Segunda-feira, 3 de Março de 2008
Um tautau pessoal num rabinho presidencial
Segunda-feira, 03 Mar, 2008
A animação não pára neste PSD meneziano. E em época aberta de tiro ao sócrates, nada mais natural que um ou outro chumbo extraviado a acabar em nádega alheia. Apenas dano culateral. Agora é Pedro Duarte, o vice-presidente do grupo parlamentar do PSD, na sua página pessoal na internet, quem dá um valente tautau a Cavaco Silva. «O Presidente da República tem assumido de forma irrepreensível a "cooperação estratégica" com o Governo, tal como se comprometeu com os portugueses. Contudo, sendo esta busca constante do "ponto de equilíbrio" um exercício muito delicado, é natural que possam surgir excepções à regra. Na minha opinião pessoal, perante a degradação acentuada do ambiente - de desmotivação e instabilidade - que se vive nas nossas escolas, o Presidente da República deveria ter intervindo com maior assertividade. No actual contexto, as suas palavras no Colégio Militar soam a uma estéril ambiguidade.» Tau. Tautau.

E continua, o vice de Santana: «É sabido que as decisões do Governo na área da Educação (algumas até grosseiramente ilegais) têm merecido uma distraída aceitação acrítica de Belém. Mas o ponto de crispação a que se chegou - insustentável para quem vive o quotidiano das escolas - não pode ser mais negligenciada pelo Presidente da República.» Por falar em Santana, o líder da bancada laranja não perdeu tempo a demarcar-se da irreverência deste seu jovem lobo. «Os presidentes da República não são para fazer oposição aos governos», admoesta. Com aquele tom de ligeiro enfado que o caracteriza, Santana Lopes foi claro ao afirmar que se trata de uma iniciativa particular do seu vice 'que não reflecte o espírito da bancada' e uma 'opinião pessoal', enfatizando o 'pessoal' com uma postura corporal de evidente desacordo, uma santanice conhecida e eficaz.

De Menezes nada se sabe, por enquanto e à hora que escrevo estas linhas, sobre a sua opinião pessoal quanto à opinião pessoal do vice-presidente da bancada parlamentar do partido que supostamente dirige, também supostamente a caminho do governo desta nação que somos. Mas da opinião pessoal de Pedro Duarte sabe-se o importante, já. Só falta mesmo a resposta para a grande questão que aquele dirigente laranja deixa posta para o partido e não só: «Se um Presidente não serve para intervir nestes momentos, em que a qualidade do ensino que é ministrado às nossas crianças e jovens se está a deteriorar perigosamente, serve para quê?» Na minha opinião pessoal, esta pode até ser uma pergunta inoportuna, do ponto de vista partidário ou até político, se quiserem. Mas não deixa de ser uma boa pergunta sob todos os outros pontos de vista. Afinal, se um Presidente não serve para intervir nestes momentos, serve para quê? Não está mal visto, não senhor.

(Nota posterior) «Deduz-se que, talvez também sustentado na sua experiência própria, Pedro Santana Lopes defende que deve ser o líder parlamentar a antecipar-se ao Governo, criticando a opinião de um deputado da sua própria bancada.» João Villalobos, noutro ângulo da análise, imperdível, aqui.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas