Sábado, 3 de Maio de 2008
O drama da piriquituda
Sábado, 03 Mai, 2008
Vejamos se me faço entender. Não sei o que isto é, como se chama, a que horas é ou foi exibido, nem onde o foi ou pode ter sido, se por acaso o foi, claro. Tropecei nisto por puro acaso, aqui, andava eu correndo bosques à cata de outra lebre. Entrei por curiosidade e sem grande fé, quase contrariado e já pronto a sair ao mínimo pretexto, quase suspirando por um. Comecei a ver e fui ficando, fiquei até ao fim e cliquei no replay. Então e o que é que eu já sei, agora? Sei que é algo absolutamente hilariante, isso eu sei e garanto, que já vi e revi com gosto. Um texto e três actores, brilhantes todos quatro, um andamento precioso e sem falhas (na representação, na respiração e na realização) e já está: eis um belo momento de humor em televisão, na escola do saudoso 'Sai de Baixo'. Tudo simples, sem grandes flores, só o essencial mas em bom. Achei que era uma boa ideia dividir convosco esta folga nos dramas do dia-a-dia, esquecer Menezes, Sócrates, a ASAE, o PIB e o desemprego nacional, só por hoje, só por uns minutos. Este sim, é o drama adequado para um sábado de Maio. O drama da piriquituda, para quem faça questão de título e sinopse.

(Os mais atentos de entre vós terão reparado que fiz algumas tentativas para colocar aqui o próprio video, como era suposto, proeza que falhei miseravelmente, como (não) podem ver.  Assim, deixei o link para o you tube, de forma a que possam ir vendo o episódio enquanto eu carrego a caçadeira e vou atrás de um gajito verde que salta, a assapar, para resolver isto de uma vez por todas. Chega. Não vou engolir este sapo. Vou esfolá-lo, mesmo. O blogue a quem o trabalha, já! Este sapo é um sapo em apuros, tem os nenúfares contados. É só eu apanhá-lo.)

(E pronto, todo o fanfarrão paga pela língua, é bem certo e está visto. Está visto e está escrito, mais acima, no post que conta a história toda que eu nestas coisas sou muito certinho, o sapo a seu dono. Moral da história?Tanta conversa, tanta conversa e lá acabei por engolir o sapo, ora adeus.Pfff.)


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 3 de Maio de 2008 às 17:43
Estava a precisar de desopilar...
Grande timing! Quase tão grande como a piriq... adiante.


De Rui Vasco Neto a 6 de Maio de 2008 às 01:48
sam,
...tuda, sam, tuda.
deixa-me adivinhar, tirei-te a 'piriquituda' da boca, foi? e para que servem os amigos, afinal?
dispõe.


De Bartolomeu a 3 de Maio de 2008 às 18:09
Permita-me que o rectifique. os actores foram 5, apesar de fisicamente só 4 serem visíveis.
Acerca da PERIQUITONA... PERIQUITAÇA, ou lá o que fosse, era assunto para ser investigado pela ASAE... pela PJ... pelo MP... shlaaap... shlaaap...


De Rui Vasco Neto a 6 de Maio de 2008 às 01:49
bart,
credo! homem, vá a uma qualquer loja chinesa, encontra babetes por menos de um euro, não se pode pedir mais...


De Rui Vasco Neto a 6 de Maio de 2008 às 01:50
bart,
credo! homem, vá a uma qualquer loja chinesa, encontra babetes por menos de um euro, não se pode pedir mais...


De PypaMary a 3 de Maio de 2008 às 18:11
Com este meu velho computador, não consegui chegar ao youtube pelo link (namsênada disto !), mas valeu pela gargalhada que dei ao ler a tua raivinha à coisinha verde ... Afundar-lhe os nenúfares ?!?!!!! ihihih !!! Adoro quando estás assim bem disposto ! LOL


De Afrika a 3 de Maio de 2008 às 19:00
fantástico, adorei, amei... Obrigado por partilhar connosco tão terrível drama!
Bem... fui!
Bom fim de semana.


De aoutraquesoueu a 4 de Maio de 2008 às 18:50
Não precisei ir ao youtube vi mesmo aqui na sua rubrica e gostei aliás o Luis fernando e a Fernanda Torres são actores de mão cheia. Eu costumava assistir a esta sério quando na Tv-cabo existia um canal brasileiro, que não este que se vê agora.
Obrigada pelo momento de descontração e riso que me proporcionou.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas