Quarta-feira, 30 de Abril de 2008
Bom dia. Hoje eu tenho um novo pratinho para os mesmos caracóis.
Quarta-feira, 30 Abr, 2008
Uma mudança é sempre uma mudança, uma confusão na maior parte das vezes, digam lá o que disserem. Esta correu bem, não por acaso mas por obra do talento do Pedro Neves, da equipa do Sapo, que foi verdadeiramente incansável, para além de competente.
Resultado: barraca nova na favela, novo endereço para o 'sete vidas como os gatos' e mais: blogger adeus, Sapo 'olá cá estou eu'. E pronto. Já tá.
Só que esta coisa de andar com a casa às costas será bom para os caracóis, talvez, e mesmo assim nem sempre, que eu cá bem os vejo, arrancados ao lar mal põem os corninhos de fora, sacados a toque de alfinete, sugados do corno à ponta fecal, as casinhas todas chupadinhas, tadinhos, até não restar um pingo daquela molhenga de orégãos que os cozeu em morte lenta, já prisioneiros do seu destino. Uma tristeza, meu Deus, uma caracolficina de ir às lágrimas. Vem pois o triste fim dos caracóis a despropósito desta coisa de andar com a casa às costas, uma estranha sensação que eu estou a experimentar pela primeiríssima vez. Em blogues, claro.

A partir de hoje mora aqui o 'sete vidas como os gatos', mi casa, su casa. E o que é o 'sete vidas como os gatos'? Ora, então?! Pois entre e vá pelos seus dedos, não tem que enganar, vamos, fique à vontade e descubra por si tudo o que há para descobrir. More than meets the eye, sempre. E verá que se está bem por aqui, neste jardim de palavras semeadas e cuidadas por este vosso fiel jardineiro.
Às vezes são 'sete vidas mais uma' , acontece com frequência: são os amigos da casa, mais os convidados especiais que passam, lêem, entram, comentam e voltam uma e outra vez. Assim blogamos, no prazer da partilha das ideias, degrau para outras ideias que aqui nascem ou que por aqui passam para depois seguirem o seu caminho, enriquecidas. Tal como todos nós enriquecidos ficamos.

É assim o novo 'sete vidas como os gatos', depois da aventura da casa às costas. E como hoje é a inauguração, dia de festa, lá mais para a tardinha serão servidas bebidas espirituosas e um tira-gosto escolhido a dedo para a ocasião: um pratinho de caracóis, naturalmente.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Pedro a 30 de Abril de 2008 às 22:09
Bem-vindo ao bairro :-)


De Rui Vasco Neto a 2 de Maio de 2008 às 03:44
meus senhores,
Sejam benvindos, acho. A intenção é boa, isso eu garanto, mas depois não digam que eu não avisei.
Posto isto, (um alerta aconselhado pela ASAE e pelo próprio doutor Nunes), resta-me agradecer as palavras de todos, entre antigos e estreantes, e ainda salientar que este 'Pedro', que assina o primeiro dos comentárioa, é nem mais nem menos que o 'culpado' desta nova decoração, a merecer palmas. E estou certo que entre os restantes comentadores também não deve ser difícil encontrar mais culpados, por isto ou por aquilo, sei lá, cada um saberá de si. Mas lá que é um prazer tê-los por aqui, isso não tenho dúvidas. Boltem sempre, todos, tubarões, cantigueiros e tudo.
Mainada.


De pearl a 30 de Abril de 2008 às 22:59
Entrei sem bater à porta e gostei do que vi. Parabéns!


De shark a 30 de Abril de 2008 às 23:01
Somos então vizinhos, at last.
Bem vindo ao sapal, pá.
Tá giro, o tasco novo...


De Saci a 30 de Abril de 2008 às 23:24
Há dias assim. Em que parece que tudo acaba e tudo começa.

Bem vindo. E boa sorte.


De PypaMary a 1 de Maio de 2008 às 00:46
Prontxes, já consegui !!! Foi difícil entrar nesta nova casa, mas já abri a porta. Burra com estes computers, chissa !!!! :))))


De Samuel a 1 de Maio de 2008 às 02:28
Deslumbrástico!
Sei que um dia alguém me vai ensinar o caminho das pedras...

Abraço


De Crisálida a 1 de Maio de 2008 às 13:36
O design está perfeito. Muito bom gosto. Parabéns.



De pnf a 1 de Maio de 2008 às 14:09
Entrei por acaso e parece-me que vou ficar por aqui a explorar, pelos meus dedos, até logo à tardinha. É que, já agora, quero experimentar os caracóis.


De Mar a 1 de Maio de 2008 às 17:08
Pela mão do Shark (who else?) conheço a casa nova e venho só aqui dizer que gosto.
Ao bom gosto da decoração, junte-se-lhe mobília simples mas bonita e temos um espaço acolhedor e confortável. Longa vida por aqui, então!


De vovó Maria a 1 de Maio de 2008 às 21:01

Caro Vasco :)!

venho, através do "cantigueiro",agradecer as carinhosas palavras que me dirigiu, pela minha actuação e da Ana Lucia, no festa "Vozes de Abril". cantámos uma para a outra e, foi por esse momento, pelo significado do espectáculo e pela alegria do reencontrar tanta gente que já não vislumbrava, havia muitas luas, que ali fui fazer a minha prestação.
costumo "visitá-lo" diariamente e de quando em vez, deixo qualquer "coisinha", assinada como Maria (açoriana com "i"). não me atrevo a muitos comentários, pois acho quenão tenho "estudos" :) para tanto...
acho a sua escrita brilhante e mordaz , de um humor que se usa bastante cá em casa :)... é bom haver e ler oásis como o seu!
já ontem me tinha introduzido na sua nova "maison" :) e... vê-se que é coisa fina, sente-se que é coisa boa :)! parabéns pela mudança e muitas felicidades :)!!!
agora, aproveito o convite e vou ao caracolzito que é petisco bem apreciado por mim :)!
à nossa :)!!!!!!
abreijos,
vovó Maria



De Rui Vasco Neto a 2 de Maio de 2008 às 04:01
maria,
pois, não tenho dúvidas que este tipo de humor é familiar e característico da vossa sala de estar, (já levei suficientes bicadas desse canário para lhe reconhecer o tom à distância...;)))).
Não tinha ideia que viesse daí a 'maria com i', porque já deve ter reparado que paira aqui um bando numeroso dessa corja de milhafres de onde inventaram o açor!! A nossa gente é tanto visita diária do 7vidas que já quase virou mobília, em alguns e bons casos.
Em tempos aqui na loja, exactamente a propósito de um parlapié de comentários entre vários coriscos e o nosso sam, alguém alvitrou que um destes dias estaríamos condenados a sentar-nos à roda de uma mesa farta para um debate alargado sobre coisas sérias e canções não menos. Pois que esse dia venha logo, digo eu. Cada vez mais acho que vai ser um belíssimo momento...

Aceite um beijo, Maria. Com carinho.

rvn


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas