Domingo, 21 de Outubro de 2007
Deus ao domingo
Domingo, 21 Out, 2007
Hoje é domingo e está sol. Eu sei. Mas aceite um palpite. Faça de conta que chove a potes e perca uma horita a ouvir Christopher Hitchens na apresentação e discussão do seu novo livro "God is not great: how religion poisons everything". A dica foi-me dada em boa hora. Não se tem que concordar, não é preciso discordar, é obrigatório reflectir.

Eu vi. Soberbo christopher, de facto. Entre várias, há uma soberba reflexão do não menos. Diz o senhor Hitchens que subjacente à ideia de religião está um ‘desejo de ser escravo’ por parte do ser humano. Que se for escravo do poder dos homens só pode alcançar a liberdade morrendo. Se acima do poder dos homens estiver o poder dos deuses, nem morrendo ele se liberta. Qual é então o maior medo, o maior de todos, o que explica os incontáveis atropelos e abusos feitos por todos os franchising do divino em nome desta ou daquela fè? Diz o senhor Hitchens que é ‘o medo da liberdade’. Da autonomia do intelecto, se a salvo da permanente dependência do lápis azul do céu.

Digo eu que em nome dessa insegurança os homens procuram a religião e nela se agarram ao corrimão firme das normas e proibições, para dogma a dogma escalarem os degraus que os levarão até ao perdão eterno dos seus erros. E que é em nome dessa insegurança que a religião lhes abre os braços seguros da fé e lhes guia os passos medrosos por caminhos de subserviência. Tudo por amor, claro. Mas pagando, evidentemente.
RVN


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 22 de Outubro de 2007 às 19:24
Nem mais, mifá.
cactus forever.

rvn


De mifá a 22 de Outubro de 2007 às 18:19
Apenas algumas reflexões, ao capricho das teclas:

A nossa convivência com os deuses está longe de ser pacífica: quando não os temos, criamo-los mas, quando os temos, matamo-los...

Não recusa o pássaro, que está em cativeiro, evadir-se pela porta que mão descuidada deixou aberta?

Liberdade não será também a vontade de não querer ser livre?

Não será cada um de nós,simulta neamente, o amo mais severo e o escravo mais servil de si-próprio?

Levem a religião dos homens mas deixem intacta a das plantas.


De Rui Vasco Neto a 22 de Outubro de 2007 às 17:49
sou eu:
não confundamos, de facto.
eu não o fiz.
e você?
com o tempo não se preocupe, que temos uma vida inteira. não vejo melhor forma de a viver que pensando.
e você?

p.maria:

grato pela visita.
quanto a manias, as minhas são outras, nem melhores nem piores.
mas outras, definitivamente.
volte mais vezes. conversar é um prazer.

anónimo:
obrigado pelas pérolas.
mande mais que eu faço um colar.
com amizade

rvn


De Anónimo a 22 de Outubro de 2007 às 00:31
ofereço-lhe estas três pérolazinhas de sabedoria:
"Pedir a um ser humano para explicar o que é Deus é o mesmo que pedir a um peixe para explicar a água em que nada!"
"As religiões, assim como as luzes, necessitam de escuridão para brilhar." - Arthur, Schopenhauer
"A fé não é crer no que não vimos, mas criar o que não vemos"-Unamuno,Miguel


De P.Maria a 21 de Outubro de 2007 às 22:06
religiomania?


De sou eu a 21 de Outubro de 2007 às 20:46
Não confundamos religião e fé de cada um, com dignidade, honestidade, sinceridade, enfim, um cem número de princípios, que nos foram dados, não sei se pela religião, se pela educação, ou sómente, pelo berço em que nascemos. Sem o "medo da liberdade" seríamos anarquistas ... sem as "normas e proibições", seriamos o quê ? Selvagens ? Irracionais ? Acho que este tema é demasiado complicado. Aprofundá-lo ? Até onde ? Talvez nem tivéssemos tempo de chegar a uma conclusão !


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas