Sábado, 5 de Abril de 2008
Morrer de humor
Sábado, 05 Abr, 2008


O tempo voa, dizem. Parece que foi ontem que Herman José fazia a actualidade nacional, com o grande momento da proibição de exibição, pela RTP, de um sketch humorístico considerado ofensivo à luz da susceptibilidade da Igreja Católica. Se na altura já era algo descabido um tal pudor dogmático, hoje então só com muita dificuldade se encontra uma ponta de sentido naquele conceito de ofensa. Daí para cá mudou muita coisa, claro, passe a redundância. Mas a propósito do humor eu vejo mudanças delicadas, nesse fino sentir religioso de um mundo cada vez mais afastado, entre si, da essência do divino enquanto apostolado de fé, esperança e caridade que fosse desígnio do homem na sua passagem terrena. Enquanto vivência de Amor, de um amor fraternal que aproximasse os povos ao invés de os colocar uns contra os outros em cruzadas impossíveis e sangrentas. Quase nada disto ilustra o Divino, na práctica dos dias modernos da fé. Dele sobram apenas o bafo de uma vigilância carrancuda e austera, o tique da proibição como opção primeira, o escândalo do luzir do oiro e o tilintar das correntes que prendem os mastins de guarda aos portões da santidade. Com tais fiscais do respeito à letra, de olho na expressão do sentir de cada um e dentada pronta, não há de facto lugar para o humor. De resto, «todas as religiões são cruzadas contra o sentido de humor», dizia Savater, cito de cor. Só posso concordar.

Por humor se mata, hoje em dia. O episódio das caricaturas de Maomé ilustra na perfeição até onde pode ir uma suposta defesa do Divino, neste caso o Profeta. Como podia ser Jesus Cristo noutras circunstâncias, atrevo-me a especular. Brincar com o sagrado é cada vez mais uma roleta de consequências difíceis de prever, um atrevimento anunciado que pode levar a uma escalada de disparate bem mais caricata que a piada que lhe deu origem. Em última análise, pode-se mesmo morrer de humor, o que é triste e revelador do absurdo a que se pode chegar em matéria de preconceito religioso. Mas, aparentemente, continua a ser uma traquinice apetecível para os humoristas, como se pode comprovar pelo visionamento desta boy's/priest's/band que nasceu (acredito piamente) fadada para o sucesso. São 'Padres de Espírito', vê-se logo, de resto. Ora vejam, por favor. E depois digam-me, sinceramente, se vale a pena matar ou morrer por delito deste calibre.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De samuel a 6 de Abril de 2008 às 21:28
A existência de "humor fácil", assim como a "violência gratuita", são mitos.
Estas séries de humor, sejam boas ou más, britânicas ou de Curral das Moinas, dão imenso trabalho durante muitas horas, aos participantes. Igualmente, as séries de TV ou filmes "de violência" ficam caríssimos...


De Anónimo a 6 de Abril de 2008 às 02:27
Não acho este sketch ofensivo pelo mesmo motivo que não o acho com carisma humoristico e, talvez por isso, nem sequer me fez sorrir. Que pena estes autores se sujeitarem a um papel destes. Acho que mereciam um guião bem melhor. Que pena a caixinha mágica pagar e produzir este humor tão fácil. Que saudades tenho do Raul Solnado...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas