Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007
Quando a cauda abana o cão
Quarta-feira, 19 Dez, 2007
Acabei de papar o Jornal Nacional da TVI. Quase todo. Fui espreitando o Braga, a tempo de ver aquele belíssimo segundo golo que quase deu para perceber porque raio enlouquece meio mundo com o futebol. Mas regressei à TVI em boa hora, mesmo a tempo de assistir à peça de fecho do jornal. Era sobre o Pai Natal, o que nem por isso me matou de espanto. Mas o pai natal escolhido apanhou-me de surpresa, tenho de admitir. E fez-me sentir aquela coisa que nos aperta a alma quando se é jornalista, aquele falso arrepio que nos alerta para a presença de coisa rara, one of a kind. Passo a explicar.

Com todo o mérito para a produção da informação, a TVI descobriu um pai natal nas raias da perfeição audiovisual. Um senhor, chamado Fernando Nobre, 73 anos, avô de dois, bem vestido a rigor e melhor ornado com umas longas barbas, tão brancas como genuínas. Umas belíssimas barbas, diga-se em abono da verdade. E depois a voz, certa para a fantasia do pai natal de qualquer pessoa, perfeita nas deixas e no tom, exacta na postura e absolutamente correcta na atitude. Num tempo que espirra nojo nas parangonas dos jornais só com aquilo que se vai descobrindo, fora o encoberto nas sombras de cada um, ver este velho sentar crianças que lhe são estranhas no colo, beijá-las e acariciá-las, foi ter o privilégio de recordar como deveria ser sempre o carinho entre gente, nova ou velha, seja Natal ou seja Agosto.

Mas mesmo com todos estes atributos, toda esta dimensão da figura humana escolhida para colorir o boneco natalício que era objectivo da repórter quando saiu da redacção, encomenda debaixo do braço, poderia muito bem ter passado despercebida por entre o vermelho da farda de Fernando e o brilho de fundo das luzinhas festivas da quadra solene. O que fez de facto a diferença neste caso foi o tipo de abordagem que a autora deu à peça. As perguntas. Os comentários. Os pormenores exaustivos, como por exemplo os 34 microsegundos por chaminé que um grupo de cientistas suecos decidiu ser o tempo estimado para a permanência do Pai Natal em cada casa do mundo, fazendo as contas a uma viagem em sentido contrário à rotação da Terra e sem partir da Lapónia mas sim do Querdistão. Incrível, não é? Jornalismo de investigação. Rigor matemático versus sapatinho na chaminé, um cocktail explosivo para o noticiário das oito. Tudo pontuado com as palavrinhas do Pai Natal e embrulhado entre os planos de corte e a palha da locução. Tudo trabalho, no fundo, apenas trabalho, ou a mais elementar necessidade de editar uma peça de fecho para o jornal nacional sobre o tema mais editado da actualidade: o Pai Natal.

O resultado final acabou por surpreender, no geral. Afinal não é fácil fazer este tipo de peças da época, baralhar e voltar a dar sempre com originalidade cem por cento feliz. A jornalista em causa, cujo nome não cheguei a ver, com pena, nem por isso ficou assim tão mal no retrato, poderia ter sido pior, muito pior. Não envergonhando, acabou por cumprir embora sem brilho. Mas o que me causou o tal falso arrepio da profissão, o que me deu de facto o alerta de invulgaridade foi mais uma vez o personagem em si, o tal Fernando das barbas brancas, 73 anos, avô de dois, que se prestou à tortura da tolice informativa com o mesmo sorriso verdadeiro que deu a cada menino e menina que lhe puxou as barbas, com força para ver se eram mesmo verdadeiras. »Chego a ficar com a cara toda vermelha no outro dia», contou. Pois o trabalho de reportagem que eu vi era mais ou menos a mesma coisa, salvaguardando as proporções, claro. Mas para cada puxãozinho verbal, para cada pergunta de chacha, para cada graça sem graça, para cada silêncio até, aquele ancião teve uma saída airosa e lúcida, uma expressão de inteligência e bom gosto, tão acima da vulgaridade que dir-se-ia puxado pelas renas da bondade e da pureza de alma, deixando nos céus da noite informativa da TVI um eco de ho ho ho's de simpatia.

Confesso que me bateram as saudades do 'picanço' das redacções, das corridas do fecho, do imenso milagre da televisão, que todos os dias ensina a vida a quem é desta arte. Neste caso em particular aprendi uma lição rara vestida de pai natal. Um entrevistado que mostrou ao seu entrevistador e ao país inteiro que, com jeitinho e humildade, até pode ser a cauda a abanar o cão e não o contrário.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 20 de Dezembro de 2007 às 00:23
saci,
yes, together we can resist christmas!
bela dica, não conhecia, mas já 'favoritei'.
quanto ao mail, se não sabe é porque a menina é distraída. é público, está aqui no blog: ruivasconeto@gmail.com ,para não ter que procurar.


De Insaciável a 20 de Dezembro de 2007 às 00:17
Caríssimo Rui

Como não tenho o seu email (sou ou não sou discreta) esta é a única forma que tenho para lhe deixar um link:

http://www.xmasresistance.org/

beijos
saci


De Rui Vasco Neto a 20 de Dezembro de 2007 às 00:16
nesta,
só mostra que tenho um coração de criança, acho.
e gosto de chociolate branco, ainda por cima.

saci,
por aqui é mais ou menos o mesmo, daí a espantação de hoje, que papei o jornal sem ser costume.
e eu não estou fechado ao espírito natalício: ele está fechado em si próprio, eu só levo com ele.


De Insaciável a 19 de Dezembro de 2007 às 23:49
E quando alguém está fechado ao espírito natalício, aparece um verdadeiro avozinho, que o torna mais ternurento.
Outra lição a retirar... ;-)

(é por essas e por outras que a minha Tv durante todo o mês de Dezembro está permanentemente desligada....e sou bem mais feliz assim)


De ernesta a 19 de Dezembro de 2007 às 23:03
Aqui por casa ouvi comentários interessantes a essa mesma peça, vindos de quem tem idade para acreditar no Pai Natal e em muito mais.... "este país está cada vez pior...a TVI vai estragar tudo com isto... lá por eu não gostar de chocolate branco não quer dizer que os outros não comam... se não acreditam deixem-nos acreditar..."


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas