Convenhamos porém que, como diria Orwell todos os partidos parecem iguais na sua praxis mas alguns são mais iguais do que outros.

Enfim, parece que há para aí um engenheiro muito senhor da valia da respectiva licenciatura, que é um arrogante expert da simulação, um autêntico mago do sound-byte, que confunde choque tecnológico com a distribuição de PCs às criancinhas...
Chocados estamos todos e cada vez mais...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas